Menu
2020-11-03T09:35:24-03:00
Estadão Conteúdo
Até eles

BC da Austrália reduz taxa básica de juros de 0,25% para 0,10%

Foi a primeira revisão após sete meses de manutenção da taxa em uma tentativa de recuperar a economia da recessão induzida pela pandemia da covid-19

3 de novembro de 2020
9:35
Skyline de Sydney, na Austrália, com destaque para a Ópera de Sydney
Skyline de Sydney, na Austrália, com destaque para a Ópera de Sydney - Imagem: Shutterstock

O Banco Central da Austrália (RBA, pela sigla em inglês) decidiu nesta terça-feira, 3, cortar a taxa básica de juros do país de 0,25% para 0,10%. Foi a primeira revisão após sete meses de manutenção da taxa em uma tentativa de recuperar a economia da recessão induzida pela pandemia da covid-19. "Com a Austrália enfrentando um período de alto desemprego, o Reserve Bank está comprometendo-me a fazer o que puder para apoiar a criação de empregos", disse o presidente da autoridade monetária, Philip Lowe.

Além do juro básico, o BC australiano reduziu a meta para o juro do bônus soberano de três anos, igualmente de 0,25% para 0,10%. O RBA também anunciou que vai comprar 100 bilhões de dólares australianos (US$ 70 bilhões) em títulos do governo com vencimentos de cinco a 10 anos ao longo dos próximos seis meses.

Lowe anunciou a série de medidas para estimular a atividade econômica, afirmando que o banco considerou necessário impulsionar ainda mais a demanda e acelerar a reparação de um mercado de trabalho dizimado pela pandemia da covid-19. "A combinação das compras de títulos do RBA e taxas de juros mais baixas em toda a curva de rendimento ajudará na recuperação, reduzindo os custos de financiamento; contribuindo para uma taxa de câmbio mais baixa; e apoiando os preços dos ativos e balanços", disse Lowe em comunicado.

A mudança de política do Banco Central australiano segue o anúncio no mês passado de uma grande expansão nos gastos do governo para apoiar a economia nos próximos anos, com o tesoureiro Josh Frydenberg prometendo manter as torneiras fiscais abertas até que o desemprego se aproxime dos níveis pré-pandemia. "O conselho considera que tratar da alta taxa de desemprego é uma prioridade nacional importante. O pacote de políticas de hoje, junto com as medidas anteriores do RBA, ajudará nesse esforço", disse Lowe.

Ele acrescentou que os dados econômicos recentes têm sido melhores do que o esperado e as perspectivas de curto prazo está melhor do que há três meses. "Mesmo assim, a recuperação ainda deve ser acidentada e prolongada e as perspectivas continuam dependentes da contenção bem-sucedida do vírus", apontou. Sobre o PIB do país, o RBA espera crescimento de 6% no atual ano fiscal, que vai até junho de 2021, e de 4% em 2022. O banco central reduziu sua previsão de desemprego do país de 10% para 8%. Também projeta inflação de 1% em 2021 e 1,5% em 2022.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

gestão segue independente

Holding do BTG Pactual compra consultoria de energia PSR

Um dos principais objetivos da parceria é propiciar a expansão da companhia no mercado global de energia

recursos contra a doença

Câmara aprova liberação de R$ 1,9 bilhão para compra de vacinas contra Covid-19

Dinheiro vai custear contrato entre a Fiocruz, vinculada ao Ministério da Saúde, e o laboratório AstraZeneca; recursos virão da emissão de títulos públicos

permissão especial

Anvisa divulga regras para autorização emergencial de vacina contra covid-19

Modo simplificado terá menos exigências do que os registros de outros medicamentos e tratamentos, mas a agência declarou que serão garantidos requisitos de segurança

seu dinheiro na sua noite

Uma previsão (conservadora) para a bolsa em 2021

Depois de tudo que passamos em 2020 (e o ano ainda não acabou), eu admiro a coragem de quem se arrisca a fazer previsões para o desempenho dos investimentos. As estimativas podem parecer mero chute — e às vezes são mesmo — mas no geral têm fundamento. Com algum trabalho, é possível calcular o fluxo […]

emissão de dívida em dólar

Tesouro capta US$ 2,5 bilhões no exterior com títulos de 5, 10 e 30 anos

Houve forte demanda pelos títulos de dívida externa, que superou a oferta em mais de 3 vezes, diz instituição; volume emitido com bônus de 10 anos foi o maior, de US$ 1,25 bi

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies