Menu
2020-11-03T09:35:24-03:00
Estadão Conteúdo
Até eles

BC da Austrália reduz taxa básica de juros de 0,25% para 0,10%

Foi a primeira revisão após sete meses de manutenção da taxa em uma tentativa de recuperar a economia da recessão induzida pela pandemia da covid-19

3 de novembro de 2020
9:35
Skyline de Sydney, na Austrália, com destaque para a Ópera de Sydney
Skyline de Sydney, na Austrália, com destaque para a Ópera de Sydney - Imagem: Shutterstock

O Banco Central da Austrália (RBA, pela sigla em inglês) decidiu nesta terça-feira, 3, cortar a taxa básica de juros do país de 0,25% para 0,10%. Foi a primeira revisão após sete meses de manutenção da taxa em uma tentativa de recuperar a economia da recessão induzida pela pandemia da covid-19. "Com a Austrália enfrentando um período de alto desemprego, o Reserve Bank está comprometendo-me a fazer o que puder para apoiar a criação de empregos", disse o presidente da autoridade monetária, Philip Lowe.

Além do juro básico, o BC australiano reduziu a meta para o juro do bônus soberano de três anos, igualmente de 0,25% para 0,10%. O RBA também anunciou que vai comprar 100 bilhões de dólares australianos (US$ 70 bilhões) em títulos do governo com vencimentos de cinco a 10 anos ao longo dos próximos seis meses.

Lowe anunciou a série de medidas para estimular a atividade econômica, afirmando que o banco considerou necessário impulsionar ainda mais a demanda e acelerar a reparação de um mercado de trabalho dizimado pela pandemia da covid-19. "A combinação das compras de títulos do RBA e taxas de juros mais baixas em toda a curva de rendimento ajudará na recuperação, reduzindo os custos de financiamento; contribuindo para uma taxa de câmbio mais baixa; e apoiando os preços dos ativos e balanços", disse Lowe em comunicado.

A mudança de política do Banco Central australiano segue o anúncio no mês passado de uma grande expansão nos gastos do governo para apoiar a economia nos próximos anos, com o tesoureiro Josh Frydenberg prometendo manter as torneiras fiscais abertas até que o desemprego se aproxime dos níveis pré-pandemia. "O conselho considera que tratar da alta taxa de desemprego é uma prioridade nacional importante. O pacote de políticas de hoje, junto com as medidas anteriores do RBA, ajudará nesse esforço", disse Lowe.

Ele acrescentou que os dados econômicos recentes têm sido melhores do que o esperado e as perspectivas de curto prazo está melhor do que há três meses. "Mesmo assim, a recuperação ainda deve ser acidentada e prolongada e as perspectivas continuam dependentes da contenção bem-sucedida do vírus", apontou. Sobre o PIB do país, o RBA espera crescimento de 6% no atual ano fiscal, que vai até junho de 2021, e de 4% em 2022. O banco central reduziu sua previsão de desemprego do país de 10% para 8%. Também projeta inflação de 1% em 2021 e 1,5% em 2022.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

MERCADOS HOJE

Ibovespa ignora tensão em Brasília e busca romper marca histórica; dólar recua

Exterior positivo traz fôlego aos negócios locais, mas problemas em Brasília persistem

Exile on Wall Street

Bolsa não precisa de motivos para subir e os ganhos acontecerão – mesmo no pior cenário

Do fim de fevereiro até este meio de abril, o Ibovespa retomou os 120 mil pontos rapidamente, e sem qualquer utopia. Isso nos traz uma importante lição enquanto investidores agnósticos: a Bolsa não precisa de motivos para subir. Repita o mantra: não precisa de motivos para subir, não precisa de motivos… assim como você não […]

Taxa zero pra todo o lado

Easynvest zera taxa de corretagem para maioria das operações com ações, BDRs e opções

A corretora digital já não cobrava por investimentos em renda fixa e agora quer expandir essa ideia para ações, BDRs e opções do aplicativo

O melhor do Seu Dinheiro

A magia dos dados da Boa Vista, Arezzo, Hering e outros destaques do dia

No começo do ano, vazaram na internet dados de mais de 220 milhões de brasileiros, incluindo CPF, nome, endereço e renda. O número é maior que o da população brasileira porque o arquivo incluía pessoas que já faleceram. Mas não são apenas criminosos que espalham referências sobre quem somos por aí. Todos os dias nós […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies