Menu
2020-07-01T14:25:39-03:00
Estadão Conteúdo
baque coronavírus

83% das pequenas e médias empresas da AL sofrem impacto da pandemia, diz pesquisa

Companhias que fazem parte das 17% que não foram impactadas atuam, em sua maioria, em setores considerados essenciais

1 de julho de 2020
14:22 - atualizado às 14:25
máscara indústria coronavírus
Imagem: shutterstock

As atividades de 83% das pequenas e médias empresas (PMEs) de toda a América Latina sofreram algum tipo de impacto causado pela pandemia do novo coronavírus. As companhias que fazem parte das 17% que não foram impactadas atuam, em sua maioria, em setores considerados essenciais, como supermercados, farmácias, agricultura e postos de combustível.

Os dados são da pesquisa "As PMEs latinoamericanas em tempo de covid-19: seus desafios, dificuldades e necessidades", encomendada pela Visa e realizada pela consultoria Americas Market Intelligence, em maio de 2020, com 100 empresas dos setores da indústria, comércio e serviços localizadas no Brasil, México e Colômbia.

Os resultados mostram ainda que, para 40% dos empresários entrevistados, houve redução significativa nas vendas, enquanto 30% dizem enfrentar a falta de matéria-prima, cancelamento de contratos e perdas de clientes. A folha de pagamento aparece como a principal preocupação dos donos de médios e pequenos negócios, seguida por pagamento de aluguel, crédito mobiliário e despesas com contas de luz, água e telefone.

Este cenário reforça a demanda das empresas por crédito e ajuda de instituições financeiras. Segundo o levantamento, 40% das empresas entrevistadas utilizam algum tipo de crédito ou empréstimo (incluindo de amigos ou familiares, excluindo financiamento e cartões de crédito). Em 2018, a taxa era de 14%, o que indica aumento da demanda por esses serviços. Entre as que utilizaram crédito, metade o faz por meio de bancos comerciais, e são quase todas dos setores de comércio e indústria.

De acordo com a Visa, em comunicado, as PMEs do comércio são as que mais demandam um novo aporte financeiro. Já as empresas da indústria e provedores de serviços apontam a assistência dos bancos para flexibilizar pagamentos de cartões de crédito como maior necessidade.

Quanto aos serviços já oferecidos pelos bancos, 87% afirmam que usam o internet banking ou o aplicativo da sua instituição financeira. Entre estes, 85% recorrem às plataformas digitais apenas para realizar operações simples, como consultas, transferências e pagamentos. Os 15% restantes realizam transações mais avançadas, como cancelamento de cartões, solicitação de crédito, abertura de conta e atendimento ao cliente.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

O melhor do seu dinheiro

Alguém chame os bombeiros

Hoje tivemos mais um dia de grande volatilidade nos mercados brasileiros, que entraram em parafuso com o temor de que o teto de gastos poderia vir a ser furado. Os investidores aguardam com grande ansiedade a votação da PEC Emergencial, aquela que permitirá o retorno do auxílio emergencial. E rumores de que ela seria desidratada […]

FECHAMENTO

Em dia de alta volatilidade, Lira salva Ibovespa de um fiasco e segura o dólar em R$ 5,66

A volatilidade reinou absoluta nesta quarta-feira (03) e mais uma vez Brasília foi responsável por movimentar os negócios no Brasil. Lá fora, o dia foi de cautela com a alta dos juros futuros

Luz no fim do túnel?

Ministério da Saúde avança em negociações com laboratórios para comprar vacinas

A declaração do MS foi dada pelo titular da pasta, Eduardo Pazuello, em reunião com a Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Crypto News

Bitcoin para leigos e descrentes também

Descrever algo tão complexo como o Bitcoin exige repertório, dedicação e um pouco de sedução de quem apresenta.

Ruim, mas nem tanto?

“É um dos países que menos caíram no mundo”, afirma Bolsonaro, sobre queda de 4% no PIB

Para Bolsonaro a queda do PIB só não foi maior devido a movimentação da economia gerada pelo auxílio emergencial.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies