Menu
2020-03-16T07:19:13-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro

BC do Japão adota medidas contra o coronavírus e admite possível corte de juros

BoJ rebaixou a sua avaliação da perspectiva econômica doméstica, passando a dizer que a atividade no Japão tem estado fraca devido ao impacto do coronavírus

16 de março de 2020
7:18 - atualizado às 7:19
Bandeiras do Japão
Bandeiras do Japão - Imagem: Shutterstock

O Banco do Japão (BoJ) respondeu ao corte de juros do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) com medidas para bombear dinheiro para dentro do mercado de ações em Tóquio e da economia após ambos serem golpeados pela pandemia do novo coronavírus.

O banco central japonês disse que vai cobrar as compras de fundos de índice (ETFs) no mercado acionário, que já caiu mais de 25% em relação ao seu pico mais recente. Até agora, o BoJ tinha como meta comprar anualmente 6 trilhões de ienes (US$ 56 bilhões). Nesta segunda-feira, prometeu dobrar o número para 12 trilhões de ienes anuais.

O banco elevou a sua meta para a sua carteira de bônus corporativos de 3,2 trilhões de ienes para 4,2 trilhões de ienes. No caso dos papel comercial, o objetivo passou de 2,2 trilhões para 3,2 trilhões.

No domingo, o Fed cortou a sua taxa básica de juros da faixa de 1,00% a 1,25% para a faixa de 0,00% a 0,25% e disse que vai comprar US$ 700 bilhões em títulos do Tesouro e lastreados em hipotecas.

Assim como o Banco Central Europeu (BCE) na semana passada, o Banco do Japão optou por não cortar a sua taxa básica de juros desta vez, mantendo-a em -0,1% e a sua meta para o rendimento do bônus do governo japonês (JGB) de 10 anos em torno de 0%.

Além disso, o BC japonês rebaixou a sua avaliação da perspectiva econômica doméstica, passando a dizer que a atividade no Japão tem estado fraca devido ao impacto do coronavírus - antes, enxergava a economia em uma tendência moderada de expansão.

Antes da reunião desta segunda-feira, pessoas familiarizadas com a forma de pensar dentro do BoJ disseram que os dirigentes estavam preocupados com a possibilidade de cortar juros território negativo adentro poderia ser um tiro a sair pela culatra por espremer os lucros de bancos e torná-los hesitantes a oferecer crédito.

O BoJ também reafirmou a sua orientação (guidance) anual para a compra de JGBs, hoje em 80 trilhões de ienes. No período de 12 meses mais recente, o banco comprou cerca de 14 trilhões de ienes em JGBs.

"O banco vai monitorar de perto o impacto da covid-19 pelo futuro próximo e não hesitará em adotar medidas de afrouxamento adicionais se necessário", disse o BoJ em um comunicado.

Em uma tentativa de resgatar companhias afetadas pelo vírus, o BoJ introduziu um novo mecanismo de empréstimo sob o qual bancos comerciais podem tomar empréstimos de um ano do banco central a juro zero e estender crédito a empresas afetadas.

Foi a primeira vez que o BoJ se reuniiu fora do seu calendário regular desde novembro de 2011.

Corte de juros

O presidente do BoJ, Haruhiko Kuroda, disse nesta segunda-feira que a economia japonesa se enfraqueceu recentemente devido aos efeitos do novo coronavírus, mas previu que deverá retomar sua tendência de expansão moderada quando a disseminação da doença chegar ao fim.

Em coletiva de imprensa que se seguiu à decisão, Kuroda disse que o BoJ não hesitará em tomar medidas adicionais de relaxamento, se necessário, o que pode incluir cortes de juros.

"Não acho que o BoJ tenha atingido o limite com a taxa de -0,1%. Acredito que cortar o juro em território mais negativo ainda é possível, e planejamos fazê-lo se isso se tornar necessário", declarou Kuroda.

Kuroda afirmou também que a iniciativa do BoJ faz parte de uma estratégia coordenada com outros países. Ontem à noite, o Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) reduziu seu juro básico em um ponto porcentual, para a faixa de 0% a 0,25%, e tomou várias outras medidas, também em reação à propagação do coronavírus.

A cooperação envolve também o Banco Central Europeu (BCE), o Banco da Inglaterra (BoE) e os BCs do Canadá e da Suíça.

Ainda na coletiva, Kuroda comentou que a China - onde o coronavírus teve origem - pode começar a se recuperar no segundo trimestre.

*Com Dow Jones Newswires e Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Funcionários com covid-19

Secretaria do Espírito Santo confirma 53 infectados na plataforma Macaé da Petrobras

Segundo a Sesa, a comunicação da Petrobras sobre a ocorrência aconteceu nesta quarta-feira. Estatal disse mais cedo ao Broadcast que a plataforma era da SBM

Seu Dinheiro na sua noite

Sobe no tuíte, cai no (quase) fato

Você já deve ter ouvido alguma vez a expressão “sobe no boato, cai no fato”. Alguém se lembra dela toda vez que a bolsa sobe diante de algum rumor e cai logo depois da confirmação. Isso acontece porque o tal mercado sempre tenta se antecipar aos acontecimentos. Quando eles se materializam, os preços em geral […]

Atualização sobre covid-19

Brasil registra 941 mortes por coronavírus desde início de pandemia

O resultado marca um aumento de 17% de mortes no Brasil em relação a ontem, quando foram registrados 800 óbitos

Alívio intenso

Ibovespa fecha em queda, mas ainda acumula ganhos de mais de 11% na semana; dólar cai a R$ 5,09

O Ibovespa teve a melhor semana desde março de 2016, sustentado pelo viés mais otimista visto no exterior nos últimos dias. O dólar à vista também passou por um alívio importante, recuando mais de 5% na semana

Socorro financeiro

Maia acusa equipe econômica de dar informações falsas em projeto para estados

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) acusou a equipe econômica de dar informações falsas no projeto de socorro emergencial a Estados e relacionou o impasse em torno da proposta à disputa do presidente Jair Bolsonaro com governadores

Crédito contra covid-19

Boa parte do valor liberado ainda não foi usada pelos bancos, diz presidente do BC

Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta quinta-feira, 9, em entrevista por videoconferência ao portal UOL, que a instituição já anunciou a liberação de cerca de R$ 1,2 trilhão para os bancos, para combater os efeitos da pandemia do novo coronavírus

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: um presente de Páscoa para os mercados

O podcast de hoje faz o balanço de uma semana positiva para os mercados, mesmo em meio à crise do coronavírus

Prontos para auxiliar

Bancos estão sólidos para ajudar a preservar empregos e empresas, diz presidente da Febraban

presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Isaac Sidney, garantiu nesta quinta-feira, 9, que o setor bancário está pronto para ajudar as empresas a preservar empregos

Recessão pior que 2008

IIF prevê que PIB global cairá 2,8% em 2020, e do Brasil, 4,1%

IIF revisou para baixo sua projeção para o PIB global e passou a prever contração de 2,8% em 2020

Títulos privados

BCs de emergentes podem necessitar ser comprador de última instância, diz Campos Neto

Roberto Campos Neto fez nesta quinta-feira, 9, em reunião com senadores, uma defesa da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 10, que permite que o BC compre títulos privados durante o período de crise

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements