Menu
2020-12-08T06:57:54-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
cronograma

Privatizações serão pauta prioritária a partir de fevereiro, diz líder do governo na Câmara

Barros afirmou que presidente do Senado reservou dia 10 de dezembro para votar PEC emergencial, caso haja um consenso em torno do relatório

8 de dezembro de 2020
6:57
26903707058_e04295dc5b_c
(Brasília - DF, 12/03/2018) Discurso do então ministro de Estado da Saúde, Ricardo Barros. Foto: Marcos Corrêa/PR -

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), disse na segunda-feira (7) que as privatizações "serão pauta prioritária a partir de fevereiro" na Casa e que espera votar que a votação da autonomia do Banco Central, já aprovada no Senado, ocorra na semana que vem.

Em evento promovido pela XP Investimentos, Barros afirmou que algumas empresas podem ser privatizadas "rapidamente", mas ressaltou que tudo depende do aval do Congresso.

Nas últimas semanas, o ministro da Economia, Paulo Guedes, se disse frustrado pelo fato de as privatizações, uma das principais bandeiras da equipe econômica, terem travado no Congresso e atribuiu o insucesso a "acordos de centro-esquerda".

Ontem, Barros disse que órgãos de controle como Tribunal de Contas da União (TCU), Controladoria-Geral da União (CGU), Ministério Público Federal (MPF) e o Poder Judiciário são "corporações de servidores públicos" e, por isso, acabam tomando decisões que muitas vezes protelam as privatizações.

Sobre a autonomia do BC, o líder do governo na Câmara afirmou que ela deve ser analisada após a votação dos projetos da BR do Mar – cujo texto-base do projeto de lei foi aprovado ontem – e de desvinculação de recursos de fundos do governo.

PEC Emergencial

Barros disse ainda que o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), reservou o dia 10 de dezembro para a votação da PEC emergencial no 1º e 2º turno, caso haja um consenso em torno do relatório do senador Marcio Bittar (MDB-AC). "A votação da PEC emergencial ocorrerá se houver consenso em torno do relatório de Bittar", afirmou.

Ontem, o vazamento de uma minuta do relatório da PEC Emergencial, que traz medidas de contenção de despesas, com uma permissão para furar o teto de gastos expôs a disputa política em torno da tentativa de ampliar despesas e mostrou que o fantasma da flexibilização da regra fiscal ainda assombra a equipe econômica.

A minuta obtida pelo Estadão/Broadcast previa que investimentos em infraestrutura e gastos de combate à pobreza bancados com receitas hoje paradas em fundos públicos poderiam ser executadas fora do teto pelo período de um ano após a aprovação da PEC. O texto foi repassado à reportagem por uma das lideranças que participam das negociações.

A divulgação da notícia azedou o humor dos mercados e deflagrou reação imediata do Ministério da Economia, que se posicionou contra qualquer flexibilização no teto, mesmo que temporária.

* Com informações da Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Aceno a Biden

Na Cúpula do Clima, Bolsonaro promete zerar emissões de gases de efeito estufa até 2050

No encontro, organizado por Joe Biden, o presidente do Brasil também se comprometeu a zerar o desmatamento ilegal até 2030

Nem o agro se salva

Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) engrossa a lista de IPOs adiados em 2021

A empresa, que já havia interrompido a oferta por alguns dias em janeiro, citou a “deterioração” do mercado em seu segundo adiamento

perspectivas

Temporada de balanços 1º tri: quem deve ir bem e quem ainda está mal, segundo o BofA

Empresas começam a divulgar resultados de um período marcado por lockdowns e alta dos preços das commodities; veja o que esperar

vale o que pesa?

Oi perdeu atratividade após vender fibra ótica? BTG Pactual diz que não

Para analistas, que trabalham dentro do grupo que fez a oferta pelos ativos, as ações possuem bom potencial de alta em qualquer cenário

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies