Menu
Ivan Sant’Anna
Seu Mentor de Investimentos
Ivan Sant’Anna
É trader no mercado financeiro e autor da Inversa
Dados da Bolsa por TradingView
2020-03-17T12:59:35-03:00
seu mentor de investimentos

Ivan Sant’Anna está confinado, mas dá o recado: ‘a Bolsa não volta tão cedo nos 119 mil pontos’

Volta e meia falo que, em meus mais de 60 anos de mercado, vi de tudo. Pois bem, exagerei. Esta pandemia pegou todo mundo de surpresa. Nunca testemunhei algo parecido.

17 de março de 2020
12:25 - atualizado às 12:59
Ivan Sant’Anna
Ivan Sant’Anna - Imagem: Divulgação

Na última quarta-feira, 11 de março, desembarquei no aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, procedente de Londres, após uma viagem de 20 dias por diversos países da Europa. Tossia e espirrava muito.

  • Ivan Sant'Anna, que está de volta ao Brasil após semanas na Europa, se diz surpreso pelo efeito do Coronavírus. Mas, ele não se deixa abater e garante que pode ser hora de comprar. Leia abaixo a fabulosa crônica desse grande mestre do mercado. E, para acessar as melhores 30 ideias da carreira do Ivan, clique aqui.

Em casa, constatei que minha temperatura começou a subir bastante: 37,1, 37,2... 37,9 graus. Chamei então um médico, que fez um pedido de teste de coronavírus. O laboratório veio aqui e colheu o material.

Acontece que o resultado só sai na próxima quinta-feira (19). Até lá, ficarei confinado em meu apartamento.

Nos últimos dias, perdi nove quilos. Simplesmente não consigo engolir nada, nem mesmo uma xícara de chá.

Se realmente estiver com o vírus, acho que desenvolvi uma forma branda da doença. Pois não tenho nenhuma dificuldade respiratória. Segundo o médico, meus pulmões estão limpinhos.

Por puro palpite, e sem nenhuma base científica, acho que tenho 50% de probabilidade de ter desenvolvido esta nova versão do corona.

Já estou bem velhinho (faço 80 anos daqui a dois meses) e passei por diversas áreas de risco, inclusive Barcelona, onde estive por três dias e três noites.

Não podemos desconsiderar que a Catalunha é atualmente o epicentro da doença na Europa.

Acho melhor estar logo com o coronavírus duma vez. Quando ele chegar para valer no Brasil, e isso acontecerá em algumas semanas, faltarão kits de laboratório, remédios e leitos em CTIs de hospitais.

Volta e meia falo que, em meus mais de 60 anos de mercado, vi de tudo. Pois bem, exagerei. Esta pandemia pegou todo mundo de surpresa. Nunca testemunhei algo parecido.

Na gripe espanhola, ao final da Primeira Guerra Mundial, e que foi infinitamente pior que esta, eu ainda não tinha nascido.

As demais foram café pequeno perto do coronavírus.

Tenho aconselhado aos caros amigos leitores que perguntam se não está na “hora de voltar a comprar ações” que isso deve ser feito muito lenta e seletivamente.

Só que isso será uma atitude de bargain hunters (caçadores de barganhas) ou bottom pickers (prospectores de mínimas), de gente que quer comprar papéis baratos, muito baratos, cujos preços já tenham embutido tudo de ruim que aconteceu.

Sinto lhe informar: as empresas vão perder muito dinheiro, o desemprego voltará a crescer e pouquíssimos negócios resistem a uma economia paralisada.

Quem acha que a máxima de todos os tempos do Ibovespa, 119.527 pontos, alcançada no dia 23 de janeiro de 2020, voltará a acontecer este ano, pode tirar o cavalo da chuva.

Tão cedo a Bolsa não volta lá.

Quando o processo de recuperação for iniciado, cada patamar do índice será o patamar de alguém que comprou ações apenas para fugir dos fundos de “perda fixa” e levou uma fubecada.

Os caras, ou as caras, vão se sentir extremamente aliviados quando recuperarem seu preju e pularão fora imediatamente. 

De uma coisa, todo mundo tem certeza: o cenário mudou. Isso não necessariamente significa perda para os que entrarem agora.

Chegou o momento de separar os meninos dos homens.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Erros no mercado

Número de pedidos de indenização após perdas na Bolsa salta 810% no primeiro semestre

O Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos assegura aos investidores o ressarcimento de até R$ 120 mil por prejuízos causados por erros ou omissões de participantes do mercado

Lua de mel amarga

C6 quer ‘divórcio’ da TIM, mas operadora briga contra a separação

Um ano após firmarem parceria para captação de clientes em troca de ações, a fintech ouviu um ‘não’ para seu pedido de rescisão de contrato

Crise hídrica

Ministro de Minas e Energia descarta racionamento e diz trabalhar para evitar apagão

Com níveis alarmantes nas usinas hidrelétricas, até mesmo a volta do horário de verão é considerada por alguns membros do governo e indústria

Negócio da China?

SEC confirma pausa em IPOs de empresas chinesas; agência reguladora dos EUA fará novas orientações sobre riscos

Em meio à ofensiva regulatória de Pequim, a SEC busca novas orientações ao mercado sobre os riscos envolvidos em comprar ações de companhias do país asiático

Passo à frente

Rumo ao “outro patamar”: EQI, que trocou a XP pelo BTG, recebe autorização para abrir corretora

Depois de ser pivô de disputa entre os bancos, escritório de agentes autônomos dá um passo decisivo para ter “vida própria” no mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies