Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2020-03-20T19:45:35-03:00
SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Quando a bicicleta da economia para de pedalar

20 de março de 2020
19:28 - atualizado às 19:45
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Um dos meus grandes feitos como pai – e que dificilmente será superado – foi ensinar o André e a Helena a andar de bicicleta.

Desenvolvi uma técnica infalível com base em duas instruções básicas: olhar sempre para frente e não parar de pedalar.

O que serve para a bicicleta serve para a economia. A atividade funciona em ciclos, que começam vacilantes e vão ganhando tração conforme a confiança dos agentes aumenta.

O problema é que em algum momento é preciso frear, seja porque há um buraco à frente ou por simples fadiga. A função dos governos é evitar uma parada brusca, mas às vezes a bicicleta sai do controle ou simplesmente quebra, como ocorreu na crise de 2008.

O choque provocado pelo coronavírus é diferente de todos os outros que vivemos. Nesse caso, é como se tivéssemos simplesmente parado de pedalar. A perda de equilíbrio e a queda são inevitáveis.

Depois de todo o mercado cortar as projeções para o PIB brasileiro neste ano diante da pandemia, hoje à tarde foi a vez do governo reduzir suas estimativas.

Mas em vez de simplesmente reconhecer que não haverá crescimento, recorreu a um preciosismo ao projetar um avanço de 0,02% em 2020.

Um panorama mais completo do que pode acontecer quando a bicicleta da economia para de pedalar foi dado pelo Itaú Unibanco. O maior banco privado brasileiro prevê uma retração de 0,7% do PIB neste ano.

A expectativa é que o impacto da paralisação imposta pelo coronavírus seja temporário, mas violento: no segundo trimestre a economia brasileira deve ter uma contração de 9,6%!

Você pode conferir as todas as projeções do Itaú para a economia e também para o dólar nesta matéria do Felipe Saturnino.

Perdeu o embalo 

A bolsa começou o dia com pinta de que encerraria melhor a semana, mas não sustentou os ganhos da manhã e fechou em queda de quase 2%. Nem mesmo as novas medidas de estímulo nos Estados Unidos animaram os investidores em meio ao aumento das restrições à circulação de pessoas em meio à pandemia do coronavírus. A boa notícia é que o dólar voltou a cair, mas se manteve acima dos R$ 5,00, como você lê na nossa cobertura de mercados.

Crise de crédito no radar?

O mês de março foi implacável para praticamente todos os investimentos. As debêntures, títulos de dívida emitidos por empresas, acumulam uma perda da ordem de 4%. O movimento me chamou a atenção, ainda mais diante de uma possível crise de crédito no radar em consequência da pandemia do coronavírus. Eu conversei com gestores de fundos e especialistas para entender os riscos e o que esperar desse mercado.

As lendas também erram

De forma extraordinária, o lendário fundo Verde, de Luis Stuhlberger, divulgou uma nova carta aos investidores neste mês. Nela, o gestor reconhece que cometeu um erro importante: começou a comprar ações muito cedo. A Verde avalia que subestimou dois pontos: fatores climáticos para a disseminação do coronavírus e o comportamento da doença na Coreia do Sul e na Itália. Entenda melhor o que mudou para o gestor.

Popularidade em baixa

Não foi só a bolsa que caiu neste mês. Uma pesquisa da XP apontou hoje que a popularidade do presidente Jair Bolsonaro recuou para o menor nível desde o início do mandato. De acordo com o levantamento, 30% dos entrevistados consideram a administração de Bolsonaro ótima ou boa, ante 34% em fevereiro. A pesquisa também perguntou como a população avalia a reação do governo à pandemia do coronavírus. Confira o resultado.

E-commerce voando

Em meio a todo o caos com a rápida disseminação do coronavírus e o confinamento para evitar uma crise de saúde ainda maior, as compras pela internet dispararam até 40% na primeira quinzena deste mês em comparação com o mesmo período de 2019. Os produtos mais requisitados foram da saúde, só que todos de menor valor. Confira todos os detalhes.

Mercados em quarentena

Depois de uma semana pra lá de tensa, o happy hour do Seu Dinheiro foi virtual. O Victor Aguiar e eu comentamos o aprofundamento do pânico nos mercados na edição de hoje do podcast Touros e Ursos. Também não podia faltar na pauta a decisão do Banco Central de reduzir os juros. Em meio a tudo isso, falamos ainda sobre a piora no clima político e a condução errática de Jair Bolsonaro na pandemia do coronavírus. Então, solte o play e aumente o som!

Que semana, meus amigos.

Uma ótima noite e aquele abraço!

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

socorro ao setor

Ajuda para aéreas será próxima grande medida nos EUA, diz secretário do Tesouro

Steven Mnuchin comentou com otimismo o novo pacote de estímulos lançado nesta manhã em conjunto com o Federal Reserve

entrevista

‘Talvez as grandes empresas tenham de pagar mais tributos’, diz presidente do Bradesco

Octavio de Lazari vê a economia encolhendo até 4% neste ano, pior até que a estimativa do próprio banco, de queda de 1%, e diz que o impacto fiscal terá de ser resolvido a partir de 2021

entrevista

‘Sem liquidez, empresas vão começar a quebrar’, diz presidente da GM na América do Sul

Para Carlos Zarlenga, única saída, diz, é BNDES liberar linhas de curto prazo ou o governo assumir a garantia para empréstimos dos bancos privados

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

emergência

Auxílio emergencial já pago soma R$ 1,5 bilhão, diz Caixa

Segundo informações do banco, o benefício já foi creditado na conta poupança de 2.150.497 clientes da Caixa, e outros 436.078 lançamentos serão realizados pelo Banco do Brasil ainda nesta quinta

180 dias para pagar

Caixa vai dar carência de seis meses para pagamento de financiamento imobiliário

Opção estará disponível a partir de segunda-feira para a compra de imóveis novos por qualquer linha de crédito; financiamentos em andamento já podiam optar por uma pausa de 90 dias nas prestações

agenda de brasília

Câmara adia votação de projeto de socorro a Estados para dia 13

Além de suspender o pagamento de parcelas de dívidas com a União e bancos, o projeto permite aos governadores tomar crédito novo no limite de até 8% de suas receitas

crise chegando

Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA chegam a 6,61 milhões

Total ficou bem acima da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, de 5 milhões de solicitações

diante da crise

BC autoriza emissão de letra de crédito imobiliário (LCI) por cooperativas

Segundo BC, medida tem potencial para impactar positivamente o setor imobiliário, propiciando condições para aumentar a concorrência e a oferta de produtos e de serviços no sistema financeiro

anticrise

BC libera R$ 3,2 bi em requerimento de capital no crédito para PME

Regra abrange as empresas com receita bruta anual entre R$ 15 milhões e R$ 300 milhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu