Menu
2020-03-20T11:35:18-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Em carta

‘Cometemos um erro importante: começamos a comprar muito cedo’, diz Verde Asset

Em carta extraordinária, gestora de Luis Stuhlberger admite ter subestimado certos aspectos do avanço do coronavírus no mundo, e destaca crise de liquidez que tem jogado preços dos ativos para baixo

20 de março de 2020
11:32 - atualizado às 11:35
Luis Stuhlberger, sócio da Verde Asset
Luis Stuhlberger, lendário gestor da Verde Asset: casa está comprando ações americanas e mantém posições em ações brasileiras e juros reais. - Imagem: Fotoka/Divulgação

A gestora Verde, de Luis Stuhlberger, publicou uma carta extraordinária nesta sexta-feira (20) admitindo que "cometeu um erro importante" ao começar a comprar ativos muito cedo.

Na carta de gestão publicada no início de março, a casa havia baseado sua posição em três pilares: o de que os mercados se estabilizariam conforme as taxas de crescimento do número de casos da doença causada pelo coronavírus desacelerassem; o de que a doença refluiria conforme as temperaturas no hemisfério norte subissem; e o de que as políticas monetárias e fiscais dos governos teriam um papel importante em mitigar pânicos no mercado.

Na ocasião, a gestora havia afirmado que estava aumentando sua posição em ações gradualmente, focada no mercado americano, que considerava "o mais resiliente e que deve voltar primeiro, quando as condições acima tiverem sido preenchidas".

Porém, segundo a carta de hoje, embora em grande medida sua visão continue válida, a casa considera que começou a comprar cedo demais e que subestimou algumas coisas, dentre as quais destaca:

  • Ter atribuído peso relevante aos fatores climáticos (temperatura e umidade) para a disseminação do coronavírus, com base no baixo número de casos em países como Tailândia, Singapura e Indonésia. "Com isso, acreditávamos que por volta de maio o número de casos ia retrair de maneira importante, e portanto, os mercados iam conseguir atravessar o período mais agudo de março-abril sem grande pânico", diz a carta de hoje.
  • O comportamento do Covid-19 na Coreia do Sul versus o caso da Itália. A gestora destaca que, enquanto a Coreia teve um padrão exemplar em termos de gestão governamental da crise, e a doença atingiu uma população razoavelmente jovem, na Itália foi a população idosa é que foi atingida "de maneira brutal". E quando ficou claro que a única solução era a paralisação completa, já era tarde e o sistema de saúde não aguentou. "O caso italiano virou benchmark [referência] para o mundo ocidental, e isso fez os mercados precificarem o sudden stop [paralisação súbita] econômico de todos os países.

Corrida por liquidez

A gestora argumenta que os fundamentos do seu erro se somaram ao fato de que os mercados globais passam por uma enorme crise de liquidez, em que mesmo os ativos considerados "seguros" (como ouro e títulos do Tesouro americano) estão se desvalorizando junto com os ativos de risco (ações e títulos de dívida privada).

Trata-se de uma "corrida desenfreada por liquidez", em que os preços baixam em função de um movimento generalizado de vendas e resgates a qualquer preço.

"O ciclo vicioso de crédito piorando, e machucando o mercado acionário e vice-versa, também se faz presente. Tudo isso exacerba de maneira importante a deterioração de sentimento de preços", alerta a Verde.

A gestora diz ainda que a reação dos governos tem sido forte, após um período inicial de hesitação. Mas que "a incerteza econômica trazida pelos seguidos lockdowns mundo afora faz com que o horizonte de investimentos de todos seja reduzido ao máximo".

"Já vimos isso em 2008 e outras crises. Esta é a oportunidade. Obviamente teremos impactos econômicos sérios. Mas para nós, a correção dos mercados mais do que reflete tais impactos."

- carta da Verde Asset.

Para a gestora, as ações de distanciamento social, surgimento de tratamentos e, eventualmente, vacinas, além das medidas fiscais e monetárias, servirão como "ponte capaz de atravessar o período de volatilidade atual".

'Portfólio simples'

A Verde conclui a carta dizendo que seus fundos multimercados mantém "um portfólio simples", e que têm aumentado a exposição ao mercado americano de forma sistemática, mas com parcimônia.

"Vemos ali a melhor combinação de poder de fogo fiscal e monetário com lucratividade das empresas", diz o texto. A gestora mantém, ainda, posições em ações brasileiras e títulos atrelados à inflação (NTN-B) de médio e longo prazos.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Alívio na bolsa

Ibovespa fecha em alta; disparada do petróleo se sobrepõe à cautela com o coronavírus

O Ibovespa subiu mais de 1%, sustentado pelo bom desempenho das ações da Petrobras em meio à forte valorização das cotações do petróleo. O dólar à vista fechou em leve alta e cravou mais um recorde nominal

Proteção

Pandemia de coronavírus foi a ‘desculpa’ para mercados supervalorizados corrigirem, diz NCH Capital

Em sua carta mensal de março, gestora que vem se saindo bem diante da crise diz que seu modelo já via os mercados valorizados demais, o que a levou a proteger suas posições, embora muito mais cedo do que deveria

Comprando na crise

Investidor pessoa física entra com R$ 17,5 bilhões na bolsa em março

Quem vendeu a maior parte das ações para as pessoas físicas foram os investidores estrangeiros, cujo saldo na bolsa ficou negativo em R$ 24,2 bilhões em março

Por contra da crise

Bradesco antecipa 1ª parcela do 13º salário a funcionários por coronavírus

Bradesco vai antecipar para seus cerca de 100 mil funcionários o pagamento da primeira parcela do 13º salário; pagamento será feito em 29 de abril

Efeito coronavírus

Itaú Asset espera contração de 3,3% do PIB e vê Selic a 1,5% no fim de 2020

A taxa de câmbio esperada pelo Itaú Asset ao fim de 2020 é de R$ 4,85, mesma estimativa para 2021; inflação terminará ano em 2%, abaixo do centro da meta de 4%

AJUDA DO BILIONÁRIO

Bilionário Elon Musk vai enviar ventiladores pulmonares para hospitais, mas com uma condição

Fundador da Tesla e da SpaceX quer que os equipamentos sejam instalados e usados imediatamente para os pacientes, e não “guardados em um armazém”

Críticas

Presidente do BB tem de tratar de liquidez e não sobre isolamento, diz Maia

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia aproveitou a videoconferência que realizou hoje para criticar a postura do presidente do Banco do Brasil

Crescimento de ganhos

Lucro de companhias abertas sem Vale, Petrobras e Oi cresce 7% em 2019, diz estudo

Lucro cresceu 7,16% em 2019, passando de R$ 94,2 bilhões em 2018 para R$ 101 bilhões no ano passado, segundo levantamento da Economática

não está em diário oficial

Doze horas após Bolsonaro anunciar sanção de auxílio, MP ainda não foi publicada

Ajuda a trabalhadores informais, autônomos e microempreendedores durante a pandemia do coronavírus ainda não tem validade

setor afetado

Venda de veículos novos em março é a menor para o mês desde 2006

Foram 163,5 mil unidades vendidas, em soma que considera os segmentos de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus, segundo balanço divulgado pela Fenabrave

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements