Menu
Matheus Spiess
Insights Assimétricos
Matheus Spiess
É economista e editor da Empiricus
2020-05-19T08:08:16-03:00
caçador de assimetrias

X não ser f(X): entenda qual o segredo definitivo de um portfólio de investimentos

Ciência da tomada de decisão não é tão simples como os modelos matemáticos podem dar a entender; decisão deve ser tomada diante de um todo, não com base em uma oportunidade pontual

19 de maio de 2020
6:45 - atualizado às 8:08
Uma carteira de investimentos para qualquer cenário - de euforia ou tristeza nos mercados
Imagem: Shutterstock

A ciência da tomada de decisão talvez seja um dos campos comportamentais mais estudados na atualidade. Isso porque você acaba desaguando em inúmeras áreas do conhecimento, com consequentes disparidade de abordagens e aplicações.

A dinâmica ganha contorno matemática e, por outras vezes, mais abstratos, se firmando juntos a sociologia ou até mesmo antropologia. Na economia e nas finanças, por exemplo, toda a problemática de matemática na ciência para auxiliar na tomada de decisão de agentes angariou para os financistas e os economistas o apelido de “physics envy” (ou, em português, os invejosos da física).

Mais recentemente no Brasil, paralelamente ao processo de financeirização profundo e da crescente popularidade de personalidade e empresas relacionadas com o tema finanças e investimentos, a discussão acabou ganhando contornos de superficialidade. Tal movimento não deveria se justificar, uma vez que a ciência da tomada de decisões no meio acima destacada deixou de ser simples há muito, se sofisticando cada vez mais pela mais diferentes.

Contudo, talvez até mesmo pela falta de carinho epistemológico com qual o mercado brasileiro lida com sua própria metodologia no mundo das finanças, muitas vezes os próprios ditos especialistas, cegos de certo modo pelo próprio ego, passam a distorcer o real entendimento da tomada de decisão.

A vida real, por mais que nos esforcemos muito, não é tão simples como os modelos matemáticos gostariam de nos apresentar. Muito pelo contrário, por sinal. A realidade não pode ser modelada absolutamente. Ferramental exato deve ser sim utilizado e sempre será bem-vindo, mas nunca tido como absoluto.

Isso porque a realidade não é linear e o que pode parecer simples acaba sendo suplantada pela complexidade. Nossa tentativa de formação exata, então, vai para o saco.

Talvez quem consiga melhor explicar uma matriz coesa para a tomada de decisão em ambientes eminentemente complexos tenha sido o economista africano Ralph Stacey. Em sua matriz, a conhecida Matriz de Stacey, podemos verificar a descrição de dois eixos para nos identificar em diferentes campos da tomada de decisão.

O eixo x no gráfico refere-se ao nível da certeza resultante de um evento específico. Não trata de previsões ou profecias futuras, mas de avaliar uma situação probabilística. O eixo y, por outro lado, não lida com probabilidade futura, mas com o acordo organizacional em torno dos valores do presente.

Assim, para o eixo x, quanto mais familiar for um tipo de evento passado, mais fácil será avaliar o que vai acontecer. Um "cisne negro” (algo que nunca encontramos antes), por exemplo, será mais difícil avaliar os próximos passos a serem tomados. No eixo y, por sua vez, quanto mais amplo o consenso, mais fácil é para a sociedade tomar decisões, mesmo que impliquem um preço alto.

Podemos nos encontrar, enquanto tratarmos de ativos financeiros, na tomada de decisão na Zona 4, a da complexidade. Em um universo de mercado informacionalmente eficiente, com ampla democratização do acesso à informação. Não é porque não vemos solução que ela não existe. Os ativos financeiros podem não obedecer a uma racional de acordo com a hipótese de ergodicidade, mas estão sujeitos à atuação humana quantificável, a qual por sua vez for formalizada.

O que quero dizer com isso é que a abordagem correta diante dessa dinâmica que flerta com o caso reside justamente em uma humildade epistemológica. Nassim Taleb resumiu bem a questão com o dilema: “como viver em um mundo em que não entendemos?”

Aliás, curiosamente, a resposta reside justamente na proposta dessa coluna, na suposta caça de assimetrias. É um jogo retórico, obviamente. Para Taleb, poderíamos ter uma solução para o problema na estratégia criada, o “Barbell Strategy”. Em linhas gerais, a proposta se sustenta em exposição a pouco risco com muito dinheiro e a muito risco com pouco dinheiro, sendo que a posta super arriscada deveria ser também extremamente diversificada. Assim, a ideia residiria em várias posições arriscadas tanto errado, mas uma dando incrivelmente certo — tão certo que compensaria todas as outras perdas.

Em meu entendimento, essa proposta de caça às assimetrias é boa, mas levando em consideração o ambiente complexo para a tomada de decisão de Stacey, ainda me parece uma solução subótima. Um aproximadamente estaria na proposta do smart beta, isto é, se apropriar de prêmio de risco de mercado em diferentes classes de ativos. Para bem entender, as proposições são complementares. São ideias holística de portfólio.

Assim, a decisão no mundo das finanças passa a ser tomada diante de um todo, não mais essa ou aquela oportunidade pontual. A abordagem é muito importante para a sofisticação de patrimônio, inegavelmente.

Para sorte do leitor, os dois maiores especialistas no assunto, aqueles que me ensinaram a metodologia que brevemente expliquei acima, estão oferecendo um programa de acompanhamento de investimento na Empiricus. Os dois sócios fundadores da casa, Felipe Miranda e Rodolfo Amstalden, ofereceram mais um vez (e talvez pela última vez), o Masterplan da maior casa de análise de investimentos do Brasil.

Para os mais interessados, ainda dá tempo de entrar. Basta clicar aqui e experimentar. Na Empiricus, por conta da natureza purista na essência da casa, levamos muito a sério o equilíbrio de uma carteira consistente, justamente o que falta para o mercado brasileiro amadurecer nesse ramo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Tudo normal?

Maioria das empresas está otimista para vendas na Black Friday, diz Boa Vista

Cerca de 66% das empresas acreditam que as vendas da Black Friday em 2020 serão iguais ou superiores às de 2019.

DINHEIRO NO BOLSO

BB Investimentos muda carteira de dividendos após resultados do 3º trimestre

Analistas avaliam que retomada da economia fomenta a expectativa de melhores resultados, resultando no maior pagamento de proventos

homem negro espancado

Carrefour tomba 6% e lidera quedas do Ibovespa após protestos e pedidos de boicote pela morte de João Alberto de Freitas

Homem negro foi assassinado por dois seguranças de um estabelecimento da rede de supermercados em Porto Alegre. Ato gerou pedidos de boicotes por artistas e usuários de redes sociais, além de manifestações em frente e dentro de lojas do Carrefour

SANGUE FRIO E CAPACITADO

‘Pessoa física deu show este ano’, diz presidente da B3

Investidor pessoa física aproveitou baixa do mercado e se posicionou para alta, enquanto institucionais e estrangeiros saíam do mercado, diz Finkelsztain

raio-x do setor

Lançamentos de imóveis no país caem no 3º tri, diz CBIC; vendas sobem

O estoque de imóveis disponíveis para venda chegou a 173.601 unidades em setembro, corte de 13% em relação ao mesmo período do ano passado.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies