Menu
Matheus Spiess
Insights Assimétricos
Matheus Spiess
É economista e editor da Empiricus
2020-08-05T15:16:53-03:00
Insights Assimétricos

Onde os ricos estão investindo no segundo semestre?

55% dos escritórios familiares reequilibraram suas carteiras entre março e maio, buscando manter sua alocação estratégica de ativos a longo prazo; veja esse e outros destaques do relatório produzido pelo UBS

28 de julho de 2020
6:52 - atualizado às 15:16
confraternização festa
Imagem: Shutterstock

Anualmente, o banco suíço UBS, em parceria com instituições financeiras associadas, produz o relatório "Global Family Office". Em linhas gerais, o objetivo do material é analisar como tem sido a alocação de recursos em grandes fortunas; isto é, o banco verifica diversos escritórios ao redor do mundo de modo a identificar como os ricos têm investido seu dinheiro. Portanto, podemos dizer com confiança que as descobertas do conteúdo oferecem uma janela única para a tomada de decisão dos maiores escritórios familiares do mundo.


Para isso, o UBS estuda os 121 maiores "family offices", de modo a entender como tais gestoras superaram a tempestade de 2020 nos mercados financeiros. A premissa é a seguinte: em um período historicamente turbulento, seria muito interessante observar como as carteiras se alinhavam com seus objetivos e como elas mudaram durante e depois da crise.

Evidentemente, o relatório se aprofunda bastante em questões sucessórias, de sustentabilidade e de risco-operacional, investigando também os perfis institucionais do segmento. Por mais que tenhamos, em algum grau, certo interesse pelas temáticas mais específicas ali tratadas, vamos nos debruçar hoje sobre a alocação da carteira dos investidores, de modo a identificarmos tendências e oportunidades.

Já em minha primeira leitura, uma informação me brilhou os olhos. 55% dos escritórios familiares reequilibraram suas carteiras entre março e maio, buscando manter sua alocação estratégica de ativos a longo prazo. Assim, podemos categorizá-los como sendo relativamente oportunistas, com dois terços negociando até 15% das carteiras via uma abordagem dinâmica e tática (trading), pouco convencional para o business, que privilegia estratégias de carregamento e estruturais.

Curiosamente, o próprio movimento dos escritórios acaba gerando um efeito reflexivo e dialético nos ativos de risco (vide Soros), uma vez que, dado o tamanho das fortunas, muitas vezes a compra e venda de posições acabam por afetar elas mesmas. Isso porque o montante total gerido por esses mais de 120 escritórios somam mais de USD 146 bilhões, dos quais 24% variam entre USD 3 a 5 bilhões por empresa (vide figura abaixo).

Vale dizer, o patrimônio médio gira em torno de USD 1,6 bilhão e escritórios familiares com ativos sob gestão acima de US $ 1 bilhão costumam ter perfis bastante institucionais; ou seja, são verdadeiras empresas.

Mais de dois terços (69%) dos escritórios vêem o investimento em Private Equity como um fator essencial dos retornos. Tenho acompanhado o compêndio documentado pela UBS já há algum tempo e verifico uma tendência gradual e crescente para investimentos alternativos. Hoje, aqui na Empiricus, a maior casa de análise de investimentos do Brasil, entendemos a classe dos alternativos como parcela necessária em um portfólio sofisticado, mas devidamente ponderada em um posição correspondente à aceitação de risco do investidor.

Fica claro que, com a queda dos juros no âmbito global, os investidores têm buscado outros tipos de investimento, de modo a driblar a dinâmica de taxas de retorno cadentes em vários segmentos. A classe dos alternativos acaba sendo um destino natural, por mais que eu, particularmente, discorde do tamanho com que eles aloquem em Private Equity (em média 16% do total investido). 

Além disso, quase metade (45%) dos escritórios familiares afirmou, em maio, que planeja aumentar sua alocação em imóveis (real estate), com uma porcentagem semelhante da alocada em ações de mercados desenvolvidos e uma parcela menor destinada às ações de mercados emergentes. 

Abaixo, um esquema ilustrando a alocação média dos escritórios, em se tratando da carteira de ativos (clique para ampliar).

Note como que, para quem realmente possui dinheiro, países emergentes como o Brasil perfazem algo em torno de 20% da classe de investimentos tradicionais (59%). Ao mesmo tempo, nós aqui do Brasil costumamos concentrar nossa alocação em nosso própria moeda exótica, o real, acreditando que as melhores oportunidades estão aqui.

Ora, se os mercados são eficientes e a informação chega nas mãos dos agentes com uma facilidade incrível, não faria sentido os gringos simplesmente abandonarem o Brasil.

Eles o fazem porque sabem que o risco não compensa. Por isso que a internacionalização dos recursos é tão importante. Para nos sofisticarmos definitivamente, precisamos, gradualmente, reduzir a quantidade investida em reais de nossas carteiras. Tudo isso, claro, feito sob o devido dimensionamento das posições, conforme seu perfil de risco, e a devida diversificação de carteira, com as respectivas proteções associadas.

Ficou curioso para saber qual a melhor forma de se sofisticar nesse sentido? Gostaria de aprender como sofisticar seu patrimônio de maneira objetiva e prática? Pois bem, acredito ter a solução perfeita para caminharmos lado a lado com os titãs da indústria. Um modelo que fará com que você consiga prover robustez para sua carteira, justamente como a nata do mundo dos investimentos faz, sem perder nada.
Trata-se da assinatura mais vendida da Empiricus, a série Palavra do Estrategista. Na publicação, Felipe Miranda, estrategista-chefe e sócio fundador da Empiricus, comenta como aplicar em suas melhores ideias de investimento para a alocação patrimonial. A assinatura custa apenas R$ 5 por mês, mas você pode espiar todo o conteúdo de graça por sete dias. Deixo aqui o caminho para você conhecer os detalhes e destravar sua degustação.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

na b3

GetNinjas estreia em queda na bolsa, após IPO com ação abaixo do previsto

Empresa levantou R$ 550 milhões na oferta inicial de ações, com desconto de quase 20% do valor do papel em relação ao preço mínimo da faixa

Diversificando

BTG Pactual lança fundo de investimento 100% em bitcoin

O lançamento vem em linha com a diversificação de ativos oferecidos pelo banco

Exile on Wall Street

Um investidor conservador sabe que uma boa ação tem seus defeitos

“Sou reacionário. Minha reação é contra tudo que não presta.” Se o sábado é uma ilusão, a segunda-feira deve ser a mais dura e fria realidade. Começamos a semana com Nelson Rodrigues. O conservador é um cético na capacidade de grandes revoluções oferecerem um futuro não testado que seja superior ao que sobreviveu ao teste […]

Efeito covid

Monitor do PIB aponta queda de 2,1% em março ante fevereiro, diz FGV

Na comparação com março de 2020, a atividade econômica teve avanço de 5,2%, e no primeiro trimestre, a expansão foi de 1,7%

destaques do varejo

Magazine Luiza, Grupo Soma e Mateus brilham entre os balanços das varejistas no trimestre

Aumento de receita, melhora operacional e avanço das vendas online foram alguns dos tópicos levantados por analistas; veja os destaques

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies