Menu
Matheus Spiess
Caçador de assimetrias
Matheus Spiess
É economista e editor da Empiricus
2020-05-19T08:08:16-03:00
caçador de assimetrias

X não ser f(X): entenda qual o segredo definitivo de um portfólio de investimentos

Ciência da tomada de decisão não é tão simples como os modelos matemáticos podem dar a entender; decisão deve ser tomada diante de um todo, não com base em uma oportunidade pontual

19 de maio de 2020
6:45 - atualizado às 8:08
investimento portfólio
Como diversificar seus investimentos - Imagem: Shutterstock

A ciência da tomada de decisão talvez seja um dos campos comportamentais mais estudados na atualidade. Isso porque você acaba desaguando em inúmeras áreas do conhecimento, com consequentes disparidade de abordagens e aplicações.

A dinâmica ganha contorno matemática e, por outras vezes, mais abstratos, se firmando juntos a sociologia ou até mesmo antropologia. Na economia e nas finanças, por exemplo, toda a problemática de matemática na ciência para auxiliar na tomada de decisão de agentes angariou para os financistas e os economistas o apelido de “physics envy” (ou, em português, os invejosos da física).

Mais recentemente no Brasil, paralelamente ao processo de financeirização profundo e da crescente popularidade de personalidade e empresas relacionadas com o tema finanças e investimentos, a discussão acabou ganhando contornos de superficialidade. Tal movimento não deveria se justificar, uma vez que a ciência da tomada de decisões no meio acima destacada deixou de ser simples há muito, se sofisticando cada vez mais pela mais diferentes.

Contudo, talvez até mesmo pela falta de carinho epistemológico com qual o mercado brasileiro lida com sua própria metodologia no mundo das finanças, muitas vezes os próprios ditos especialistas, cegos de certo modo pelo próprio ego, passam a distorcer o real entendimento da tomada de decisão.

A vida real, por mais que nos esforcemos muito, não é tão simples como os modelos matemáticos gostariam de nos apresentar. Muito pelo contrário, por sinal. A realidade não pode ser modelada absolutamente. Ferramental exato deve ser sim utilizado e sempre será bem-vindo, mas nunca tido como absoluto.

Isso porque a realidade não é linear e o que pode parecer simples acaba sendo suplantada pela complexidade. Nossa tentativa de formação exata, então, vai para o saco.

Talvez quem consiga melhor explicar uma matriz coesa para a tomada de decisão em ambientes eminentemente complexos tenha sido o economista africano Ralph Stacey. Em sua matriz, a conhecida Matriz de Stacey, podemos verificar a descrição de dois eixos para nos identificar em diferentes campos da tomada de decisão.

O eixo x no gráfico refere-se ao nível da certeza resultante de um evento específico. Não trata de previsões ou profecias futuras, mas de avaliar uma situação probabilística. O eixo y, por outro lado, não lida com probabilidade futura, mas com o acordo organizacional em torno dos valores do presente.

Assim, para o eixo x, quanto mais familiar for um tipo de evento passado, mais fácil será avaliar o que vai acontecer. Um "cisne negro” (algo que nunca encontramos antes), por exemplo, será mais difícil avaliar os próximos passos a serem tomados. No eixo y, por sua vez, quanto mais amplo o consenso, mais fácil é para a sociedade tomar decisões, mesmo que impliquem um preço alto.

Podemos nos encontrar, enquanto tratarmos de ativos financeiros, na tomada de decisão na Zona 4, a da complexidade. Em um universo de mercado informacionalmente eficiente, com ampla democratização do acesso à informação. Não é porque não vemos solução que ela não existe. Os ativos financeiros podem não obedecer a uma racional de acordo com a hipótese de ergodicidade, mas estão sujeitos à atuação humana quantificável, a qual por sua vez for formalizada.

O que quero dizer com isso é que a abordagem correta diante dessa dinâmica que flerta com o caso reside justamente em uma humildade epistemológica. Nassim Taleb resumiu bem a questão com o dilema: “como viver em um mundo em que não entendemos?”

Aliás, curiosamente, a resposta reside justamente na proposta dessa coluna, na suposta caça de assimetrias. É um jogo retórico, obviamente. Para Taleb, poderíamos ter uma solução para o problema na estratégia criada, o “Barbell Strategy”. Em linhas gerais, a proposta se sustenta em exposição a pouco risco com muito dinheiro e a muito risco com pouco dinheiro, sendo que a posta super arriscada deveria ser também extremamente diversificada. Assim, a ideia residiria em várias posições arriscadas tanto errado, mas uma dando incrivelmente certo — tão certo que compensaria todas as outras perdas.

Em meu entendimento, essa proposta de caça às assimetrias é boa, mas levando em consideração o ambiente complexo para a tomada de decisão de Stacey, ainda me parece uma solução subótima. Um aproximadamente estaria na proposta do smart beta, isto é, se apropriar de prêmio de risco de mercado em diferentes classes de ativos. Para bem entender, as proposições são complementares. São ideias holística de portfólio.

Assim, a decisão no mundo das finanças passa a ser tomada diante de um todo, não mais essa ou aquela oportunidade pontual. A abordagem é muito importante para a sofisticação de patrimônio, inegavelmente.

Para sorte do leitor, os dois maiores especialistas no assunto, aqueles que me ensinaram a metodologia que brevemente expliquei acima, estão oferecendo um programa de acompanhamento de investimento na Empiricus. Os dois sócios fundadores da casa, Felipe Miranda e Rodolfo Amstalden, ofereceram mais um vez (e talvez pela última vez), o Masterplan da maior casa de análise de investimentos do Brasil.

Para os mais interessados, ainda dá tempo de entrar. Basta clicar aqui e experimentar. Na Empiricus, por conta da natureza purista na essência da casa, levamos muito a sério o equilíbrio de uma carteira consistente, justamente o que falta para o mercado brasileiro amadurecer nesse ramo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

dinheiro no caixa

Centauro levanta R$ 900 milhões em oferta de ações

Empresa deve usar os recursos para o financiamento de aquisições de empresas em curso e futuras que possam contribuir para a execução de sua estratégia de crescimento

em meio à crise

Governo transfere R$ 83,9 milhões do Bolsa Família para investir em propaganda

Medida atinge os recursos previstos para a região Nordeste do País; Secom já havia aumentado para R$ 17,8 milhões suas despesas com propaganda

Entrevista

Vitreo não será “mais uma” plataforma de investimentos na concorrência com XP, diz CEO

Patrick O’Grady conta por que a Vitreo, que possui hoje R$ 4,5 bilhões e 60 mil clientes, decidiu entrar na disputa pelo território ocupado hoje por mais de duas dezenas de corretoras, bancos e fintechs

SEXTOU COM RUY

As grandes vencedoras na crise e o “vício” das perdedoras no lucro

O problema dessas empresas “reloginho” – com lucros estáveis e recorrentes – é que elas atraem acionistas que só conseguem pensar nos dividendos

Balanço da covid no país

Brasil supera Itália em número de mortes por coronavírus e chega a 34 mil

O Brasil registrou 34.021 mortes provocadas pelo coronavírus até agora. Há 614.941 casos confirmados da doença em todo o país

coronavírus na energia

Copasa prorroga pagamento de contas devido à pandemia

A Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) informou que prorrogou os prazos das medidas de auxílio aos clientes, a fim de minimizar os impactos à população devido à pandemia do novo coronavírus

seu dinheiro na sua noite

Licença para gastar

Na crise financeira de 2008, as autoridades dos países desenvolvidos se encontraram diante de um dilema: era certo usar dinheiro público para salvar os bancos que estavam à beira da falência? Se por um lado eles foram os grandes culpados pelo próprio destino, por outro os efeitos colaterais de uma quebradeira no sistema financeiro afetariam […]

Recorde histórico

Em meio à pandemia, poupança tem captação líquida recorde de R$ 37,201 bilhões em maio

Este é o maior volume de depósitos líquidos em um único mês em toda a série histórica do BC, iniciada em janeiro de 1995

Bolsa imparável

Ibovespa sobe pelo quinto dia, desafiando até mesmo o tom mais cauteloso no exterior

O Ibovespa contrariou a tendência global e fechou em alta, aproximando-se do patamar dos 94 mil pontos. O tom mais cauteloso visto lá fora só foi sentido no mercado de câmbio, com o dólar à vista subindo e voltando a R$ 5,13

MP 936

Maia avalia que desoneração de folha evita mais desemprego na crise

Para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a prorrogação da desoneração da folha de pagamento até o fim de 2021, como proposto no texto da medida provisória 936 aprovada pela Câmara, vai evitar um impacto de R$ 10 bilhões nos custos de mão de obra de 17 setores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu