Menu
2020-03-27T08:39:00-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Esquenta dos mercados

Investidores monitoram medidas econômicas contra o Covid-19 e exterior negativo

Após as altas recentes, as bolsas globais apresentam recuo nesta manhã. No Brasil, o clima negativo se soma aos esforços do governo para combater o coronavírus

27 de março de 2020
8:16 - atualizado às 8:39
Mercados juros bolsa coronavírus
Imagem: Shutterstock

A sexta-feira dos mercados reserva mais um dia de emoções para os investidores. Após as altas das bolsas globais ontem, hoje o dia parece trazer um cenário mais pessimista.

Nos Estados Unidos, o coronavírus continua assustando. O país passou a ser o local com o maior número de infectados pela doença, ultrapassando até mesmo a China e contabilizando cerca de 1.200 mortos.

O recorde histórico dos pedidos de auxílio desemprego, divulgado ontem, não assustou as bolsas americanas, mesmo sendo um reflexo do que o coronavírus está causando ao país. As bolsas encerraram o dia em alta firme, muito influenciadas pela aprovação do pacote de estímulos trilionário pelo Senado americano.

Na Ásia, os investidores ainda repercutem de forma positiva as medidas dos governos para conter o impacto do coronavírus na economia. Assim, as bolsas do continente fecharam em alta.

Mas hoje pela manhã, os índices futuros em Nova York mostram menos fôlego para manter o movimento de alta e recuam fortemente, com queda superior a 2%. Na Europa, a mesma tendência é seguida.

Até onde vai?

Mesmo em meio ao caos, a bolsa brasileira fechou em alta de 3,67%, aos 77.709,66 pontos e engatou a terceira alta consecutiva nesta quinta-feira. A expectativa agora é para ver até quando o principal índice da bolsa vai ter fôlego para manter a alta.

O EWZ, principal ETF brasileiro negociado em Nova York, cai 5,46% no pré-mercado.

O dólar apresentou tendência de queda no mundo todo e aqui não foi diferente, com a moeda recuando 0,71%, a R$ 4,9970. A divisa não encerrava uma sessão abaixo dos R$ 5,00 desde o dia 13 de março.

Já são cerca de 3.000 infectados e 77 casos fatais do novo coronavírus no país e em meio ao cenário negativo no exterior, os investidores devem digerir as medidas que estão sendo tomadas localmente para amparar a economia e evitar a disseminação da doença

As medidas econômicas para o enfrentamento do coronavírus no Brasil começam a ganhar contornos mais firmes.

A Câmara aprovou o aumento da ajuda aos trabalhadores informais de R$ 200 para R$ 600 por mês. Além disso, o presidente Jair Bolsonaro autorizou uma medida provisória que irá destinar R$ 36 bilhões para o socorro de bares e restaurantes.

Ainda é pouco. Trabalhadores e empresas aguardam um pacote de medidas mais robustas para conseguirem enfrentar os impacto da epidemia de coronavírus. Outras medidas estão sendo estudadas e anunciadas pelo governo, mas do pacote de R$ 308,9 bilhões anunciados, até agora, R$ 105,3 bilhões ainda não foi nem discutido pelo governo. Ou seja, 64 % das propostas ainda estão no papel.

Além da resposta lenta na área econômica, o presidente continua em atrito com os governadores, ao dar novas declarações defendendo o fim do isolamento e contrariando as instruções de autoridades médicas e sanitárias.

O governo estuda, inclusive, o lançamento de uma campanha nomeada "O Brasil não pode parar", que pode pegar mal com os investidores.

Balanços

Último gás das divulgações corporativas. Hoje o dia reserva os números de Eletrbras, Equatorial e Cogna.

Agenda

Nos Estados Unidos temos a leitura final do sentimento do consumidor de março (11h). Na Câmara, discussão sobre o pacote de estímulo trilionário proposto pelo governo e que já foi aceito pelo Senado.

Por aqui a semana termina com uma agenda fraca de divulgação de indicadores. POr volta das 8h, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, participa de videoconferência com o FMI.

Fique de olho

  • Novos membros dos conselhos de administração e fiscal da Petrobras serão eleitos hoje.
  • Gafisa adiou a realização da sua Assembleia Geral Ordinária para o dia 30 de abril
  • Conselho de administração da BRF aprovou programa de recompra de 0,93% das ações ordinárias da companhia. Além disso, a companhia também marcou para o dia 27 de de abril as eleições para o conselho.
  • De olho nos efeitos do coronavírus, a Caixa baixou o juro de parcelamento do cartão de crédito, de 7,7% para 2,9% ao mês. O banco também aumentou o aporte para o combate de COvid-19, que agora chega a R$ 111 bilhões.
  • Banco Inter irá realizar pagamento de juros sobre capital próprio de R$ 0,0230 por ação, ou R$ 16,266 milhões.
    A C&A adiou para 30 de abril a sua Assembleia.
  • Banrisul é mais uma empresa a adiar a realização da sua Assembleia ordinária e extraordinária para o dia 30 de abril.
  • O Grupo Fleury adiou o pagamento de dividendos de 2019 de 3 de abril para 15 de dezembro.
  • Segundo a CNN, tripulantes da Gol aceitaram redução de 80% no salário para manterem empregos.
  • A Volkswagen prorrogou a suspensão da produção até o fim do mês que vem.
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

TECNOLOGIA

Xiaomi supera Apple em venda de celulares

O levantamento também mostra que a Samsung voltou ser a líder global de vendas de smartphones, após perder a liderança do mercado para a também chinesa Huawei, que ficou no topo por um único trimestre.

BOMBOU NO SEU DINHEIRO

Melhores da Semana: O Halloween dos mercados

A segunda onda de coronavírus é um ‘fantasma’ que ronda os mercados desde o início do ano. Muita gente não acreditou. Nesta semana, ele mostrou as caras.

POLÍTICA

Bolsonaro grava para campanhas e aposta em 2º turno em RJ e SP

Presidente busca apoiar aliados para tentar formar base nos grandes colégios eleitorais para sua campanha de reeleição em 2022

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies