Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-09-01T08:35:46-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Agenda cheia: PIB do 2º tri e prorrogação do auxílio emergencial são destaques do dia

Lá fora, resultado positivo da indústria chinesa guia os mercados., com a maioria das bolsas europeias em alta, assim como os índices futuros em Wall Street

1 de setembro de 2020
8:15 - atualizado às 8:35
pib queda
Imagem: Shutterstock

A terça-feira promete ser um dia agitado para o mercado financeiro local. Os investidores aguardam com grandes expectativas o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do 2º trimestre - o primeiro período totalmente impactado pela crise do coronavírus.

Além disso, novidades sobre a prorrogação do auxílio emergencial devem ser apresentadas hoje. Os agentes financeiros buscam saber de onde virá o dinheiro que financiará a medida, em um momento em que a situação fiscal do país está preocupante.

Os negócios também devem ser influenciados pelos resultados positivos da economia chinesa. A atividade manufatureira do país apresentou o maior nível desde janeiro de 2011 e o quarto mês consecutivo de expansão.

Nas mínimas

A apresentação da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2021 não agradou o mercado, que reagiu levando o Ibovespa a fechar a sessão nas mínimas do dia - em queda de 2,72%, aos 99.369,15 pontos.

A leitura foi de que em um momento em que a situação fiscal do Brasil já se encontra delicada, devido ao aumento nos gastos públicos com as medidas emergenciais para conter o coronavírus, a LDO apresentada pode agravar ainda mais a situação, principalmente por ter deixado de fora o Renda Brasil, programa que ainda deve ser apresentado com maiores detalhes pelo governo.

Além da preocupação com a situação fiscal, no câmbio, a disputa pela formação da taxa PTax também exerceu pressão. A moeda americana terminou o dia em alta de 1,21%, a R$ 5,4806.

Agenda é o foco

A agenda do dia monopoliza a atenção dos investidores nesta terça-feira.

Agora pela manhã o presidente Jair Bolsonaro deve receber líderes aliados para anunciar o valor do auxílio emergencial, prorrogado até dezembro. A estimativa é de que as novas parcelas sejam de R$ 300, conforme o pedido do presidente. Os investidores aguardam maiores detalhes sobre a origem dos recursos para o financiamento do programa.

Depois, às 9 horas, temos a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O período é o primeiro totalmente impactado pela pandemia do coronavírus e deve trazer o pior resultado da crise.

A média expectativa dos economistas consultados pela Broadcast é que o país tenha uma queda de 9,10% com relação aos primeiros três meses do ano.

No Congresso, os deputados podem votar hoje o novo marco do gás. Já a análise dos vetos presidenciais - que inclui o veto à prorrogação da desoneração para 17 setores da economia até o fim de 2021 - deve ficar para o próximo dia 9.

Na cola da China

Boa parte dos negócios ficam no azul na manhã desta terça-feira, seguindo os resultados positivos da economia chinesa, apresentados durante a madrugada.

A atividade manufatureira da China, medida pela IHS Markit com a Caixin Media, foi de 52,8 em julho para 53,1 em agosto. Esse é o maior nível desde janeiro de 2011 e o quarto mês consecutivo de expansão da indústria.

Na Europa, no entanto, os números não agradaram os investidores com a mesma intensidade. Na zona do euro, o índice de gerentes de compras (PMI) caiu de julho para agosto - de 51,8 para 51,7. Na Alemanha, o indicador (52,2) ficou abaixo do esperado, assim como o PMI industrial britânico.

Mesmo assim, a maior parte das bolsas do continente operam em alta. Nos Estados Unidos, os índices futuros em Nova York também sinalizam uma abertura positiva para os negócios.

Mais agenda

Além dos destaques já citados, no Brasil também temos os números do PMI/Markit industrial de agosto (10h) e a balança comercial de agosto (15h).

Lá fora, o destaque é a atividade industrial lida pelo PMI/Markit (10h45) e pelo o ISM (11h) nos Estados Unidos.

Fique de olho

  • Oi começou prospecção para vender o seu braço de Tv por assinatura, com intermediação do BTG.
  • Após reduzir a sua faixa indicativa de preço, a rede Pague Menos fixou o preço do seu IPO em R$ 8,50.
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: bolsa deve refletir taxa de juros mais alta em dia de leitura do PIB dos EUA

A agenda de balanços conta com Petrobras e Vale, enquanto o exterior deve sentir cautela antes da inflação nos EUA amanhã

NA DÚVIDA, ADIA

No restabelecimento da presença obrigatória em Brasília, governo fica sem quorum e retira PEC dos Precatórios

Nova tentativa de votação é esperada para hoje, mas o temor de que não haja deputados em quantidade suficiente para a aprovação persiste

Aquele 1%

Com juros em alta, esses títulos de renda fixa te pagam 1% ao mês, com baixíssimo risco e pouco esforço

A rentabilidade dos sonhos do brasileiro está de volta aos investimentos conservadores, e CDBs que pagam 1% ao mês ou mais já estão fáceis de encontrar

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Alta da Selic, bons números da Weg, IPO do Nubank e dividendos da Gerdau: veja o que marcou o mercado hoje

Há cerca de um mês, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou que a autoridade não mudaria o “plano de voo” a cada novo dado da economia brasileira. Mas, veja só, a realidade obrigou a instituição a recalcular a rota: há pouco, o Copom elevou a Selic em 1,50 ponto percentual, ao […]

Referência em SP

Na corrida do setor de saúde, Rede D’Or (RDOR3) garante fôlego com a compra do Hospital Santa Isabel

O ativo está avaliado em R$ 280 milhões. Porém, conforme explica a empresa, seu endividamento líquido será deduzido na conta final da transação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies