Menu
2020-04-13T16:57:21-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Estratégias na crise

Com small caps e Suzano, Trígono protege fundos com empresas ‘dolarizadas’

Os impactos do coronavírus serão muito diferentes nas empresas, mas algumas delas podem sair até ganhando, segundo Werner Roger, sócio e gestor da Trígono; conheça as favoritas

13 de abril de 2020
5:37 - atualizado às 16:57
Small caps
Imagem: Pomb/Ilustração

O investidor com planos de comprar ações na bolsa neste momento deveria procurar empresas que atendem a pelo menos três critérios: boa posição de caixa, pouca ou nenhuma dívida de curto prazo e uma cadeia de fornecedores minimamente organizada em tempos de crise.

Quem dá a receita é Werner Roger, sócio e gestor da Trígono Capital. Especializada no investimento em small caps, as ações de menor capitalização da bolsa, a gestora adicionou um requisito extra na seleção das empresas para compor os fundos: ter receitas em dólar.

A forte queda de praticamente toda a bolsa no mês passado criou uma grande variedade de assimetrias no mercado, me disse o gestor, em uma entrevista por telefone.

Os impactos do coronavírus serão muito diferentes nas empresas, dependendo do negócio. Mas algumas delas, “por incrível que pareça”, podem sair ganhando, segundo o gestor.

“Algumas ações caíram 70% merecidamente, enquanto outras caíram 50% quando não deveriam ter caído nada” — Werner Roger, Trígono Capital

Ainda assim, o experiente gestor disse que o momento inspira prudência nas posições em renda variável. “É hora de buscar proteção para a carteira, mesmo que isso signifique ficar atrás do mercado agora.”

Os efeitos do coronavírus no mercado têm paralelos com a crise de 2008, mas desta vez os governos estão mais preparados para conter os estragos na economia, na visão do gestor. Para ele, a injeção massiva de recursos pelos bancos centrais é uma amostra do aprendizado com a crise passada.

As cinco favoritas (e uma exceção)

Em meio à crise, a Trígono decidiu reforçar as posições em suas cinco ações favoritas no fundo de small caps. Todas reúnem alguma ou todas as características mencionadas pelo gestor no começo da nossa conversa.

É o caso da Ferbasa. Exportadora de ferroligas e minério de cromo, a mineradora e metalúrgica praticamente não tem dívidas e pode ganhar mercado em consequência da pandemia, segundo Roger.

Isso porque a África do Sul, grande fornecedor da China, vem sofrendo com a parada na atividade de mineração em decorrência do coronavírus. “Como a demanda chinesa não diminuiu nesse período, empresas como a Ferbasa vão se beneficiar.”

Outra ação que caiu sem justificativa, na visão de Roger, é da produtora de açúcar e etanol São Martinho. “Os investidores negociaram como se fosse uma companhia de petróleo e os papéis chegaram a cair mais do que os da Petrobras”, disse.

Para ele, a comparação não se sustenta porque a São Martinho já tem vendida hoje 80% da safra que ainda nem chegou a colher, com os preços do açúcar 35% acima.

Do lado do etanol, o gestor da Trígono diz que a empresa está em uma situação financeira muito melhor do que o resto do setor e ainda pode se proteger da queda dos preços estocando toda a produção até setembro.

Werner Roger, sócio e gestor da Trígono Capital
Werner Roger, sócio e gestor da Trígono Capital

Por falar em estocar, outro papel entre os favoritos da gestora é justamente a Kepler Weber, que produz silos para armazenagem. A empresa, que também é exportadora, encerrou o ano passado com caixa líquido de R$ 45 milhões e deve sofrer pouco na crise por ser fornecedora da indústria de grãos.

As outras duas small caps do portfólio são Tronox e Tupy. A primeira é uma fornecedora de insumos usados em produtos como tintas, plásticos, papel e borracha – que certamente vamos precisar com ou sem pandemia.

A Tronox ainda tem 100% das receitas dolarizadas e, nos cálculos da Trígono, é negociada na bolsa por um valor menor que seus ativos.

No caso da Tupy, é difícil não pensar que a empresa não será afetada pela crise, já que tem como principal negócio a fabricação de componentes para o setor automotivo.

Mas a companhia, que tem 80% das receitas fora do país, possui outra e mais lucrativa linha de negócios no setor de bens de capital. “A Tupy está bem posicionada para quando o mercado retomar, principalmente nos Estados Unidos, que é o principal mercado da companhia”, diz o gestor da Trígono.

Fora do mundo das small caps, a gestora abriu uma exceção ao aproveitar a crise para comprar ações da produtora de papel e celulose Suzano.

Trata-se de uma exceção porque a companhia possui uma dívida relevante em dólar. Por outro lado, também possui receitas na moeda norte-americana, o que torna a posição segura, segundo Roger, que também aposta no aumento na demanda por produtos de papel como consequência da pandemia.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Perseguição ao bitcoin?

Irã fecha ‘fazendas’ de mineração de bitcoin para conter apagões no país; entenda

Governo culpa centros de processamento de criptomoedas por blackouts devido à ‘sobrecarga energética’ da rede de mineração; ao mesmo tempo, Irã usa o bitcoin para amenizar sanções bancárias dos EUA

Lei Orçamentária Anual

Ainda sem aprovação do Orçamento 2021, governo precisa controlar gastos

Manutenção do auxílio emergencial é dúvidas neste início de ano

Pé no freio

Incertezas políticas e fiscais mantêm estrangeiros cautelosos com o Brasil

Após meses de fuga do capital externo do País, os últimos meses de 2020 mostraram o começo do retorno dos investidores de portfólio, mas o ritmo ainda é insuficiente para reverter a forte saída de dólares do Brasil

Crescimento

Vale (VALE3) prevê investir US$ 2,7 bilhões na região norte até 2024

Companhia pretende ainda investir US$ 5,8 bilhões em 2021, dos quais US$ 1 bilhão serão apenas para expansão

ESTRADA DO FUTURO

Grafeno, urânio e lítio… cuidado com a obsessão de enriquecer com a próxima tecnologia do futuro

O boom de empresas de tecnologia alimenta uma esperança quase ingênua de enriquecer “horrores” descobrindo como esses materiais moldarão o nosso futuro. Vou ser totalmente transparente com você: não gosto da ideia.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies