Menu
2020-12-30T11:12:23-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Apetite por risco no exterior faz Ibovespa flertar com topo histórico

Brexit e pacote de ajuda americano seguem impulsionando as bolsas internacionais

29 de dezembro de 2020
6:58 - atualizado às 11:12
Alpinista chega ao topo da montanha
Alpinista chega ao topo da montanha - Imagem: Shutterstock

O aumento do pacote de ajuda americano sustenta o apetite por risco no exterior, o que pode levar o Ibovespa em direção ao seu topo histórico. Os investidores também repercutem o desfecho da novela do Brexit, que ocorreu na véspera de Natal.

Na agenda, destaque para nova atuação do Banco Central no câmbio e os dados sobre a situação do emprego no país.

Perto do topo

O Ibovespa está cada vez mais perto de fechar o ano acima do seu recorde histórico de fechamento. Ontem, o índice fechou no seu patamar mais elevado desde 23 de janeiro após alta de 1,12%, aos 119.123 pontos.

O dólar teve mais um dia de valorização, puxado principalmente pelo efeito overhedge - proteção excessiva dos bancos em moeda estrangeira no exterior para proteção do patrimônio. A moeda americana avançou 1,1%, aos R$ 5,2382. Para alivar o estresse da divisa, o Banco Central fez uma nova venda de dólar no mercado à vista. Para hoje, um novo leilão que deve injetar recursos no sistema está marcado.

Mais socorro

Depois da aprovação do pacote fiscal de US$ 900 bilhões, o governo americano aprovou mais uma medida de socorro. Dessa vez, a Câmara dos Representantes aprovou o aumento do auxílio individual dado aos americanos que recebem menos de US$ 75 mil por ano, de US$ 600 para US$ 2 mil, após pressão de Donald Trump. A medida ainda precisa ser aprovado no Senado e, se passar, elevará o total do pacote de ajuda a US$ 1,3 trilhão.

Embora a aprovação do aumento da ajuda aos americanos seja de viés positivo, as bolsas asiáticas fecharam sem uma direção definida durante a madrugada. Enquanto em Xangai as bolsas recuaram, no Japão o índice Nikkei fechou na sua máxima de fechamento desde agosto de 1990.

Na Europa, os investidores seguem repercutindo com bom humor o acordo comercial pós-Brexit firmado entre Reino Unido e União Europeia, o que sustenta as bolsas do velho continente no azul. Os índices futuros em Nova York indicam mais um dia positivo para os negócios.

Agenda

O destaque do dia fica com a divulgação do resultado primário de novembro do Governo Central (14h30), o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) (8h) e a taxa de desemprego (9h).

O Banco Central também realiza um nojo leilão de até 16 mil contratos de swap, no valor de US$ 800 milhões.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Receita Federal dos EUA

Binance é investigada por manter contas suspeitas de lavagem de dinheiro nos EUA

Desde 2019, a Binance não oferece mais serviços de trading de criptomoedas para quem mora nos Estados Unidos

Sobe e desce da commodity

Dia de correção: minério de ferro cai forte e derruba ações da Vale e siderúrgicas

As ações da Vale, Gerdau, Usiminas e CSN estão entre as maiores baixas do Ibovespa hoje, influenciadas pela cotação do minério de ferro

Rombo nas contas assusta

Decisão do STF sobre ICMS pode acelerar reforma tributária

O risco de um desfalque maior na arrecadação do governo deve intensificar os esforços da equipe econômica para acelerar a tramitação das mudanças no Congresso

Reação ao balanço

Lucrou, mas não empolgou. Ações do IRB caem mesmo com melhora no resultado

Papéis da resseguradora (IRBR3) estavam entre as maiores quedas do Ibovespa nesta sexta-feira; Credit Suisse vê piora operacional da companhia

Prepare o bolso

Petrobras diz que manterá ritmo de reajustes nos preços de combustíveis

Um executivo confirmou que não haverá mudanças na política de preços da estatal, que segue sem frequência definida

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies