Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-12-28T18:37:36-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
fechamento dos mercados

Ibovespa fecha em maior nível desde 23 de janeiro e fica a 500 pontos de recorde

Dólar tem alta firme com efeito “overhedge” e envio de remessas internacionais, voltando à casa dos R$ 5,20

28 de dezembro de 2020
18:30 - atualizado às 18:37
Gráfico de alta com homem sobre avião de papel
Imagem: Shutterstock

O Ibovespa aperta o ritmo para terminar o ano acima do seu recorde de fechamento. O principal índice acionário da bolsa brasileira, que já estava perto do topo, hoje deu mais um passo nessa direção.

O índice terminou a sessão desta segunda-feira (28) em alta de 1,12%, cotado aos 119.123 pontos, impulsionado por papéis de pesos-pesados, como Ambev e Eletrobras. As ações da Petrobras também avançaram, m meio à venda de participação em 12 campos terrestres no Polo Remanso, na Bahia.

Foi o maior patamar de encerramento do Ibovespa em uma sessão desde 23 de janeiro, quando terminou os negócios aos 119.527 pontos.

O índice, assim, está a 500 pontos de sua máxima histórica intradiária, que é de 119.593 pontos, registrado em 24 de janeiro.

O bom humor proveniente dos mercados internacionais sustentou o ânimo dos negócios e fez o índice flertar com o seu topo.

Esses fatores compensaram riscos locais que persistem sendo monitorados pelos investidores locais. O avanço da pandemia do coronavírus e as declarações polêmicas do presidente Jair Bolsonaro em torno do início da vacinação no Brasil ficam no radar.

Mas, voltando ao exterior — após meses de negociação, dois acordos acompanhados pelos mercados como novelas tiveram um desfecho feliz.

O primeiro desses acertos veio ainda na véspera de Natal, quando a União Europeia e o Reino Unido, enfim, fecharam um acordo comercial para após o Brexit.

Enquanto isso, na noite de ontem, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, aprovou o pacote fiscal de US$ 900 bilhões, que deve socorrer a maior economia do mundo e injetar ainda mais liquidez no mercado.

Em Wall Street, os principais índices acionários à vista dos EUA avançaram no mínimo 0,8% — O S&P 500, que o Ibovespa acompanha mais de perto, subiu 1%.

Na Europa, o FTSE 100, principal índice da bolsa de Londres, teve a menor alta do dia, de 0,1%. Os principais índices de ações em Paris e em Frankfurt subiram ao menos 1,2%.

Quem sobe, quem desce

Após a divulgação de prévias operacionais melhor do que o esperado, a resseguradora IRB Brasil liderou as altas do índice nesta segunda.

Veja as principais altas do dia:

CÓDIGOEMPRESAPREÇO (R$)VARIAÇÃO
IRBR3IRB ON             8,11 12,02%
CIEL3Cielo ON             3,81 7,93%
WEGE3Weg ON           75,50 3,97%
CVCB3CVC ON           19,68 3,91%
HYPE3Hypera ON           34,90 3,71%

As ações da Usiminas recuaram, após a queda do minério de ferro negociado no porto de Qingdao, na China. Os papéis da Gerdau também caíram, embora levemente — mesmo caso dos da Vale.

Papéis da Qualicorp lideraram as baixas. No mês, a ação ainda acumula alta de 6%. A empresa anunciou hoje que pagará R$ 34 milhões em juros sobre capital próprio.

Veja as principais baixas do dia:

CÓDIGOEMPRESAPREÇOS (R$)VARIAÇÃO
QUAL3Qualicorp ON           35,21 -1,59%
GOLL4Gol PN           24,25 -1,18%
USIM5Usiminas PNA           14,46 -1,09%
MRFG3Marfrig ON           14,54 -0,95%
BRKM5Braskem PNA           23,03 -0,90%

Dólar chega a superar R$ 5,30, mas BC alivia estresse

O dólar teve uma sessão de alta firme hoje, em que a moeda chegou a superar o nível de R$ 5,30, disparando 2,5%.

No fim do dia, no entanto, já estava distante do seu pico intradiário, após o Banco Central realizar uma venda de dólar no mercado à vista.

Com isso, fechou em alta de 1,1%, cotado aos R$ 5,2382. No mês, refletindo a fraqueza global da moeda e frente a moedas emergentes, o dólar possui 2% de queda. No ano, no entanto, ainda sobe 30,6%.

Duas foram razões para a forte alta da moeda: um ajuste das posições dos bancos em dólar (efeito "overhedge") e o envio de remessas internacionais por parte de empresas.

O overhedge refere-se à proteção excessiva dos bancos em moeda estrangeira no exterior a fim de proteger o patrimônio dessas instituições. Isto é, se no exterior os bancos mantêm posições compradas em dólar (vendidas em real), por aqui, eles ficam vendidos em dólar (compradas em real).

O excesso de hedge tem a ver com o fato de as variações cambiais do patrimônio dos bancos lá fora não serem tributadas, mas as sobre ativos e passivos locais em moeda estrangeira, sim — o que força uma compensação ou uma proteção extra.

Segundo a legislação vigente, o overhedge precisa ser reduzido até o fim do ano, permitindo a sua diminuição em até 50% neste ano e 100% no ano que vem. Isso significa que os bancos passaram a reduzir suas posições vendidas em dólar, forçando-os a comprarem a moeda.

"Tivemos um fluxo pesado pela manhã de instituições financeiras realizando compras, o que levou o dólar a R$ 5,30, mas o Banco Central acalmou", diz Jefferson Rugik, diretor-superintendente da Correparti.

O BC anunciou a realização de um leilão de dólar no mercado à vista, o que reduziu a pressão pela moeda. Foram vendidos integralmente US$ 530 milhões, com a taxa de corte de R$ 5,2620. Foram aceitas três propostas, segundo o BC.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Coluna do jojo

Mercados hoje: Em terra de Copom, quem sobe os juros é rei

Para hoje, além da continuidade da temporada de resultados com pesos pesados – por aqui, esperamos nomes como Gerdau, Banco do Brasil e Petrobras –, mais pesquisas de opinião sobre o sentimento empresarial estão por vir

O melhor do seu dinheiro

O que mexe com seu dinheiro: bolão do Copom na bolsa, novo fundo da Inter, IPO da Raízen e mais

Bem, amigos do Seu Dinheiro. Hoje é dia de decisão! Com o desfalque do diretor Bruno Serra, que testou positivo para a covid-19, o Banco Central entra em campo nesta quarta-feira para definir a taxa básica de juros (Selic). Haja coração! As reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) são para a imprensa econômica o […]

Cliente difícil

Barrada na alfândega: Carne de unidade da BRF não é mais bem vinda na China

País asiático suspende compra de produtos suínos e de aves processados na unidade de Lucas do Rio Verde (MT), alegando problemas no transporte

Esquenta dos Mercados

Pré-mercado: cautela antes da decisão do Copom e risco fiscal devem dividir atenção com balanços do dia

Em meio ao exterior positivo, bolsa brasileira deve lidar com cenário interno de incertezas quanto ao teto de gastos

Preparar para decolagem

Renovação total: Gol faz acordo para adquirir aviões novos; veja os detahes

Presidente da companhia aérea afirma que movimento é uma antecipação à esperada retomada da demanda por viagens após a pandemia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies