Menu
2020-08-28T08:39:59-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Preocupação com Guedes e teto de gastos seguem em primeiro plano; mercados internacionais operam mistos

Lá fora, os mercados operam sem uma direção definida, pesando o anúncio da mudança a declaração de Powell de que o BC americano adotará uma nova estratégia de política monetária e as preocupações com a retomada da economia pós-covid.

28 de agosto de 2020
8:17 - atualizado às 8:39
Paulo Guedes, ministro da Economia
Imagem: Anderson Riedel/PR

Os investidores seguem atentos às novas medidas do governo que podem piorar a situação fiscal do país. No centro dos holofotes está o ministro Paulo Guedes, que deve apresentar hoje uma proposta de R$ 300 para o auxílio-emergencial. Segundo informações do G1, um novo plano para o Renda Brasil deve ficar para depois. O mercado aguarda maiores informações sobre a fonte dos recursos que financiarão as medidas.

No exterior, os mercados operam sem uma direção definida, pesando o anúncio da mudança a declaração de Powell de que o BC americano adotará uma nova estratégia de política monetária e as preocupações com a retomada da economia pós-covid.

Seguindo Powell

O discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, no simpósio de política econômica de Jackson Hole impulsionou as bolsas americanas e ajudou a bolsa brasileira a fechar o dia de forma estável depois de uma sessão com grandes oscilações, aliviando a tensão com o cenário político local.

Powell informou que a partir de agora a política monetária do banco central americano será pautada por uma taxa de inflação média. Ou seja, o Fed irá esperar os sinais de que a inflação encontra-se dentro da meta de 2% ao ano antes de voltar a subir os juros. A leitura dos investidores é de que os juros devem ficar baixos por um bom tempo no país, mesmo que sugira uma recuperação mais lenta do que a esperada.

O Ibovespa fechou o dia estável, a 100.623,64 pontos. O dólar teve um dia de alívio, fechando em queda de 0,66%, a R$ 5,5773.

De olho em Brasília

A tensão política local gira em torno da relação do presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia Paulo Guedes e o desenho do novo plano para o Renda Brasil.

Nos últimos dias, o presidente rejeitou a proposta feita por Guedes. O prazo para a apresentação de um novo programa, que contemple o valor de R$ 300 sugerido pelo Planalto termina nesta sexta-feira.

Segundo informações do G1, o ministro deve apresentar hoje o novo auxílio emergencial, prorrogado até dezembro, no valor de R$ 300 - valor que deve agradar o presidente. A proposta do Renda Brasil deve ficar para depois.

Um dos pontos principais para os investidores é a fonte dos recursos que serão utilizados para financiar a medida sem furar o teto de gastos, em um momento que a preocupação com a situação fiscal do país só cresce.

Em tempo

O Conselho Monetário Nacional (CMN) autorizou a transferência de R$ 325 bilhões do Banco Central para o Tesouro Nacional, que diz estar com 'severa restrição de liquidez'. Uma nota da CMN deixa em aberto a possibilidade de novas tranferências.

O recurso deve ser utilizado no pagamento da dívida pública.

Exterior misto

A pronunciamento do presidente do Federal Reserve teve efeito limitado no pregão asiático. Enquanto na maior parte do continente o tom positivo predominou, a notícia que pesou nos mercados foi a renúncia do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, por motivos de saúde, derrubaram a bolsa de Tóquio.

A nova política para a inflação americana, anunciada por Powell, não é o suficiente para deixar as bolsa europeias no campo positivo. No continente, as preocupações com o ritmo da retomada econômica predominam.

A França confirmou uma retração de 13,8% em seu PIB no segundo trimestre. O índice de confiança alemão indicou sinais de enfraquecimento depois de três meses de melhora. Os investidores também aguardam a participação do presidente do Banco da Inglaterra, Andrew Bailey, no simp´sio de Jackson Hole.

Nos Estados Unidos, os agentes financeiros também monitoram as negociações para um novo pacote de estímulos fiscais no Congresso. Nesta manhã, os índices futuros operam sem uma direção definida.

Agenda

O IGP-M de agosto é divulgado às 8 horas, mas o destaque do dia fica os resultados do Governo Central (14h30), que deve mostrar um déficit de R$ 94,35 bilhões em julho. O Tesouro também divulga o relatório mensal da dívida pública federal (14h15).

No fim do dia, o ministro Paulo Guedes participa de videoconferência promovida pelo Instituto Aço Brasil.

Lá fora, temos o índice de atividade industrial dos Estados Unidos (10h45) e dados da Baker Hughes sobre poços e plataformas.

Fique de olho

  • Havan entrou com o pedido de registro para sua oferta inicial de ações (IPO). Segundo o prospecto, a rede também trabalha na criação de um banco virtual.
  • As construtoras Cury e HBR Realty também protocolaram os seus pedidos de IPO na CVM.
  • JHSF anunciou um programa de recompra de até 4,08% das ações ordinárias da companhia.
  • Tenda aprovou pagamento de dividendos mínimos de R$ 0,1840 por ação.
  • Follow-on do Banco Pan levantou R$ 743,7 milhões, que irão para a Caixa.
  • BV irá retomar o seu processo de IPO.
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

seu dinheiro na sua noite

Tudo caiu – até o forward guidance

Os mercados domésticos ficaram hoje divididos sob a influência de acontecimentos distintos, o que resultou em um comportamento geral incomum: tudo caiu. O Ibovespa perdeu o patamar dos 120 mil pontos e fechou em queda, na contramão das bolsas americanas, animadas pela posse do novo presidente Joe Biden e a nova fornada de estímulos fiscais […]

Análise

Sem o “forward guidance”, Banco Central arranca bola de ferro dos pés

Decisão do BC de abrir mão do compromisso de não mexer com os juros foi acertada, mas a adoção do instrumento mais ajudou ou atrapalhou a economia?

sem "efeito Biden"

Vacinação e risco fiscal derrubam o Ibovespa em dia de festa em NY; dólar também recua

Euforia dos mercados internacionais com o “efeito Biden” foi barrada pelas incertezas domésticas e fez a bolsa brasileira ir na contramão de NY

taxa básica

BC mantém Selic em 2% ao ano, mas retira o ‘forward guidance’

Bolsa pode ter realização de lucros nesta quinta com derrubada de prescrição, diz especialista; decisão de hoje acontece em meio à alta dos preços das commodities e à valorização do dólar

novos rumos

Com Biden, meio ambiente entra no foco de comércio entre Brasil e Estados Unidos

Exportadores brasileiros passam a ter outro motivo de apreensão a partir de hoje, com a chegada de Joe Biden à Casa Branca

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies