Menu
2020-02-27T08:24:01-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Esquenta dos mercados

Pressão do coronavírus continua e mercados globais seguem no vermelho

Incertezas com o impacto da doença na economia global é um dos maiores fatores para a queda. Enquanto o indicador segue incerto, a doença continua se alastrando pelo globo

27 de fevereiro de 2020
8:09 - atualizado às 8:24
Bolsa em queda
Imagem: Shutterstock

A quarta-feira de cinzas seguiu o roteiro esperado pelos investidores no mercado brasileiro.

Depois de dois dias fechada para as celebrações do carnaval, a bolsa brasileira realizou os ajustes necessários e teve o seu pior desempenho desde o Joesley Day, em 18 de maio de 2017.

Refletindo a cautela com o coronavírus, que se espalhou de forma rápido pelo mundo durante o feriado, a queda foi de quase oito mil pontos.

O principal índice da bolsa brasileira recuou 7%, aos 105.718,29 pontos.

O dólar também teve um dia sob alta pressão, mesmo com a atuação do BC - que realizou um novo leilão de swap, e subiu 1,11%, a R$ 4,4413, um novo reorde nominal de encerramento.

Acabou?

Mesmo com o ajuste feito, o sentimento ainda é de aversão ao risco. O coronavírus segue sendo o centro das atenções. Ao todo, já são mais de 81 mil pessoas infectadas pelo mundo.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, falou em coeltiva sobre a situação da doença no país, que tem 16 casos confirmados.

Segundo Trump, o vice-presidente Mike Pence ficará responsável pelo controle da doença no país, e embora o risco para o povo americano seja 'muito baixo', o surto pode se tornar 'muito pior'.

O país também estuda restringir viagens para a Itália e a Coreia do Sul.

Os comentários intensificaram ainda mais o sentimento de cautela nas bolsas americanas e deixa os índices futuros negativos nessa manhã. Ontem, Wall Street anotou o seu quarto pregão consecutivo de perdas, com a situação intensificando a procura por ativos de risco, como os Treasuries.

Na Ásia, as bolsas fecharam sem direção única. Mesmo com as ameaças da doença, o banco central da Coreia do Sul manteve a sua taxa básica de juros em 1,25%.

Na Europa, parte das bolsas tentaram recuperar as perdas ontem, mas os mercados voltaram a cair nesta manhã. O Stoxx-600, índice pan-europeu, recuou abaixo dos 400 pontos.

Dia de PIB

Não é só a evolução do coronavírus que aumenta a desconfiança dos investidores com a economia americana. Indicadores menos robustos também possuem um papel importante na falta de fôlego de Wall Street para se recuperar.

Por isso, hoje os olhos se voltam para a divulgação dos números do PIB do 4º trimestre de 2019. O período ainda não traz dicas do possível impacto do coronavírus na economia americana, mas, se os números forem fracos, as bolsas americanas devem sofrer ainda mais.

Mais uma revisão

Enquanto isso, as empresas continuam revendo as suas projeções para os próximos meses. Depois de Apple, Mastercard e HP, agora foi a vez da Microsoft.

A companhia reviu o seu guidance de receita no segmento de computadores pessoais para o terceiro trimestre de 2020.

Balanços

Em semana esvaziada de divulgações, a Ambev divulgou o seu resultado do 4º trimestre de 2019 antes da abertura. Marcopolo e AES Tietê também divulgam os seus números hoje.

  • A Ambev teve lucro de R$ 4,6 milhões no quarto trimestre de 2019, uma alta de 24,4%. Com o resultado o lucro líquido ajustado no ano aumentou 8,5%, atingindo R$ 12,549 bilhões.

Agenda

Expectativa é de deflação para o IGP-M de fevereiro, divulgado às 8h.

O dia também reserva as contas do Governo Central (10h) e os dados semanais do fluxo cambial (14h30) e a balança comercial (15h).

Fique de olho

BMG voltará a emitir letras financeiras em balcão e plataformas de investimentos.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Atualização do covid-19

Brasil registra 667 mortes por coronavírus e 13,7 mil casos

O número representa um aumento de 20% em relação a ontem

Flexibilização de regras

B3 suspende prazo para Oi e outras ‘penny stocks’ ajustarem cotação

Devido ao estado de calamidade pública decretado por conta do coronavírus, a bolsa anunciou uma série de suspensões e prorrogações de prazos para que empresas listadas façam ajustes de forma a se readequar às regras do mercado

Pisando fundo

Mini-rali: Ibovespa desacelera na reta final, mas fecha em alta e acumula 10% de ganhos em dois dias

O Ibovespa ganhou terreno pelo segundo dia consecutivo, amparado pela menor percepção de risco político e pelos dados econômicos domésticos mais animadores — fatores que compensaram o viés mais cauteloso visto no exterior

Precisa ser mais rápido

Luiza Trajano diz que medidas foram adequadas, mas precisam chegar na ponta

Medidas adotadas pelo governo para combater o coronavírus foram adequadas, disse a presidente do Conselho do Magazine Luiza, a empresária Luiza Trajano

Ajuda de emergência

Caixa já tem 10 milhões de cadastros finalizados, diz presidente

Presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães atualizou na tarde desta terça-feira, 7, as informações sobre a procura por trabalhadores informais, autônomos e microempreendedores individuais (MEIs) ao cadastro para o recebimento do auxílio emergencial

Mais crédito

BCE anuncia medidas que flexibilizam garantias necessárias para empréstimos

Banco Central Europeu (BCE) anunciou nesta terça-feira, 7, um pacote de medidas que flexibiliza garantias necessárias para empréstimos, com o objetivo de ampliar a tomada de crédito em meio à crise trazida pelo novo coronavírus

Efeito covid-19

S&P muda perspectiva de positiva para estável de instituições financeiras do Brasil

S&P informou em comunicado que a revisão da perspectiva, de positiva para estável, dos ratings de 15 instituições do setor financeiro do Brasil

Efeitos negativos

Com coronavírus, setor de telecom e TI deve perder US$ 15 bilhões na América Latina

Setor de telecomunicações e tecnologia da informação vai interromper o ciclo de crescimento e encerrar o ano em queda devido à crise do coronavírus, de acordo com projeção da consultoria IDC

o baque da pandemia

Covid-19 faz comércio perder R$ 53,3 bi em faturamento, diz CNC

Estimativa sinaliza uma queda de 46,1% no faturamento do comércio varejista desde a introdução de medidas restritivas até esta terça-feira

ainda incipiente

EUA estudam aliança com BNDES para financiar investimentos, diz embaixador

Todd Chapman disse reconhecer a responsabilidade dos EUA no apoio ao sistema financeiro global, mas ponderou Trump exige “reciprocidade”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements