Menu
2020-09-24T08:27:21-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Cautela com segunda onda da covid-19 e relatório de inflação guiam investidores nesta quinta-feira

No Brasil, os investidores devem digerir o Relatório Trimestral de Inflação e pronunciamento do presidente do Banco Central, de olho na alta dos alimentos

24 de setembro de 2020
8:09 - atualizado às 8:27
Segunda onda coronavírus
Imagem: Shutterstock

A segunda onda de casos de coronavírus é uma realidade cada vez mais clara na Europa. A preocupação é que novas medidas de isolamento social sejam necessárias, desacelerando o ritmo da retomada econômica. No Reino Unido e em algumas regiões da França o endurecimento das regras já é uma realidade.

No Brasil, o temor global com a nova onda de covid-19 deve pesar nos negócios. Nesta quinta-feira, os investidores possuem uma agenda cheia para digerir, com a divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI) - que deve abordar a alta recente do preço dos alimentos -, fala do presidente do BC, Roberto Campos Neto, e nova participação de Jerome Powell no Congresso americano.

Sob pressão

A aversão ao risco que tomou conta dos mercados nesta quarta-feira fez o dólar disparar pela 4ª sessão seguida, fechando em alta de 2,15%, a R$ 5,5869.

O Ibovespa também foi pressionado pela queda das bolsas americanas e pelo resultado do IPCA-15 de agosto, se afastando ainda mais do patamar dos 100 mil pontos. O principal índice da bolsa brasileira fechou o dia em queda de 1,60%, aos 95.734,82 pontos.

Mau humor geral

Também influenciados pela queda das bolsas de Nova york observada ontem, as preocupações com o impacto da pandemia do coronavírus na economia e a velocidade da recuperação econômica voltam a assombrar os investidores.

Parte da aversão ao risco teve origem na fala do vice-presidente do Federal Reserve, Richard Clarida. Clarida afirmou que a economia americana segue em um 'profundo buraco' de desemprego e demanda fraca. No Reino Unido, o governo voltou a adotar medidas de restrição, aumentando a preocupação de que outros países sigam os mesmos passos.

Tensão entre as duas Coreias também marcou o pregão asiático. O índice sul-coreano caiu mais de 2% após a Coreia do Norte ter matado tiros um militar sul-coreano. Na região, a ressurgência de casos de coronavírus também preocupa.

Com a cautela predominando entre os investidores, as bolsas asiáticas fecharam em baixa durante a madrugada. Durante a madrugada, as bolsas asiáticas fecharam em queda generalizada.

Segunda onda

A retomada de medidas de restrição pelo Reino Unido e algumas regiões da França confirma o que todos temiam: o continente europeu é palco de uma segunda onda de infecções pelo coronavírus, o que pode retardar a recuperação econômica regional e global. Só nos últimos dias, o governo britânico registrou mais de 1,2 mil novos casos.

Puxadas pela queda do setor de viagens e lazer, um dos mais afetados caso novas restrições de viagens sejam impostas, as bolsas europeias amanhecem no vermelho.

O mau humor também segue em Wall Street. Os analistas veem como cada vez mais distante a possibilidade do Congresso americano aprove novos estímulos à economia. Nesta manhã, os índices futuros apresentam um comportamento misto.

Agenda

Os investidores ficam atentos ao Relatório Trimestral de Inflação, divulgado pelo Banco Central às 8h. O documento deve guiar o mercado nas apostas para a alta do IPCA deste ano e abordar a alta recente do preço dos alimentos.

Em seguida (11h), os agentes financeiros ficam de olho no presidente do BC, que pode trazer mais informações sobre o forward guidance para a política monetária. No mercado de juros, destaque também para o leilão semanal de títulos prefixados, às 11h.

No exterior, o mercado segue de olho em novo discurso de Powell, buscando dicas sobre a possibilidade de novos estímulos fiscais. Hoje, o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, também fala ao Congresso (11h). Ainda nos Estados Unidos, temos também o número de pedidos de auxílio-desemprego da última semana (9h30).

Na Europa, diversas autoridades econômicas também devem se pronunciar hoje. Os agentes econômicos aguardam declarações do comitê de política monetária do BCE e do presidente do Banco da Inglaterra.

Fique de olho

  • Petrobras deve realizar o 'Petrobras Day', quando deve anunciar um programa de apoio à sua cadeia fornecedora.
  • Hidrovias do Brasil fixou o valor de sua ação em R$ 7,56 por ação em seu IPO, movimentando R$ 3 bilhões
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

seu dinheiro na sua noite

Fidelidade em baixa com a pandemia

Não, não estou falando da fidelidade entre casais. Até porque, por mais que a convivência excessiva em família na quarentena tenha abalado alguns casamentos, o momento não anda muito propício às puladas de cerca. Estou falando do setor de fidelidade, que abarca as empresas de programas de pontos e milhagem, sobretudo aqueles ligados às companhias […]

Empresa ligada à Vale

Justiça aprova pedido de Recuperação Judicial da Samarco

RJ não terá impacto nas atividades operacionais da mineradora, nem nas ações de reparação e compensação pela tragédia de Mariana

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies