Menu
2020-09-23T19:05:05-03:00
Ricardo Gozzi
Roubando a cena

Dólar dispara mais de 2% com aversão ao risco e tem 4ª sessão seguida de alta; bolsa cai

Dólar passou voando pela marca de R$ 5,50 e por pouco não bateu R$ 5,60; Ibovespa acompanhou sinal negativo vindo de Wall Street e perdeu piso de 96 mil pontos

23 de setembro de 2020
17:55 - atualizado às 19:05
Dólar real
Imagem: Shutterstock

O dólar roubou a cena na B3 pelo segundo dia seguido. A moeda norte-americana apreciou-se ante praticamente todas as demais divisas nesta quarta-feira em mais um dia no qual, na dúvida, os investidores fugiram correndo para as verdinhas.

A ausência de sinalização sobre novos estímulos monetários pesa sobre os mercados financeiros em um momento no qual dirigentes do Federal Reserve Bank (Fed, o banco central norte-americano) cobram medidas de estímulo econômico por parte do governo dos Estados Unidos em meio a alegações de que a política monetária já esgotou sua contribuição com a recuperação econômica global.

No que diz respeito ao real, já são quatro sessões seguidas de alta do dólar, que hoje nem tomou conhecimento da fronteira psicológica de R$ 5,50 e por pouco não foi parar na casa dos R$ 5,60. A moeda norte-americana encerrou o dia em alta de 2,15%, cotada a R$ 5,5869, bem perto das máximas do dia.

Quando iniciou sua mais recente escalada, na sexta-feira passada, o dólar encontrava-se a R$ 5,23. Nas últimas quatro sessões, a moeda norte-americana acumula alta de 6,7% em relação ao real.

IPCA-15 aumentou pressão sobre o real

Além de catalisar o movimento de aversão ao risco em meio às persistentes incertezas destes tempos de pandemia, o dólar contou hoje com a ajuda do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), o indicador preliminar oficial do IBGE para a inflação ao consumidor, para dar mais uma surra no real.

O IPCA-15 acelerou-se a 0,45% em setembro, de 0,23% em agosto. No acumulado de 12 meses até setembro, o IPCA-15 registrou alta de 2,65%, ante 2,28% no mês anterior.

A expectativa era de um avanço de 2,59% em 12 meses, mas o resultado permanece confortavelmente abaixo do centro da meta de inflação para este ano (4%, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos).

“O descompasso entre a interpretação do Bacen exposta na ata do Copom e a inflação elevada sinalizada pelos preços no varejo pressionou ainda mais o dólar em meio a expectativas no mercado financeiro de uma mudança na estratégia de juros baixos”, avaliou Alessandro Faganello, analista de câmbio da Advanced Corretora.

Na ata divulgada ontem, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central advertiu que a inflação tende a aumentar no curto prazo como parte de um efeito transitório da alta dos alimentos, mas isso não deve ter impacto sobre o nível geral de preços na economia.

Ibovespa perde o fôlego

Assim como ocorreu no mercado de câmbio, a falta de sinais de estímulo monetário adicional prevaleceu sobre o Ibovespa, mantendo o principal índice de ações da B3 sem forças para reagir ao longo de toda a quarta-feira.

Pela manhã, os investidores mostraram-se incomodados diante da perspectiva de apresentação, por líderes do governo no Congresso, de uma proposta para a criação de um tributo sobre transações digitais nos moldes da extinta CPMF.

No início da tarde, a bolsa brasileira até ensaiou uma reação, mas a queda das ações em Wall Street em meio à bateria de testemunhos do presidente do Fed perante o Congresso dos Estados Unidos manteve o Ibovespa sob pressão.

Mais perto do fim do pregão, um recuo mais acentuado das ações de tecnologia e de serviços de comunicação negociadas em Nova York aprofundou a queda do Ibovespa, que perdeu novamente o piso de 96 mil pontos, fechando em queda de 1,60%, aos 95.734,82 pontos.

Em Wall Street, o índice Dow Jones recuou 1,92%, o S&P-500 caiu 2,37% e o Nasdaq devolveu 3,02%.

O fato é que o Ibovespa dá sinais de que o fôlego para a recuperação observada nos últimos meses está próximo do fim depois de os bancos centrais terem sinalizado recentemente que a contribuição da política monetária para fazer frente à crise provocada pela pandemia estaria perto de seu limite.

“Sem liquidez adicional, a bicicleta não anda”, comentou um operador de derivativos.

Novo testemunho de Powell mantém tensão no ar

Os investidores seguiram atentos hoje à bateria de testemunhos do presidente do Fed perante o Congresso dos Estados Unidos em meio a reiteradas advertências de que a política monetária teria encontrado seu limite no combate à crise.

Hoje, Powell testemunhou perante a subcomissão da Câmara dos Representantes para o combate à pandemia sem sinalizar nenhuma espécie de mudança de rumo.

Assim como fez ontem em depoimento à Comissão de Assuntos Financeiros da Câmara, Powell enfatizou hoje que o Fed segue empenhado em recorrer às ferramentas de política monetária disponíveis "pelo tempo que for necessário para assegurar que a recuperação será tão forte quanto possível".

Powell também repetiu que considera provável que estímulos fiscais adicionais por parte do governo norte-americano devem ser necessários, uma vez que, na visão dele, a recuperação econômica norte-americana deve demorar mais tempo que o esperado.

Entretanto, prosseguiu ele, tudo o que a política monetária poderia fazer pela recuperação já foi tentado pelo Fed. "Fizemos praticamente todas as coisas que conseguimos pensar", afirmou ele aos deputados.

Os comentários vêm à tona em um momento no qual democratas e republicanos mostram-se incapazes de chegar a um acordo sobre um novo pacote de estímulo à economia norte-americana restando apenas algumas semanas para as eleições presidenciais nos EUA.

Além dos depoimentos de ontem e hoje, Powell será questionado amanhã pelos membros da Comissão de Assuntos Bancários, Habitacionais e Urbanos do Senado.

É improvável que Powell vire o disco amanhã, mas o simples fato de ele depor deve manter os investidores com um pé atrás por mais um dia pelo menos.

De qualquer modo, apesar do descontentamento dos investidores com a constatação dos limites da política monetária pelos próprios banqueiros centrais, não são esperadas correções mais abruptas nos preços dos ativos.

Afinal, na avaliação de analistas de mercado, a liquidez abundante despejada pelos bancos centrais segue em cena e não deve ser drenada tão cedo.

Também não há nenhum sinal claro de mudança de cenário nem de reversão de tendência em meio a uma acomodação do mercado financeiro ao ritmo da recuperação econômica global.

IRB e Localiza destacam-se com altas expressivas

Apesar do clima generalizado de aversão ao risco, os papéis da IRB e da Localiza destacaram-se com altas consideráveis no Ibovespa em meio a um mar de pontinhos vermelhos na tela da B3.

As ações ON da IRB Brasil figuraram entre as altas mais expressivas do índice pelo segundo dia seguido depois de a resseguradora ter reportado prejuízo líquido de R$ 62,4 milhões no mês de julho, de acordo com dados prévios e não auditados.

Mais uma vez, o resultado foi afetado pela revisão do portfólio de contratos da empresa. Sem este impacto, porém, a IRB teria apresentado lucro líquido de R$ 36 milhões.

Os papéis ON da Localiza e da Unidas também apresentaram ganhos robustos hoje depois de a proposta de união entre as duas empresas ter sido bem recebida pelo mercado. Um eventual acordo poderá resultar no formação de um dos maiores players globais do segmento.

Confira a seguir as cinco maiores altas e baixas do dia entre os componentes do Ibovespa.

MAIORES ALTAS

  • Localiza ON (RENT3) +13,97%
  • IRB Brasil ON (IRBR3) +9,57%
  • Vale ON (VALE3) +2,23%
  • Azul PN (AZUL4) +1,83%
  • CVC ON (CVCB3) +0,99%

MAIORES BAIXAS

  • Braskem PN (BRKM5) -6,18%
  • Totvs ON (TOTS3) -4,54%
  • PetroRio ON (PRIO3) -4,52%
  • Lojas Renner ON (LREN3) -4,41%
  • Ultrapar ON (UGPA3) -4,32%

Juro sobe acompanhando o dólar

Assim como o dólar, os contratos de juros futuros fecharam em alta, próximos das máximas da sessão.

As taxas de DI acompanharam em grande medida o movimento do mercado de câmbio.

Ao mesmo tempo, os investidores buscaram antecipar-se ao leilão de títulos prefixados previsto para amanhã.

Confira as taxas negociadas de alguns dos principais contratos negociados na B3:

  • Janeiro/2022: de 2,920% para 2,970%;
  • Janeiro/2023: de 4,350% para 4,450%;
  • Janeiro/2025: de 6,300% para 6,430%;
  • Janeiro/2027: de 7,260% para 7,400%.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

reta final de negociações

Senado americano aprova “pacote Biden” de US$ 1,9 trilhão

Agora, o pacote voltará para a Câmara dos Representantes, que analisará as alterações feitas no texto pelos senadores. Se for aprovado, o projeto será enviado à Casa Branca para a sanção do presidente

entrevista

‘Episódio Petrobras deu um susto grande nos investidores’, diz economista do Itaú

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita, diz também estar preocupado com as incertezas políticas, que ameaçam o crescimento do PIB

Dificuldades À vista?

Deputados falam em reduzir medidas de ajuste fiscal do texto da PEC do auxílio

Embora defenda celeridade na análise da proposta, Albuquerque admite que o texto pode ser enxugado

escolha da CEO

Investir no Brasil: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Confira uma seleção de matérias feita pela CEO do Seu Dinheiro, Marina Gazzoni

Efeitos da pandemia

PEC do auxílio aprovada no Senado prevê abater R$ 100 bi da dívida pública

Pelos cálculos do governo, a necessidade de financiamento da dívida pública federal (DPF) neste ano é de R$ 1,469 trilhão, valor que aumentou por causa do maior volume de títulos de curto prazo que o governo precisou emitir para conseguir captar recursos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies