Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-02-12T14:10:50-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Esquenta dos mercados

Com apetite para risco renovado, mercado aguarda dados do varejo

Após a ata do Copom, que parece ter deixado espaço para mais cortes no futuro, investidores aguardam os dados do varejo, que devem servir de termômetro para a atividade doméstica

12 de fevereiro de 2020
8:00 - atualizado às 14:10
varejo compras
Imagem: Shutterstock

Os investidores brasileiros aguardam atentos a divulgação dos dados do varejo brasileiro em dezembro e o consolidado de 2019, que será divulgado às 9h.

As estimativas de crescimento não empolgam e alguns analistas podem usar o número para calibrar suas expectativas para a ação do BC no segundo semestre do ano.

Após o entendimento de muitos que o Copom deixou espaço para novas quedas na Selic, dados mais fracos da atividade podem embalar a torcida pela retomada dos cortes.

Uma nova esperança

No mercado asiático, a segunda alta consecutiva pode ser justificada pela esperança de que o pior do coronavírus já tenha passado.

O número de infectados continua subindo, mas o ritmo de transmissão caiu pelo segundo dia consecutivo. Ao todo, já são mais de 40 mil infectados e 1.113 vítimas fatais.

A previsão da China é que o surto do coronavírus atinja o seu pico entre a metade e o final deste mês e termine em abril.

A menor tensão com o vírus segue embalando os mercados em Nova York. Após mais um dia de recorde, os índices futuros e os juros dos Treasuries operam em alta. No país, a previsão de juros estáveis ganha força. Em discurso, Powell disse que o Fed monitora o vírus, mas que não haverão novos cortes.

E não é só nos Estados Unidos que as bolsas buscam novos recordes. Na Europa, o Stoxx-600 atingiu uma nova máxima intraday pela manhã.

Fôlego renovado

O Ibovespa voltou a brilhar acima dos 115 mil pontos, após uma alta de 2,49% no pregão de ontem.

O alívio momentâneo do noticiário envolvendo o coronavírus puxou as commodities para cima, impactando positivamente o Ibovespa.

A ata do Copom, classificada como 'dovish' por muitos, também deu um gás extra para as ações das varejistas, que subiram em bloco. A novidade fica por conta da menção ao risco que o coronavírus pode trazer para a economia brasileira.

Agenda

Lá fora, o dia começa com a divulgação da produção industrial da zona do euro e o relatório da Opep. O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, volta a falar no Senado, mas o discurso não deve trazer novidades

Recorde atrás de recorde

Enquanto a bolsa ensaia uma volta aos trilhos, o dólar teve mais um dia de recorde e fechou cotado a R$ 4,3264.

Enquanto os analistas estudam se o patamar é o novo piso para a moeda americana, o BC continua de fora do mercado de câmbio e não tem nenhuma interferência no radar.

Água no chope

A tão aguardada reforma administrativa pode não acontecer.

Sem clima político, o governo parece ter desistido de enviar a PEC ao Congresso.

Balanços

A Tim registrou lucro líquido de R$ 756 milhões no 4º trimestre, um crescimento de 19,6%. A receita líquida foi para R$ 4,587 bilhões, alta de 2,9%

A Claro teve lucro operacional de R$13,968 bilhões em 2019, alta de 10,8%. O faturamento cresceu 1,8%, a R$ 35,897 bilhões.

Já a Comgás teve uma queda de 57,2% no seu lucro, que ficou em R$ 367,171 milhões.

As ofertas seguem…

A mais nova empresa listada na bolsa, a Moura Debeux, precificou as suas ações em R$ 19. A operação movimentou R$ 1,25 bilhão. As ações começam a ser negociadas na bolsa no dia 13, sob o código MDNE3.

Já a Cogna precificou em R$ 11 os papéis para sua nova oferta de ações. O valor é o maior já alcançado por uma empresa de educação.

Quem também planeja embarcar no mundo do capital aberto é a Ouro Fino Saúde Animal. A companhia contratou o Itaú BBA e XP Investimentos para coordenar a potencial oferta de ações.

Fique de olho

  • Alpargatas irá pagar dividendos no valor de R$ 30,4 milhões - R$ 0,05 por ação ON e R$ 0,55 por ação PN.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

RH do governo

Reforma administrativa deslanchou? Confira destaques do texto-base aprovado em comissão da Câmara

A proposta traz alguns pontos polêmicos, como a possibilidade de parcerias entre governo e iniciativa privada para a execução de serviços públicos

fique de olho

Dividendos: Equatorial Pará (EQPA3) define data e Marfrig (MRFG3) altera valor

Além disso, Equatorial Maranhão definiu data do pagamento dos proventos e Banco Modal definiu valores para juros sobre capital próprio; confira

Eletrobras, Correios e mais

Ativos na mesa: nova proposta para precatórios pode incluir ações de estatais em acordos de pagamento

Além das estatais, na lista de ativos que poderiam entrar na negociação estão imóveis, barris de petróleo do pré-sal e concessões de rodovias e ferrovias, por exemplo

fala, vale

Vale (VALE3): a receita para a queda das ações, segundo a própria empresa

Empresa teve de emitir um comunicado em resposta a um ofício da B3 que solicitava justificativas para a oscilação das ações da mineradora entre os dias 6 e 20 de setembro

MERCADOS HOJE

Bom humor global ajuda e Ibovespa recupera os 114 mil pontos após nova Selic; dólar sobe a R$ 5,30

Na ressaca da Super quarta, os investidores seguiram atentos aos desdobramentos dos problemas financeiros da Evergrande; Ibovespa acompanhou NY

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies