Menu
2020-01-10T08:35:16-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
O que esperar dos mercados hoje?

Agenda econômica volta a ser destaque com alívio da tensão geopolítica

As bolsas internacionais voltam a apresentar ganhos, mas Ibovespa não consegue manter o mesmo ritmo, refletindo os dados fracos da economia doméstica

10 de janeiro de 2020
7:53 - atualizado às 8:35
shutterstock_1205292991
Imagem: Shutterstock

No último pregão da semana, a atenção dos investidores se voltam para a agenda recheada de divulgações econômicas.

Aqui no Brasil o destaque é o IPCA de dezembro. Após o resultado decepcionante da produção industrial, os investidores ficam atentos. O resultado, que veio abaixo do esperado, frustrou as expectativas de uma retomada mais robusta da economia.

Se a inflação seguir pelo mesmo caminho, é possível voltar a especular sobre a continuidade do ciclo de cortes na Selic. A prévia do IGP-M também entra no radar.

Nos Estados Unidos o destaque são os dados de emprego de dezembro, o payroll. O país vive uma maré de otimismo com o alívio das tensões no Oriente Médio e a expectativa de assinatura do acordo preliminar com a China no campo comercial.

Pegou mal

O Ibovespa teve mais uma quinta-feira difícil, longe da estreia positiva em 2020. Enquanto o exterior retoma o fôlego após o alívio das tensões geopolíticas entre Estados Unidos e Irã, o índice brasileiro não consegue acompanhar e amargou o quinto pregão seguido no vermelho.

Com queda de 0,26%, aos 115.947,11 pontos, a bolsa brasileira reflete a desanimação local com os resultados da atividade doméstica. Na manhã de ontem, o IBGE divulgou que a produção industrial caiu 1,2% em novembro, número abaixo das estimativas.

O resultado obriga os investidores a diminuirem a animação com relação a retomada da economia e assumirem uma atitude mais cautelosa com os ativos de risco.

Pegou bem

Embora o assunto ainda exija muita cautela e pareça longe de estar finalizado, o alívio na tensão geopolítica envolvendo Estados Unidos e Irã faz as bolsas internacionais respirarem aliviadas e retomarem a rotina de ganhos, com as bolsas americanas, inclusive, registrando mais um recorde triplo.

Com o controle da situação no Oriente Médio, o acordo preliminar entre Estados Unidos e China no campo comercial também volta ao radar. A cerimônia de assinatura está marcada para o dia 15.

O presidente americano Donald Trump também informou ontem que as próximas negociações com a China só devem terminar depois das eleições nos Estados Unidos.

Na Ásia, as bolsas fecharam em alta, com somente o índice da China continental apresentando leves perdas. Nos Estados Unidos os índices futuros avançam. Já na Europa, as bolsas operam próximos do zero a zero na abertura, esperando os dados do relatório de emprego americano.

Recuando

O afastamento do fantasma de um conflito armado entre Irã e Estados Unidos também afeta o desempenho do petróleo.

Nesta manhã, os futuros da commodity operavam em baixa, ampliando as perdas e retomando níveis pré-crise. Por volta das 4h30, o petróleo WTI (fevereiro) caía 0,15% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 59,47 o barril. Já o Brent (março) recuava 0,08% na Intercontinental Exchange (ICE), a US$ 65,32 o barril.

Com o preço do barril retornando aos patamares anteriores, a pressão que recai sobre a Petrobras e sua política de preços tende a diminuir, mas os investidores seguem de olho nas propostas do governo para o controle de situações futuras.

O ouro, ativo utilizado como proteção em tempos de crise, também recua. Durante o pico da crise a commodity chegou a atingir a sua maior cotação em 7 anos.

Fique de olho

  • Informações de que o Boeing 737 que caiu em Teerã na quarta-geira pode ter sido derrubado acidentalmente pelo Irã fizeram as ações da Boeing reagirem. Os papéis fecharam com uma alta de 1,50% em Nova York.
  • Bradesco foi autorizado pelo Cade a vender 50% da sua participação na Crediare para a Jesema. Se o negócio for concretizado, a empresa passará a deter 100% do capital social.
  • A Petrobras irá desembolsar R$ 8,852 bilhões com a conclusão de um aditivo de um termo de compromisso com a Petros, fundo de pensão dos funcionários da petroleira
  • Segundo prévias, o banco Inter registrou a abertura de 807 mil novas contas no 4º trimestre, uma alta de 95% com relação a 2018.
  • Marcos Ross substituirá interinamente Zeina Latif como economista-chefe da XP Investimentos.
  • A companhia Mendes Junior será deslistada da B3 após não pagamento da anuidade de 2018. A medida valerá no dia 11.
  • A Notre Dame Intermédica aprovou o programa de recompra de até 3,4 milhões de ações ordinárias. O programa terá duração de seis meses.
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Mais um capítulo da novela

Reatando laços: Elon Musk diz que Tesla pode voltar a adotar bitcoin e moeda dispara 10%

Depois de uma semana do tweet que pegou o mercado de surpresa com o “fim do namoro”, Musk volta atrás e tenta reconciliação

Nas alturas

Eve Urban Air Mobility, empresa da Embraer, fecha parceria com a Ascent

A Ascent conta atualmente com uma base de dados de operadoras aéreas parceiras para serviços dedicados de UAM em toda a Tailândia e nas Filipinas, e está preparada para expandir sua presença na região

Pronta para decolar

Gol conclui aumento de capital e levanta mais R$ 423 milhões

Incluindo a incorporação da Smiles, a companhia aérea emitiu mais de R$ 1 bilhão somente neste mês de junho, e no trimestre, captação chega a R$ 2,7 bilhões

segredos da bolsa

Com “Super Quarta” à frente, semana deve ser marcada por cautela e otimismo dos mercados

A divulgação de outros dados econômicos ao longo da semana deve colocar ainda mais pressão da decisão do Fed e do BC brasileiro

Novo apagão?

Governo federal prepara MP que abre caminho para racionamento de energia

Intenção é criar um comitê de crise que terá o poder de adotar medidas como a redução obrigatória de consumo e acionamento de termoelétricas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies