Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-07-07T08:51:23-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Após ganhos recentes, incertezas com covid-19 e economia voltam a pesar nos mercados

Com avanço do coronavírus nos EUA e dados mais fracos na Europa, expectativa por recuperação em V dá lugar à cautela

7 de julho de 2020
8:19 - atualizado às 8:51
vírus coronavírus
Imagem: Shutterstock

Depois de um dia em que os mercados globais foram embalados pela esperança em uma recuperação rápida da economia, a terça-feira começa em um tom mais cauteloso, com os investidores absorvendo as incertezas que podem prejudicar a tão sonhada recuperação em V.

Nos Estados Unidos, o avanço do coronavírus pode ser um obstáculo para a retomada da economia, já que novas medidas de isolamento estão sendo adotadas nos estados mais afetados. Na Europa, cortes na projeção de crescimento da União Europeia e dados fracos da produção industrial alemã também ameaçam as expectativas de recuperação.

No Brasil, o exterior cauteloso deve ditar o ritmo dos negócios. Por aqui, os investidores também devem repercutir a entrevista dada pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, à Record News. Campos Neto afirmou que a instituição vê uma recuperação em formato mais rápido do que visto anteriormente. Também é aguardado para hoje a divulgação do resultado do novo teste de covid-19 realizado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Esperanças

A leitura de que o governo chinês pretende continuar estimulando o mercado financeiro e de que a economia global caminha para uma 'recuperação em V' sustentou a alta das bolsas globais nesta segunda-feira.

Com o clima de otimismo visto no exterior e sem maiores novidades por aqui, o Ibovespa seguiu o mesmo caminho e encerrou o dia com forte alta de 2,24%, aos 98.937,16 pontos.

Mesmo com o apetite para risco em escala global, os investidores também seguem procurando refúgio no dólar, já que ainda falamos de tempos incertos. A moeda americana terminou o dia em alta de 0,61%, a R$ 5,3413.

Fim da euforia?

Se ontem as fortes altas prevaleceram no mercado, hoje o clima é totalmente diferente. A euforia com a recuperação econômica deu lugar às incertezas.

As bolsas chinesas seguiram ampliando os ganhos vistos no dia anterior, mas no restante do continente a cautela ditou o tom.

Nesta manhã, os principais mercados europeus e os índices futuros em Nova York também realizam parte dos lucros obtidos nos últimos dias.

Em primeiro plano está a preocupação com os novos casos de coronavírus nos Estados Unidos. A situação da doença no país pode ser um obstáculo para a tão sonhada recuperação em V, já que novas medidas de isolamento e restrição da atividade devem ser impostas para tentar controlar a doença.

Segundo os dados da Universidade Johns Hopkins, o país ultrapassou a marca dos 130 mil mortos. Na Flórida, um dos estados mais afetados pela doença, medidas de isolamento que haviam sido relaxadas em maio voltaram a entrar em vigor.

Outro fator que puxa os mercados para baixo nesta manhã é o corte na projeção de crescimento feito pela União Europeia para a zona do euro. Segundo as novas estimativas, a queda na economia será de 8,7% - a estimativa anterior sugeria queda de 7,7%. Na região, a produção industrial da Alemanha, maior economia do bloco, cresceu abaixo das previsões, indo a 7,8% em abril.

Recuperação acelerada

Em entrevista à Record, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afimou que o BC enxerga uma recuperação econômica em um formato mais rápido do que o inicialmente projetado e que o pior já ficou para trás.

Campos Neto também destacou que embora a projeção da instituição seja de queda de 6,4% no PIB, 'o mais provável é que seja melhor que isso'.

O presidente do BC também voltou a destacar o último comunicado da instituição, que prevê haver espaço para um corte residual na Selic.

Coronavírus no Planalto

O presidente Jair Bolsonaro deve apresentar hoje o resultado de um novo teste de coronavírus, realizado nesta segunda-feira, após o presidente apresentar sintomas da covid-19.

Bolsonaro teve febre de 38°C e disse estar fazendo uso da hidroxicloroquina.

Boletim médico

O Brasil tem 1,6 milhões de infectados por coronavírus. Nas últimas 24 horas, 656 mortes foram registradas no país, totalizando 65,5 mil.

Agenda

No Brasil, os investidores monitoram hoje a votação da medida provisória 925, que prevê socorro ao setor aéreo, na Câmara.

O destaque na agenda internacional desta terça-feira são os pronunciamentos dos dirigentes do Federal Reserve e o relatório sobre empregos Jolts (11h) nos Estados Unidos.

Fique de olho

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

ampliação dos negócios

Cosan (CSAN3) paga R$ 1,5 bilhão por fatia na Radar, gestora de propriedades agrícolas

Companhia já detinha uma participação na Radar; após a conclusão da operação e uma reorganização societária, a Cosan será dona de mais de 50% do capital social

o melhor do seu dinheiro

Caso Lehman Brothers: não vale a pena ver de novo

Se tem um roteiro que o mercado financeiro não quer ver se repetindo, é o de uma crise financeira desencadeada pela quebra de uma grande empresa, como foi o caso da falência do banco Lehman Brothers em 2008, que marcou o início da grave crise dos subprime. Nem mesmo em uma escala menor, como é […]

força do esg

Environmental ESG, da Ambipar, busca IPO de R$ 3 bilhões para dar gás às aquisições

Preço da faixa indicativa está entre R$ 15,50 e R$ 20,50; após IPO, 43,8% do capital social estará em circulação no mercado com as ações

MERCADOS HOJE

Evergrande injeta temor no mercado global e bolsas têm dia de fortes perdas; Ibovespa fecha no menor nível desde novembro

Temor de que os problemas da incorporadora chinesa gerem uma reação em cadeia no mercado global afundou as bolsas nesta segunda-feira (20)

Ruído político

Congresso não participou de debate sobre aumento no IOF, revela presidente da Câmara

Arthur Lira também declarou que quer avançar com a reforma administrativa e uma solução para a questão dos precatórios ainda nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies