Menu
2020-03-03T08:17:26-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Esquenta dos mercados

BCs injetam bom humor nos mercados e bolsas buscam recuperação

A sinalização de que os Bancos Centrais estão dispostos a ajudar as economias a atravessarem o surto de coronavírus patrocina uma onda de recuperação nas bolsas globais

3 de março de 2020
8:08 - atualizado às 8:17
MERCADOTESTAOTIMISMO

O sinal verde de que os bancos centrais pelo mundo estão prontos para agir e conter o impacto do coronavírus na economia injetou ânimo nos mercados acionários e puxaram as bolsas globais após vários dias de perdas. 

Já são mais de 89 mil infectados no mundo e mais de 3 mil mortos. A maior preocupação dos investidores continua sendo o impacto que a epidemia pode ter no crescimento econômico global. Mas, a disposição dos BCs mitiga esses riscos. 

O banco central da Austrália e da Malásia anunciaram cortes nos juros. Hoje, os investidores ficam atentos ao que as autoridades monetárias do G7 têm a dizer. Ministros de Finanças e presidentes dos bancos centrais dos 7 países mais ricos se reúnem para debater medidas em teleconferência. 

O Japão é um dos países com a situação mais crítica quanto ao número de casos- junto com a Coreia do Sul e Itália - e um dos primeiros a declarar que fará o necessário para ‘promover ampla liquidez e assegurar a estabilidade dos mercados’. 

Na Europa, Christine Lagarde afirmou que o BCE irá tomar as medidas apropriadas para conter o coronavírus na economia. Já nos Estados Unidos, a sinalização é de que o Fed irá cortar a taxa básica de juros já na próxima reunião. Há que acredite, inclusive, em uma antecipação da reunião que está marcada para o dia 18 de março. 

Além disso, tanto o FMI quanto o Banco Mundial disseram estar dispostos a ajudar os países que precisarem de um “financiamento emergencial” para conter o avanço do vírus. 

Reação

Com os BCs descruzando os braços, as bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta terça-feira.

A toada positiva também atinge o outro lado do globo e tanto os índices futuros em Nova York quanto as bolsas europeias operam no azul. Na Europa, os mercados apresentam maior euforia, com as principais praças subindo mais de 2% na abertura.

Embora indique uma reação mais moderada hoje, ontem Wall Street ditou o ritmo e fechou com ganhos de mais de 5%. 

O bom humor chegou ao Ibovespa, que encerrou o dia com alta de 2,36%, aos 106.625,41 pontos. 

Sem tempo para alívio

O alívio, no entanto, não chegou ao dólar. A moeda americana teve mais um dia de valorização e fechou o dia com alta de 0,19%, a R$ 4,4870. Esse foi o nono avanço consecutivo da divisa. 

Renovando o piso

O mercado espera que o Copom entregue já no próximo dia 18 mudanças na Selic. E nessa aposta de que não resta outra alternativa para o BC, o contrato de DI ficou abaixo dos 4%, fechando a 3,965%.

  • Jan/23 - 4,970% (de 5,242%); 
  • Jan/25, a 5,900% (de 6,142%);
  • Jan/27, a 6,410% (de 6,631%).

Para aqueles que não acreditam que o BC deve agir com novas tesouradas

Eleições americanas

O processo de primárias nos Estados Unidos chega em sua reta final. Hoje o dia promete ser decisivo para os candidatos democratas. É chegada a famosa Super Terça, dia em que o Partido Democrta faz prévias em 14 Estados. 

Ontem, os candidatos Pete Buttigieg e Amy Klobuchar desistiram da corrida presidencial e indicaram apoio ao ex-vice-presidente Joe Biden. 

Balanços

Em dia esvaziado de divulgações econômicas, o noticiário corporativo continua recheado.

Antes da abertura, a BRF divulga os seus resultados do 4º trimestre de 2019.

Confira os principais balanços de ontem:

  • MRV reportou lucro de R$ 151 milhões no 4º trimestre, queda de 20,7% ante ao ano anterior.
  • Stone teve lucro líquido de R$ 264 mi no último trimestre, uma alta de 107,7%. Em 2019, o lucro total foi de R$ 804,2 mi, crescimento de 163,5%.
  • Lucro líquido da Omega Geração recuou 33% no 4º trimestre, para R$ 49,4 milhões.
  • Vulcabrás teve queda de 2,3% no lucro do 4º trimestre, totalizando R$ 45 milhões. Enquanto isso, a receita subiu 5,6%, a R$ 373,8 milhões.

Agenda

No Brasil, o Congresso analisa os vetos presidenciais do presidente Jair Bolsonaro. 

Fique de olho

  • Acionistas da Petrobras recusaram as propostas de reforma do estatuto social
  • CVM acusou Bruno Bambila de Melo, ex-analista da Kroton, e seu pai, Nilson de Melo, de negociar ações antes do mercado ser informado do estudo para a aquisição da Yduqs. As ações da companhia, na época, valorizaram 23,7%
  • A Vale concluiu o relatório pós Brumadinho. Com isso, a empresa retomou o plano de premiação dos executivos da companhia. 
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Petrobras tem prejuízo de R$ 1,5 bilhão no terceiro trimestre, melhor do que o esperado

A Petrobras registrou prejuízo líquido de R$ 1,5 bilhão no terceiro trimestre, segundo dados divulgados pela empresa nesta quarta-feira (28). A cifra é melhor do que o esperado pelo mercado – que falava em baixa de R$ 4,15 bilhões, segundo estimativas de analistas consultados pela Bloomberg. *Conteúdo em atualização. Mais informações em instantes

Balanço

Bradesco supera projeções e tem lucro de R$ 5 bilhões no terceiro trimestre

O resultado do segundo maior banco privado brasileiro ainda é 23,1% menor que o do mesmo período de 2019, mas representa um avanço de 29,9% no trimestre

de olho na retomada

Para secretário, inflação não preocupa, é problema concentrado e transitório

Adolfo Sachsida reafirmou que a regra do teto de gastos será respeitada pelo governo

manutenção

Banco Central mantém Selic em 2% ao ano e continua a indicar juros parados no futuro

Apesar de deterioração do ambiente de reformas e alta da inflação no curto prazo, BC ainda não avalia necessidade de alta de juros. Um novo corte, no entanto, é difícil. Enquanto isso, mensagem sobre risco fiscal ganha força, segundo economista

NOS EUA

Queda das bolsas poderia levar Trump a negociar pacote, diz Nancy Pelosi

Presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos voltou a demonstrar otimismo sobre a perspectiva de mais estímulos fiscais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies