Menu
2020-02-24T18:46:19-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Tensão no exterior

Surto de coronavírus na Itália gera pânico nos mercados e faz bolsas globais despencarem

A aversão ao risco tomou conta dos mercados globais nesta segunda-feira, em resposta ao aumento súbito de casos do coronavírus na Europa. Os índices acionários dos EUA caíram mais de 3% e as praças do velho continente despencaram; o dólar se fortalece em escala mundial

24 de fevereiro de 2020
8:21 - atualizado às 18:46
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Os mercados brasileiros ficaram fechados nesta segunda-feira (24), por causa do Carnaval. Mas, no exterior, tivemos um dia normal — e, lá fora, a sessão foi caótica, por causa da tensão generalizada com o coronavírus.

Os casos da doença deram um salto ao longo do fim de semana, com destaque para o surgimento de um novo epicentro: a Itália, que já registra sete mortes e mais de 200 pessoas infectadas. No mundo todo, já são mais de 2,6 mil óbitos e quase 80 mil contaminados.

O surto na Itália gera um princípio de pânico no velho continente — em Veneza, as tradicionais festas de carnaval foram canceladas, como maneira de conter a disseminação do vírus. E, em meio às incertezas, a Áustria suspendeu as conexões via trem com o país vizinho.

Na Ásia, as preocupações em relação ao coronavírus também estão elevadas, em meio à percepção de que a doença começa a ganhar força para além das fronteiras da China. Na Coreia do Sul, por exemplo, já são oito mortos e outros 833 casos confirmados; no Japão, há um óbito e 159 pessoas infectadas; em Taiwan, há outro falecimento e 30 contaminados.

Outro país que também teve um pico nos casos da doença foi o Irã: ao longo do fim de semana, 12 pessoas morreram e outros 61 casos foram constatados — o que eleva o medo quanto a um quadro de pandemia no mundo.

E, considerando esse cenário de incertezas, o VIX, que é conhecido como 'índice do medo', terminou o dia com alta de 46,55%, cotado em 25,03 pontos.

As bolsas americanas também tiveram reação negativa. O Dow Jones caiu 3,56% e anulou os ganhos obtidos neste ano; S&P 500 recuou 3,35% e o Nasdaq apresentou perdas de 3,71%; o dólar se valorizava em escala global, tanto em relação às divisas fortes quanto as de países emergentes.

E, por mais que a bolsa brasileira estivesse fechada hoje, os ativos do país não passaram imunes à forte aversão ao risco. O EWZ, principal ETF de ações brasileiras negociado em Nova York, despencou 4,99% no pregão de hoje.

Os recibos de ações (ADRs) de companhias brasileiras acompanharam o clima de tensão e também caíram forte, o que tende a trazer pressão aos papéis da B3 na quarta-feira (26), quando as negociações voltam a funcionar por aqui:

No front do mercado de commodities, a cautela também dá as cartas: o petróleo Brent para abril terminou em queda de 3,76% e o WTI recuou 3,65%; por outro lado, o principal ETF lastreado em ouro (GLD) — ativo que se fortalece em momentos de incerteza — fechou o pregão com alta de 0,90%, cotado em US$ 156,09.

Onda vermelha

O clima de forte cautela e apreensão com a Itália provocou perdas massivas às bolsas da Europa, que despencaram de 3% nesta segunda-feira. Veja abaixo um resumo das principais praças do continente nesta segunda-feira:

  • Alemanha (DAX): -3,98%
  • Reino Unido (FTSE 1000): -3,33%
  • França (CAC 40): -3,94%
  • Holanda (AEX): -3,89%
  • Itália (FTSE MIB): -5,43%
  • Espanha (IBEX 35): -4,00%.

A sessão asiática também foi bastante negativa. Na Coreia do Sul, o índice Kospi caiu 3,87% e, em Hong Kong, o Hang Seng fechou em baixa de 1,79%. Os mercados da China e de Taiwan encerraram no vermelho e completaram o quadro de maior aversão ao risco no mundo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Pouso forçado

Demanda por voos deve encerrar o ano em menos da metade do nível pré-pandemia

O prejuízo total das companhias aéreas em 2021 deve ficar entre US$ 47 bilhões e US$ 48 bilhões, de acordo com a ação Internacional de Transporte Aéreo (Iata)

Agora vai?

Governo vai reduzir valor de arrecadação por áreas “micadas” do pré-sal em novo leilão

A arrecadação que o governo pretende receber pela exploração de dois campos do pré-sal foi reduzida em R$ 25,5 bilhões; novo leilão deve acontecer em dezembro

Mercado de capitais

FGTS embolsa quase R$ 900 milhões com venda de ações da Alupar em oferta

O fundo que reúne o dinheiro dos trabalhadores com carteira assinada tinha uma participação de 12% no capital do grupo de geração e transmissão de energia

O melhor do Seu Dinheiro

Tiradentes e as bolhas financeiras, o balanço da Netflix e outros destaques do dia

Joaquim José da Silva Xavier percebeu que alguma coisa estava fora da ordem ali pelos idos de 1789. A extração de ouro estava em franco declínio, mas a Coroa portuguesa não parava de exigir o quinto sobre tudo o que saía das Minas Gerais. Mais ou menos na mesma época, ideias surgidas na Europa que pregavam […]

Foi ruim mas foi bom

Guedes defende acordo e diz que agora Orçamento ficará “exequível”

O presidente Jair Bolsonaro tem até amanhã para sancionar o Orçamento de 2021, que foi aprovado com despesas obrigatórias subestimadas para acomodar uma quantidade maior de emendas parlamentares

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies