Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-11-13T16:31:39-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
mercados hoje

Ibovespa dispara 2% com bom humor em Nova York e dólar zera ganhos

Principal índice da bolsa brasileira acompanha exterior positivo e caminha para fechar semana em avanço de 3,6%; investidores monitoram possível piora no quadro fiscal brasileiro

13 de novembro de 2020
10:38 - atualizado às 16:31
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa segue a alta das bolsas americanas, corrigindo algumas perdas de ontem, com os investidores deixando o fantasma do risco fiscal de lado nesta sexta-feira (13).

Os agentes financeiros repercutiram a avaliação do ministro da Economia Paulo Guedes que afirmou que o auxílio emergencial termina em 31 de dezembro e, depois, "voltamos para o Bolsa Família".

Por volta das 16h30, o principal índice da bolsa brasileira avançava 2%, aos 104.540 pontos. Deste modo, o Ibovespa caminha para fechar a semana em ganhos de 3,6%.

Os grandes destaques da sessão as ações IRB ON (IRBR3) e Embraer ON (EMBR3), entre os maiores ganhos percentuais do índice após terem sido muito punidas em 2020.

Na ponta negativa, ações de e-commerce e do setor de shoppings recuam em meio a notícias da segunda onda da covid-19 nos Estados Unidos.

Por aqui, um dado que anima os investidores é a prévia do PIB, o chamado IBC-Br, índice de atividade econômica do Banco Central.

A prévia do PIB subiu 1,29% entre agosto e setembro, quinto avanço mensal consecutivo pela série ajustada sazonalmente. Em agosto, a alta foi de 1,39%. O resultado veio acima das projeções do mercado.

No exterior, a preocupação com a situação da pandemia levou à queda de ontem dos mercados, mas hoje os investidores se apegam a algumas notícias positivas para retomar o movimento de alta.

Nos últimos 10 dias, os Estados Unidos vêm registrando mais de 100 mil novos casos diários de infecções — só na quinta, marcou o recorde de 150 mil casos.

Mesmo que uma vacina seja autorizada — expectativa que impulsionou as bolsas globais no começo da semana —, ainda deve levar um tempo até que boa parte da população esteja imunizada.

Os investidores, hoje, no entanto, se alinham a essa expectativas de mais longo prazo, que fazem compensar o descontrole da covid-19 nos Estados Unidos no curto prazo, aliviando o sentimento dos mercados.

Outra vacina que o mercado financeiro gosta é a atuação de governos e bancos centrais por meio de estímulos monetários e fiscais — e temos novidade também nesse front.

Com a vitória do democrata Joe Biden cada vez mais consolidada, o mercado começa a ler boas chances de aprovação de um novo pacote fiscal nos Estados Unidos.

Ontem, o presidente eleito conversou com congressistas sobre a pauta. Nos últimos meses a expectativa por novos estímulos vem mexendo com os negócios, mas republicanos e democratas não conseguiram chegar a um acordo.

Em Nova York, as bolsas americanas sobem ao menos 0,6%.

Outro tema internacional que melhora o humor dos investidores lá fora é a aparente trégua entre Estados Unidos e China. Durante a madrugada, o Ministério de Relações Exteriores do país asiático reconheceu a vitória do ex-vice-presidente.

Após um dia de realização de lucros, as bolsas europeias também voltam a subir. Na madrugada, as bolsas asiáticas fecharam no vermelho.

Dólar opera perto da estabilidade neste momento, cotado aos R$ 5,4791, enquanto os juros futuros recuaram, em meio à fala de Guedes. Veja as taxas dos principais vencimentos:

  • Janeiro/2021: de 1,94% para 1,926%
  • Janeiro/2022: de 3,39% para 3,33%
  • Janeiro/2023: de 4,98% para 4,94%
  • Janeiro/2025: de 6,75% para 6,71%

De olho em Guedes

O ministro da Economia Paulo Guedes fica no centro das atenções hoje.

Depois de azedar o humor dos mercados ontem, ao prometer prorrogar o auxílio emergencial em caso de segunda onda da covid-19 no país, o ministro afirmou que espera que a pressão sobre o teto de gastos ajude a transformar o ambiente fiscal brasileiro e que, em meio à possível chegada da vacina e o emprego sendo retomado, haverá avanço nas reformas.

Ontem, Guedes havia falado que a possibilidade de prorrogar o benefício é uma certeza caso uma segunda onda de infecções se confirme no Brasil — assim como vem ocorrendo nos Estados Unidos e Europa.

Mais cedo, os investidores viram com bons olhos o resultado do IBC-Br, índice considerado a prévia do Produto Interno Bruto (PIB). O Índice de Atividade registrou alta de 9,47% no terceiro trimestre ante o período anterior.

Os balanços corporativos melhores do que o esperado também podem ajudar a bolsa brasileira a seguir no azul. Confira o compilado de resultados feito pelo Seu Dinheiro aqui.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

XP anuncia investimento na edtech Resilia

A Resilia é uma edtech que combina tecnologias que potencializam o aprendizado individualizado e em comunidade com um método de ensino que capacita potenciais talentos de uma forma mais rápida para o mercado digital

Análise

Investir em ações de banco ainda é uma boa? Veja 3 motivos que deixam a XP Investimentos cautelosa

Se no ano passado a postura era otimista, agora os analistas do setor financeiro da XP estão mais cautelosos, já que o cenário é de preços elevados dos ativos e uma concorrência e intervenções regulatórias preocupantes.

REFORMA TRIBUTÁRIA

PIB pode crescer 1,6% com redução de IR para empresas, indica estudo

O cálculo de 20% teve como base comportamento das empresas depois de um dos maiores aumentos na alíquota do imposto sobre dividendos no mundo – na França, em 2013, de 15,5% para 46%

ESG

‘Equidade racial se tornou prioridade dentro da Vivo’, diz presidente

Dentro da extensa agenda ESG, que concentra ações ambientais, sociais e de governança, a Vivo aposta na equidade racial

Clube do livro

Das tulipas ao bitcoin: conheça a história das crises financeiras de uma forma irreverente

O maior trunfo de “Crash”, de Alexandre Versignassi, é nos guiar pela história da economia mundial e brasileira traçando paralelos entre o passado e o presente

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies