Menu
2020-05-07T16:11:57-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Câmbio estressado

Após surpresa com o Copom, dólar dispara e chega a R$ 5,85; Ibovespa tem dia instável

As indicações de continuidade no ciclo de cortes da Selic, mesmo após a baixa de 0,75 ponto promovida ontem, pressionam o dólar e o levam a novas máximas

7 de maio de 2020
10:39 - atualizado às 16:11
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O dólar à vista cravou um novo recorde na sessão passada, encerrando pela primeira vez acima de R$ 5,70. Pois essa máxima já ficou para trás: a moeda americana abriu essa quinta-feira (7) sob intensa pressão e chegou a R$ 5,8768 na máxima (+3,06%), ajustando-se às sinalizações emitidas ontem pelo Copom.

Por volta de 16h10, o dólar à vista avançava 2,69%, a R$ 5,8559. Com o desempenho do momento, a divisa americana já acumula ganhos de mais de 7% nesta semana — em 2020, o salto já supera os 45%.

E boa parte dessa nova onda de estresse no câmbio se deve às surpresas do mercado com a decisão de juros do Banco Central. A autoridade monetária cortou a Selic em 0,75 ponto, ao nível de 3% ao ano — a maioria dos investidores apostava numa redução mais branda, de 0,50 ponto.

  • Eu gravei um vídeo para explicar a dinâmica dos mercados nesta quinta-feira. Veja abaixo:

Mas essa não foi a única novidade: no comunicado, o Copom deixou claro que poderá promover mais um corte de até 0,75 ponto na próxima reunião, o que levaria a taxa básica de juros a 2,25% ao ano — e, considerando a baixa inflação e a contração no PIB por causa do coronavírus, esse passou a ser o cenário-base de muitos analistas.

Essa disposição indicada pelo Banco Central, dando a entender que não vê problemas numa Selic cada vez mais baixa mostrando-se despreocupado com eventuais pressões da alta do dólar sobre a inflação, contribui para dar ainda mais força a escalada da moeda americana ante o real.

Em linhas gerais, cortes na Selic acabam reduzindo o chamado diferencial de juros entre o Brasil e os Estados Unidos — a subtração entre os juros dos dois países. Com a baixa de ontem, esse gap ficou ainda menor.

Isso mexe com o câmbio porque, quanto menor o diferencial, menor é o apelo do Brasil para os investidores que buscam apenas a rentabilidade fácil dos juros. Claro, trata-se de um capital especulativo e que pouco contribui para o desenvolvimento econômico.

Ainda assim, a ausência desse tipo de agente financeiro diminui a entrada de dólares no país, pressionando o câmbio.

Ibovespa instável

Na bolsa, o dia até começou tranquilo: o Ibovespa chegou a subir 1,17% logo depois da abertura, aos 79.989,25 pontos, mas rapidamente mergulhou aos 78.061,44 pontos na mínima (-1,27%). Agora, opera em baixa de 0,59%, aos 78.601,15 pontos.

Com isso, o Ibovespa vai vai ficando aquém das bolsas globais: na Europa, as principais praças avançaram mais de 1% nesta quinta-feira, tom semelhante ao visto nos EUA, com o Dow Jones (+1,07%), o S&P 500 (+1,40%) e o Nasdaq (+1,60%) também subindo.

Esse bom humor externo se deve, em grande parte, aos dados mais fortes da balança comercial chinesa: as exportações subiram 3,5% em abril, enquanto as importações recuaram 14,2% — ambos os resultados superaram as expectativas dos analistas.

Os números vindos da China aumentam a esperança de que a retomada econômica na Europa e nos EUA após a fase mais crítica do surto de coronavírus poderá ocorrer de maneira mais intensa que o inicialmente planejado — vale lembrar que, no país asiático, o pico dos casos ocorreu em janeiro e fevereiro.

O otimismo em relação às perspectivas de retomada da atividade se sobrepõe aos dados mais preocupantes vistos nos Estados Unidos, onde os dados de desemprego continuam crescendo. E mesmo os recentes atritos entre os governos americano e chinês não trazem maiores preocupações aos investidores.

Mas, apesar dessa tranquilidade externa, no Brasil o clima ainda é de cautela e apreensão. Por aqui, os investidores seguem atentos ao cenário político: ontem, a Câmara aprovou o pacote de auxílio financeiro emergencial a Estados e municípios, não cedendo às contrapartidas solicitadas pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

Além disso, as movimentações do governo e do Congresso continuam sendo monitoradas de perto, considerando a forte deterioração nas relações entre as partes. Declarações dos principais atores da cena política, assim, podem mexer com o humor dos investidores ao longo do dia.

E os juros?

Após o corte mais agressivo da Selic e as indicações de que o ciclo de ajustes negativos tende a continuar, o mercado de juros futuros opera em queda na ponta curta, ajustando-se às sinalizações emitidas ontem:

  • Janeiro/2021: de 2,75% para 2,52%;
  • Janeiro/2022: de 3,30% para 3,35%;
  • Janeiro/2023: de 4,66% para 4,61%.

Balanços e dólar

No front corporativo, os investidores reagem de maneira contida ao balanço do Banco do Brasil no primeiro trimestre deste ano: a instituição fez provisões de R$ 2 bilhões para se preparar para o impacto do coronavírus e, como resultado, fechou o período com queda de 20% no lucro, para R$ 3,39 bilhões — os papéis ON (BBAS3) têm baixa de 2,30%.

Ainda no lado dos resultados trimestrais, Ambev ON (ABEV3) cai 2,79%, Totvs ON (TOTS3) tem baixa de 6,15% e NotreDame Intermédica ON (GNDI3) avança 3,67% — veja aqui o resumo dos balanços das três empresas.

Em termos de desempenho no Ibovespa, destaque para as exportadoras Suzano ON (SUZB3) e Klabin units (KLBN11), com ganhos de 9,89% e 11,19%, nesta ordem — empresas que vendem ao exterior se beneficiam com o nível mais elevado do dólar.

Veja abaixo as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa no momento:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
KLBN11Klabin units20,66 +11,19%
SUZB3Suzano ON46,01 +9,89%
MRFG3Marfrig ON13,80 +8,75%
GGBR4Gerdau PN12,40 +6,53%
GOAU4Metalúrgica Gerdau PN5,52 +6,15%

Confira também as maiores quedas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
RENT3Localiza ON30,27 -6,86%
IGTA3Iguatemi ON27,84 -6,86%
ECOR3Ecorodovias ON9,75 -6,79%
QUAL3Qualicorp ON22,57 -6,62%
AZUL4Azul PN13,86 -6,16%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Balanço do mês

Bitcoin e dólar são os melhores investimentos de outubro; ativos de risco ficaram para trás de novo

Por pouco o Ibovespa não ficou entre os melhores investimentos do mês, mas segunda onda de coronavírus na Europa derrubou as bolsas; risco fiscal, eleições americanas e indefinição quanto a estímulos fiscais nos EUA também pesaram

seu dinheiro na sua noite

O saci à solta nos mercados

Não sei dizer exatamente quando nem quem tomou a iniciativa de importar dos países anglófonos a celebração do Halloween, o Dia das Bruxas. O fato é que desde que as crianças brasileiras começaram a sair fantasiadas pedindo doces no último dia de outubro houve uma série de tentativas de “tropicalizar” o evento. Embora não seja […]

Disparou

Dívida bruta do governo deverá encerrar o ano em 96% do PIB

Endividamento cresceu 20,2 pontos por causa de pandemia.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies