Menu
2020-07-31T16:40:50-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
mercados hoje

Ibovespa cai quase 2% com deterioração do cenário externo; dólar sobe

Bolsas abriram em alta, mas prejuízo da Chevron azedou o humor em Wall Street, impactando o Ibovespa e o dólar; realização de lucros e ajustes de carteira aprofundam queda.

31 de julho de 2020
10:34 - atualizado às 16:40
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa opera em queda de aproximadamente 2% enquanto o dólar sobe cerca de 1% nesta reta final de dia, semana e mês. O principal índice do mercado brasileiro de ações repercute o mau humor nos mercados financeiros internacionais ao longo da maior parte desta sexta-feira. Ao mesmo tempo, os ajustes esperados para a última sessão de julho aprofundam a queda em meio à realização de lucros.

Os mercados financeiros locais até começaram a sexta-feira refletindo um tom mais otimista, mas não demoraram a virar - acompanhando os sinais vindos de fora tanto na alta inicial quanto na baixa posterior.

Logo pela manhã, parecia que os bons resultados apresentados pelas grandes empresas de tecnologia - Apple, Facebook, Amazon e Alphabet - e dados melhores do que o esperado vindos da Europa e da China seriam suficientes para sustentar o sinal de alta.

Entretanto, o balanço da petroleira Chevron inverteu o sinal das bolsas norte-americanas. A empresa registrou prejuízo líquido de US$ 8,3 bilhões no segundo trimestre.

Com a deterioração do cenário externo, o Ibovespa também passou a operar no vermelho. No início da tarde, a queda acentuou-se em meio a ajustes de carteira e à realização de lucros na última sessão do mês. Por volta das 16h40, o Ibovespa operava em queda de 2,1%, aos 102.803 pontos.

Além de reagir aos sinais externos, o principal índice de ações da bolsa brasileira também é influenciada pelos resultados dos balanços corporativos das empresas nacionais. Confira aqui os principais números analisados pelos investidores nesta sexta-feira.

Um dos resultados financeiros mais relevantes foi o da Petrobras, divulgado na noite de ontem. A petroleira apresentou um prejuízo 94% menor do que o visto no 1º trimestre de 2020. Apesar disso, a reação dos mercados ao resultado da Chevron fez com que tanto as ações PN (PETR4) quanto as ON (PETR3) virassem e passassem a cair, recuando cerca 2% cada.

Enquanto isso, o aumento de provisões do Bradesco pesava sobre todo o setor bancário.

Pedro Galdi, analista da Mirae Asset, observou que, apesar da volatilidade dos últimos dias e da queda de hoje, o Ibovespa deve mostrar variação positiva no acumulado da semana.

Mas nem só de queda foi a sexta-feira do Ibovespa.

No campo positivo, os papéis da Cielo ON (CIEL3) lideravam a alta no Ibovespa (+11%) em meio a notícias de que o Banco Central (BC) comunicou às empresas que irá liberar a retomada dos testes do WhatsApp Pay, sistema de pagamentos via aplicativo de mensagens. A Cielo, controlada pelo Banco do Brasil e pelo Bradesco, é uma das empresas selecionadas para fazer os testes iniciais da ferramenta.

Enquanto isso, as ações ON da Localiza (RENT3) seguem em destaque (+5,4%) enquanto os investidores reagem ao balanço trimestral e às perspectivas de curto prazo da empresa.

Exterior misto

Enquanto os balanços corporativos das big techs - como são chamadas Apple, Amazon, Alphabet (dona do Google) e Facebook - animaram os investidores. Por volta das 16h40, somente o índice Nasdaq subia (+0,8%), graças aos balanços das big techs. Já os índices Dow Jones e S&P-500 apagavam as quedas registradas no decorrer da sessão.

Dólar e juro

O dólar, por sua vez, voltou a operar acima da faixa de R$ 5,20 em meio à piora do cenário externo e à disputa pela definição da Taxa PTax de julho. Por volta das 14h, a moeda norte-americana era cotada a R$ 5,21 (+1%).

Os contratos de juros futuros, por sua vez, fecharam sem direção clara, pressionados pelo comportamento do dólar, mas sem descolar muito do fechamento de ontem em meio à expectativa de que o Banco Central anunciará um novo corte de juro na semana que vem.

Veja como ficaram os principais vencimentos:

  • Janeiro/2021: de 1,908% para 1,905%;
  • Janeiro/2022: de 2,631% para 2,650%;
  • Janeiro/2023: estável a 3,650%;
  • Janeiro/2025: de 5,203% para 5,170%.
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

medida anticrise

Governo vai prorrogar novamente corte de jornada e salário

Programa foi anunciado em abril como medida para evitar um aumento ainda maior do desemprego diante da pandemia do novo coronavírus

defesas na corte

STF julga ação sobre venda de refinarias da Petrobras; veja o que já foi dito

Corte analisa um pedido de autoria do Senado Federal que alega que o governo federal estaria desmembrando a empresa para vender ativos; julgamento acontece nesta quinta

atenção, acionista

Hypera paga R$ 185,4 milhões em juros sobre capital próprio

Segundo a empresa, serão de R$0,29290 por ação ordinária, com retenção de imposto de renda na fonte; veja condições

PANDEMIA NO PAÍS

Brasil registra 1.031 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas

O último registro acima de mil mortes pela covid-19 havia ocorrido em 15 de setembro

privatizações

‘Paulo Guedes está desequilibrado’, diz Maia após acusação

Ministro falou que há boatos de que o deputado fez um acordo com a esquerda para não pautar as privatizações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements