Menu
2020-04-29T18:22:56-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Recuperação intensa

Dólar cai a R$ 5,35 e Ibovespa engata a terceira alta após o Fed cumprir o script do mercado

O Ibovespa subiu aos 83 mil pontos e o dólar teve novo alívio, repercutindo as sinalizações e acenos do Federal Reserve em sua decisão de política monetária

29 de abril de 2020
18:22
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Desde o início da semana, os investidores vinham traçando um cenário ideal para a decisão de política monetária do Fed, realizada nesta quarta-feira (29). E, considerando a nova rodada de alívio vista no Ibovespa, nas bolsas globais e no dólar à vista, as expectativas foram cumpridas à risca.

O índice brasileiro passou toda a sessão no campo positivo, mas chegou até a ganhar intensidade após às 15h, quando o Fed divulgou a manutenção da taxa de juros dos EUA na faixa de 0% a 0,25% ao ano. Ao fim do dia, o Ibovespa marcava 83.170,80 pontos, em alta de 2,29% — o terceiro pregão consecutivo no azul.

O dólar à vista não ficou para trás: a moeda americana terminou a sessão em forte baixa de 2,90%, a R$ 5,3552, e já acumula perdas de 5,41% apenas nesta semana.

  • Eu gravei um vídeo para explicar a dinâmica dos mercados nesta quarta-feira. Veja abaixo:

No exterior, o tom foi igualmente positivo: as bolsas americanas, que já operavam em alta desde a abertura, ampliaram ainda mais os ganhos a partir das sinalizações do Fed. Com isso, o Dow Jones (+2,21%), o S&P 500 (+2,66%) e o Nasdaq (+3,57%) tiveram avanços firmes ao fim da sessão.

É claro que a menor aversão ao risco do mercado em relação às turbulências políticas no Brasil também ajuda a criar um ambiente mais favorável aos ativos domésticos — especialmente o câmbio, que esteve particularmente pressionado nos últimos dias.

Mas, nesta quarta-feira, o exterior voltou a aparecer como principal fator e influência para o Ibovespa e o dólar, contribuindo para prolongar a sequência de alívio vista desde o começo da semana.

Fed cumpre o script

A manutenção dos juros nos EUA no patamar de 0% a 0,25% ao ano era amplamente esperada pelos investidores — as autoridades do Fed já haviam sinalizado no passado que não viam taxas negativas como adequadas para o país.

Assim, toda a expectativa dos investidores estava no tom a ser adotado no comunicado da decisão monetária e nas eventuais sinalizações a serem emitidas pelo presidente da instituição, Jerome Powell, na coletiva de imprensa que seria feita nesta tarde.

E, em ambos os casos, a postura do Fed agradou os investidores: a autoridade deu diretrizes claras quanto aos próximos passos e indicou a possibilidade de novos pacotes de estímulo serem adotados em breve, de modo a conter os impactos econômicos do surto de coronavírus

No comunicado, o BC americano disse estar comprometido a usar todos os instrumentos para apoiar a atividade no país, embora tenha ressaltado que o cenário é desafiador, com inúmeros riscos no curto prazo. O Fed ainda disse ver a manutenção dos juros nos níveis atuais até que se inicie uma retomada econômica.

E, na coletiva de imprensa, Powell disse as palavras mágicas: segundo o presidente da instituição, a economia americana pode precisar de mais suporte para que a recuperação seja robusta. Em outras palavras: a porta está aberta para mais pacotes de auxílio financeiro.

Gráfico mostrando o comportamento do Ibovespa nesta quarta-feira

O gráfico acima mostra que a reação dos investidores foi positivo às sinalizações do Fed. O índice passou o dia em alta, mas foi às máximas pouco depois das 15h — horário que coincide com a decisão de política monetária nos EUA e com o início da fala de Powell.

Essa esticada vista na etapa final do pregão foi suficiente, inclusive, para que o Ibovespa rompesse a faixa dos 83 mil pontos — um nível que não era atingido desde 11 de março.

Cautela e alívio

No Brasil, o noticiário referente ao cenário político continuou em primeiro plano para os investidores — e a notícia de que o ministro Alexandre de Moraes, do STF, suspendeu a nomeação de Alexandre Ramagem para o comando da Polícia Federal, conforme desejado pelo presidente Jair Bolsonaro, trouxe algumas instabilidades às negociações.

Apesar disso, o clima foi de relativa tranquilidade nos mercados brasileiros, tendo em vista a permanência de Paulo Guedes à frente do ministério da Economia. Desde segunda-feira (27), quando Bolsonaro deu declarações públicas de apoio a ele, os agentes financeiros têm assumido uma postura mais aliviada em relação às instabilidades políticas.

Esse cenário ajuda a explicar o forte alívio visto no dólar à vista nesta semana — alguns operadores também citam a proximidade do fechamento da taxa Ptax de abril e a consequente pressão para reduzir a cotação da moeda americana como um fator de influência para a queda da divisa.

No mercado de juros, o dia foi de ajustes positivos nas curvas mais curtas após a forte baixa vista ontem. Mas, em linhas gerais, os investidores seguem apostando firme em mais cortes na Selic, de modo a estimular a atividade doméstica — o BC se reúne na próxima semana para decidir o futuro da taxa:

  • Janeiro/2021: de 2,82% para 2,83%;
  • Janeiro/2023: de 4,85% para 4,77%;
  • Janeiro/2025: de 6,62% para 6,44%;
  • Janeiro/2027: de 7,60% para 7,36%.

Balanços e mais balanços

No front corporativo, destaque para os diversos balanços que foram divulgados desde a noite de ontem. Em primeiro plano apareceu a Vale: a mineradora fechou o período entre janeiro e março deste ano com um lucro de US$ 239 milhões, revertendo parte das perdas contabilizadas há um ano.

Nesse contexto, os papéis ON da mineradora (VALE3) fecharam em alta de 4,75% nesta quarta-feira, e apareceram entre os destaques positivos do Ibovespa.

Outras integrantes do índice também reportaram seus números trimestrais, como Raia DrogasilCieloSmiles Weg — veja aqui o resumo dos resultados dessas companhias.

Top 5

Confira abaixo as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa nesta quarta-feira:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
CSNA3CSN ON9,03+15,62%
IRBR3IRB ON10,25+13,89%
COGN3Cogna ON5,59+12,25%
GOLL4Gol PN13,34+9,43%
USIM5Usiminas PNA5,06+8,43%

E as cinco maiores perdas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
MGLU3Magazine Luiza ON50,62-2,28%
RAIL3Rumo ON19,76-2,18%
KLBN11Klabin units17,55-2,58%
TAEE11Taesa units27,70-1,44%
RADL3Raia Drogasil ON108,58-1,24%
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

DIA DE DECISÃO

Sem surpresas, Copom eleva Selic para 3,5% ao ano

Essa é a segunda alta consecutiva da Selic em 0,75 ponto percentual — no começo do ano, a taxa de juros estava nas mínimas históricas, em 2% ao ano

FECHAMENTO

Dólar recua e bolsa sobe com mercado dando alta da Selic como certa e forte desempenho das siderúrgicas

No exterior, as bolsas operam sem um sinal único definido. Por aqui, os investidores aguardam a decisão do Copom

um viral que vale US$ 90 bi

Confira os 5 fatos que estão fazendo o Dogecoin subir (de novo) e passar a valer mais que a Petrobras

Valendo US$ 0,68 por unidade, o DOGE ficou próximo dos US$ 90 bilhões em valor de mercado

depois do gpa

Ações de Assaí ganham novo impulso após lucro da empresa dobrar; veja o que dizem os analistas

Lucro foi de R$ 240 milhões no primeiro trimestre, um pouco acima do esperado; mercado fala que há espaço para papéis subirem mais até o final do ano

Contribuintes atentos

Economia pede a Bolsonaro que vete o adiamento de prazo do Imposto de Renda para julho

A pasta argumenta que o novo adiamento impactaria a arrecadação da União e dos governos federais e poderia impedir até mesmo o pagamento de programas sociais de combate à pandemia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies