Menu
2020-05-25T19:36:30-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Mercados tranquilos

Alívio generalizado: Ibovespa dispara e dólar cai a R$ 5,45 na sessão pós-vídeo

O Ibovespa foi às máximas desde 10 de março e o dólar à vista chegou à menor cotação em maio. Os investidores aproveitaram o feriado nos EUA para focar nas questões domésticas — com destaque para o vídeo da reunião ministerial, divulgado no fim da tarde de sexta

25 de maio de 2020
18:14 - atualizado às 19:36
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

De certa maneira, o comportamento do Ibovespa e do dólar à vista nesta segunda-feira (25) já era mais ou menos previsto: já na última sexta-feira (22), ficou claro que o mercado recebeu bem o tão aguardado vídeo da reunião ministerial do dia 22, contratando um alívio adicional para os ativos domésticos na sessão de hoje.

O que pode ser considerado surpreendente é a magnitude da melhora: o Ibovespa fechou a sessão em forte alta de 4,25%, aos 85.663,48 pontos, voltando a um patamar que não era visto desde 10 de março — período em que os mercados globais começaram a entrar em colapso.

No câmbio, a tendência não foi muito diferente: a moeda americana engatou a quarta baixa consecutiva e recuou mais 2,18% hoje, a R$ 5,4579. É a primeira vez em maio que a divisa fica abaixo de R$ 5,50.

Antes de passarmos às questões domésticas relacionadas, é preciso fazer uma observação importante: aos mercados dos EUA estiveram fechados nesta segunda-feira, em função de um feriado no país. Assim, sem a influência de Wall Street, ficou mais fácil para os investidores se focarem nas questões políticas locais.

Mas, mesmo que as bolsas americanas estivessem funcionando, o tom positivo visto por aqui seria pouco afetado: na Europa, tivemos uma sessão bastante tranquila, com as principais praças subindo mais de 2%.

A reabertura econômica do continente continua dando força às negociações por lá e, ao menos por enquanto, vai se sobrepondo às tensões crescentes entre Estados Unidos e China — as potências voltaram a trocar farpas no front comercial, desta vez usando o coronavírus como argumento para impor eventuais sobretaxas.

Dito isso, os investidores domésticos tiveram caminho livre nesta segunda-feira para aumentar a exposição ao risco, na esteira das novidades de Brasília.

Sem grandes implicações

Ao longo da semana passada, o mercado assumiu um cenário-base para o vídeo da reunião ministerial: o de que ele traria alguma implicação bombástica ao presidente Jair Bolsonaro e, consequentemente, deterioraria ainda mais a relação entre governo e Congresso, podendo até mesmo dar força a uma eventual abertura de processo de impeachment.

E o vídeo, de fato, traz uma série de desdobramentos ao presidente — incluindo insinuações quanto ao trabalho da Polícia Federal e menções à "segurança da família". No entanto, a leitura do mercado foi a de que o material não foi tão bombástico quanto o previsto.

Assim, as projeções de deterioração adicional da governabilidade não foram concretizadas — alguns agentes financeiros com quem eu conversei nos últimos dias avaliaram, inclusive, que o episódio serviu para fortalecer Bolsonaro junto a sua base e não causou grandes ruídos políticos.

E essa reversão de expectativa, somada à percepção de que há um alinhamento maior entre Bolsonaro, governadores e Congresso desde a semana passada — o polêmico veto ao reajuste salarial dos servidores parece não gerar mais atrito entre as partes — cria um cenário de diminuição expressiva na percepção de risco político.

E, para o mercado, essa é uma questão importante: a pacificação em Brasília serve, entre outros pontos, para criar uma estratégia mais unificada de combate à pandemia, tanto no lado da saúde pública quanto no da economia. Além disso, os esforços para a manutenção do ajuste fiscal também tendem a ser facilitados com governo e Congresso atuando juntos.

Desta maneira, foi possível ver esse alívio intenso tanto na bolsa quanto no dólar nos últimos dias: o Ibovespa, por exemplo, já sobe mais de 6% em maio, enquanto o dólar à vista praticamente zerou os ganhos no mês — vale lembrar que, há cerca de duas semanas, a moeda americana chegou a rondar os R$ 6,00.

Juros em queda

O mercado de juros futuros também fechou em queda nesta segunda-feira, tanto na ponta curta quanto na longa, fazendo companhia ao dólar à vista. Os investidores ajustaram-se às projeções de contração cada vez maior no PIB do país, de acordo com o boletim Focus divulgado hoje.

Assim, a leitura é a de que o Copom terá que continuar cortando a Selic para dar estímulo à atividade doméstica — e o dólar mais baixo aumenta o conforto quanto à continuidade no ciclo de alívio monetário. Veja abaixo como ficaram os principais DIs:

  • Janeiro/2021: de 2,49% para 2,38%;
  • Janeiro/2022: de 3,44% para 3,20%;
  • Janeiro/2023: de 4,41% para 4,28%;
  • Janeiro/2025: de 6,44% para 6,10%.

Quase tudo em alta

O tom foi majoritariamente positivo no Ibovespa, com quase todas as ações do índice reportando ganhos firmes. Confira abaixo as cinco maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
VVAR3Via Varejo ON11,21+15,57%
CVCB3CVC ON14,10+13,07%
SBSP3Sabesp ON49,90+12,97%
CYRE3Cyrela ON16,73+12,43%
MRVE3MRV ON16,74+12,12%

No lado oposto, destacaram-se os ativos de companhias exportadoras, que devolveram parte dos ganhos recentes — o alívio no dólar reduz as receitas dessas empresas com as vendas ao exterior:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
MRFG3Marfrig ON12,30-2,61%
SUZB3Suzano ON37,70-2,36%
BEEF3Minerva ON12,63-1,79%
KLBN11Klabin units18,87-1,72%
BRAP4Bradespar PN34,52-0,38%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Reação

Dias melhores virão para a Cielo? Saiba o que o mercado espera para a empresa depois do lucro acima do esperado

Empresa de maquininhas de cartão registra o primeiro aumento no lucro trimestral em três anos e ações disparam na B3. Mas os analistas ainda não recomendam a compra dos papéis

em meio à pandemia

Financiamento imobiliário cresce 58% em 2020 e bate recorde histórico

Expansão do crédito imobiliário em 2020 foi puxada, principalmente, pela liberação de financiamentos para a pessoa física fazer a compra de moradias

balanço

Contas externas têm saldo negativo de US$ 12,5 bi em 2020, diz BC

Brasil viu as importações de produtos caírem, enquanto as exportações se mantiveram em níveis elevados, puxadas pela venda de alimentos para outros países

sob pressão

Bolsonaro apela para caminhoneiro não realizar greve e avalia medidas no diesel

Presidente confirmou a intenção do governo de reduzir tributos sobre o diesel para aliviar a pressão do reajuste do combustível sobre o bolso dos caminhoneiros

pandemia

AstraZeneca e Blackrock negam, mas empresas reafirmam negociar vacina

Grupo de empresários brasileiros reafirmou que continua a negociar 33 milhões de doses do laboratório

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies