Menu
2020-07-22T18:29:15-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Alívio no câmbio

Em dia morno nas bolsas, dólar fecha em queda forte e se aproxima da casa dos R$ 5,10

Dia teve agenda esvaziada e Ibovespa fechou perto da estabilidade, mas moeda americana prosseguiu trajetória de queda e recuou quase 2%

22 de julho de 2020
18:12 - atualizado às 18:29
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Em dia morno nas bolsas, sem notícias que pudessem impulsionar fortes ganhos, o dólar mais uma vez se destacou pela queda intensa. A cotação à vista fechou em queda de 1,83%, a R$ 5,1157, tendo chegado a bater R$ 5,0843 na mínima do dia. Trata-se do menor valor de fechamento desde 12 de junho. No mês, a moeda americana já acumula perda de 5,90%

O real foi novamente a moeda emergente que mais se valorizou ante o dólar no pregão de hoje. Segundo Jefferson Rugik, diretor da Correparti, o que se vê no câmbio é uma continuidade do movimento de ontem, de desmonte de posições defensivas em razão da melhora dos cenários global e interno.

Os avanços nas vacinas contra o coronavírus, a aprovação de um pacote de ajuda de 1,8 trilhão de euros na União Europeia e as negociações de mais estímulos nos Estados Unidos contribuem para a redução da aversão a risco. O envio da proposta de reforma tributária do governo para o Congresso ontem, por sua vez, contribui para a melhora da percepção de risco no cenário doméstico.

"Essa nova posição do governo de negociar com o Congresso, de o próprio ministro da Economia ir ao Senado entregar a proposta, é muito positiva e ajuda nesse desmonte de posições defensivas", diz Rugik.

Agenda esvaziada e tensões entre EUA e China

A bolsa brasileira, por sua vez, teve um dia um tanto parado, na ausência de notícias que pudessem levar a novos ganhos ou perdas significativas. O Ibovespa alternou desempenhos positivos e negativos ao longo de todo o pregão, fechando perto da estabilidade, em leve queda de 0,02%, aos 104.284,57 pontos.

Em dia de agenda esvaziada, o que mais pesou no mercado, lá fora, foi o fator geopolítico. O dia amanheceu com a notícia de que o governo americano fechou o consulado chinês em Houston, no estado do Texas, e a China ameaçou retaliar com o fechamento do consulado americano em Wuhan.

Os Estados Unidos justificaram a iniciativa dizendo que o fechamento do consulado é para "proteger propriedade intelectual americana e informações privadas de americanos". Os EUA acusam a China de roubo de segredos comerciais e militares.

Por outro lado, animou os investidores a notícia de que os Estados Unidos já adquiriram 100 milhões de doses da vacina contra o coronavírus que vem sendo desenvolvida pela Pfizer em parceira com a BioNTech.

As bolsas americanas fecharam em alta nesta quarta. O Dow Jones avançou 0,62%, a 27.005,84 pontos, o S&P 500 fechou em alta de 0,57% a 3.276,02 pontos e o Nasdaq fechou com ganho de 0,24%, a 10.706,13 pontos.

As bolsas europeias, por sua vez, fecharam majoritariamente em queda. O índice pan-europeu Stoxx 600 teve perda de 0,87%.

Os juros futuros fecharam com sinais mistos. Confira os principais vencimentos:

  • Janeiro/2021: de 2,04% para 2,035% (-0,25%);
  • Janeiro/2022: de 2,96% para 2,97% (+0,34%);
  • Janeiro/2023: de 4,03% para 4,07% (+0,99%);
  • Janeiro/2025: de 5,49% para 5,55% (+1,09%).

Destaques do dia

As ações da Weg (WEGE3) reinaram absolutas no pódio do Ibovespa nesta quarta, com a maior alta do dia após a companhia divulgar números positivos no balanço do segundo trimestre. As ações dispararam 13,89%, fechando cotadas a R$ R$ 68,20.

Outra ação que se destacou foi a da B2W (BTOW3), com os investidores reagindo positivamente ao anúncio de aumento de capital da companhia feito ontem. Os papéis fecharam em alta de 5,30%, cotados a R$ 125,55.

Na ponta negativa do Ibovespa, a Qualicorp (QUAL3) novamente teve o pior desempenho, fechando em queda de 5,74%. Os papéis continuam sendo atingidos pela notícia de que a empresa foi alvo de busca e apreensão da Operação Lava Jato ontem, que também prendeu seu fundador e ex-CEO José Seripieri Junior.

Leia mais detalhes sobre todas as ações que foram destaque no pregão de hoje.

Top 5

Confira as maiores altas do Ibovespa nesta quarta-feira:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
WEGE3Weg ON68,20+13,89%
CMIG4Cemig PN12,40 +7,73%
BTOW3 B2W ON 125,55+5,30%
GOAU4Metalúrgica Gerdau PN7,97 +5,28%
GGBR4Gerdau PN16,74 +3,65%

Veja também quais foram as maiores quedas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
QUAL3Qualicorp ON28,10-5,74%
BRML3BR Malls ON10,93-4,87%
IRBR3 IRB ON8,17-4,11%
IGTA3Iguatemi ON35,25 -4,11%
MULT3Multiplan ON22,17-3,73%

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

seu dinheiro na sua noite

Petróleo, minério e tudo que há de bom

Entre o fantasma do Orçamento com pedaladas, a besta da PEC “fura-teto”, o gigante da CPI da Covid e o monstro da pandemia, o Ibovespa conseguiu hoje engatar a terceira alta seguida e fechar acima dos simbólicos 120 mil pontos, marca que o índice não via desde fevereiro. Mas como pode? Bem, mais uma vez […]

hoje não

Hering rejeita proposta da Arezzo para potencial fusão

Segundo a Cia. Hering, a proposta “não atende ao melhor interesse dos acionistas e da própria companhia”

Polêmica na privatização

CVM vai investigar CEEE por suposta omissão na divulgação de informações

A autarquia começará a apuração de uma denúncia de omissão de fatos relevantes sobre a privatização da estatal gaúcha

FECHAMENTO

Commodities em alta levam o Ibovespa acima dos 120 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro; dólar recua

O clima incerto em Brasília segue assombrando os investidores, mas ainda assim a bolsa brasileira consegue fôlego com as commodities para se manter no azul

Combinação promete

Aura Minerals (AURA33): ouro e dividendos no mesmo investimento

Max Bohm, sócio e analista de Empiricus, enxerga um potencial enorme de crescimento na combinação oferecida pela mineradora

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies