Menu
2020-03-31T18:48:03-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Altas e baixas

CVC, Cogna, Suzano e Ambev: os destaques do Ibovespa nesta terça-feira

Os papéis da CVC caíram forte após a empresa deixar de divulgar o balanço anual dentro do prazo da CVM; as ações da Cogna também desabaram, em meio aos resultados decepcionantes em 2019

31 de março de 2020
15:53 - atualizado às 18:48
CVC
Imagem: Divulgação

O Ibovespa teve uma sessão pouco movimentada nesta terça-feira (31), mas algumas ações que compõem o índice reagiram de maneira intensa ao noticiário corporativo específico às empresas. Na ponta negativa do índice, os papéis da CVC, Cogna e Ambev foram os destaques; no lado oposto, os ativos da Suzano chamaram a atenção.

As ações ON da CVC (CVCB3) despencaram 14,29%, a R$ 11,10, aparecendo entre as maiores baixas do Ibovespa. E essa forte queda não ocorreu à toa: mais cedo, a empresa informou que não irá divulgar os resultados de 2019 dentro do prazo regular, que se encerra hoje.

Esse é apenas mais um elemento da 'tempestade perfeita' que atinge a companhia desde o ano passado. A quebra da Avianca Brasil, a crise da Boeing, a disparada no dólar, o surto de coronavírus e a descoberta de um erro contábil — tudo contribui para criar enormes dúvidas quanto ao futuro da CVC, jogando a cotação de seus papéis para baixo.

Somente em 2020, as ações da empresa já acumulam queda de mais de 74% — dentro do Ibovespa, apenas IRB ON (IRBR3) tem um desempenho pior, em meio à crise de governança e confiabilidade que atinge a resseguradora.

Restou à CVC reportar alguns dados financeiros não-auditados: um lucro líquido consolidado de R$ 187,6 milhões em 2019, o que representa uma queda de 2% na base anual; e uma receita líquida de R$ 1,661 bilhão — um aumento de 11,3% em um ano.

Cogna decepciona

O setor de educação também despontou entre as maiores baixas do índice nesta terça-feira, com Cogna ON (COGN3) despencando 20,95%, a R$ 4,00. Ontem, a antiga Kroton reportou seu balanço anual — e ele ficou aquém das expectativas.

A empresa registrou prejuízo líquido de R$ 168 milhões no quarto trimestre do ano passado, revertendo o lucro de R$ 102,3 milhões registrado no mesmo período de 2018. No consolidado de 2019, a Cogna lucrou R$ 242,6 milhões, uma queda de 82,6% na base anual.

Em relatório, os analistas Samuel Alves e Yan Cesquim, do BTG Pactual, destacaram a fraqueza dos resultados operacionais da Cogna no período — a companhia, inclusive, não conseguiu cumprir suas próprias projeções financeiras para 2019.

Por outro lado, os analistas do BTG ponderam que a Cogna possui uma boa posição de caixa e de liquidez para atravessar o atual cenário de crise gerado pelo coronavírus, o que ainda torna as ações da empresa atrativas — especialmente nos níveis atuais de preço.

A forte baixa dos papéis da Cogna acabou puxando para baixo as ações ON da Yduqs (YDUQ3), que caíram 17,18% e também apareceram na ponta negativa do Ibovespa.

Suzano se recupera

No lado positivo do Ibovespa, destaque para o setor de papel e celulose: Suzano ON (SUZB3) subiu 5,30%, a R$ 35,79, enquanto as units da Klabin (KLBN11) tiveram ganho de 1,65%, a R$ 15,99.

Também em relatório, o BTG Pactal elevou os preços-alvo dos dois ativos: Suzano ON foi de R$ 44 para R$ 49, enquanto as units da Klabin passaram de R$ 20 para R$ 22 — ambas já tinham recomendação de compra pela instituição.

Além disso, também ajuda a dar força ao setor a recuperação exibida pela economia da China, importante importadora de commodities. O PMI industrial chinês avançou de 35,7 em fevereiro para 52 em março, enquanto o índice do setor de serviços foi de 29,6 para 52,3.

Vale lembrar que, na China, a fase aguda do surto de coronavírus ocorreu entre janeiro e fevereiro. Assim, os dados de março já mostram um cenário pós-crise — e o fortalecimento rápido da economia anima os mercados.

Outras ações ligadas ao segmento de commodities também fecharam em alta firme hoje. É o caso dos papéis da Petrobras, tanto os ONs (PETR3) quanto os PNs (PETR4), com ganhos de 5,21% e 4,56%, respectivamente — o tom positivo do petróleo nesta terça-feira ajudou a estatal.

O setor de mineração e siderurgia também subiu: Vale ON (VALE3) teve ganho de 3,47%; Gerdau PN (GGBR4) valorizou 2,76%; e Usiminas PNA (USIM5) fechou em alta de 2,93%.

Cautela com a Ambev

Voltando ao campo negativo, outro destaque foi Ambev ON (ABEV3), em queda de 5,02%, a R$ 11,92. Mais cedo, o Credit Suisse cortou a recomendação para as ações, de compra para neutra, e reduziu o preço-alvo em 12 meses, de R$ 22 para R$ 14,50.

Essa mudança de postura se deve aos impactos que o surto global de coronavírus trará à empresa. De acordo com a analista Marcella Recchia, o entendimento do banco é de que os impactos da venda de cerveja na China atingirão o pico no primeiro trimestre deste ano, numa baixa de até 80%.

A melhora deve ser vista nos períodos seguintes: queda de até 40% no segundo trimestre e uma possível alta na segunda metade do ano.

"Esperamos que o mercado brasileiro de cerveja tenha uma tendência amplamente alinhada com a da China, com um trimestre de atraso", diz Recchia. "Com 55% das vendas de cerveja da AmBev no Brasil provenientes do comércio, estimamos que volume, venda e Ebitda para 2020 caiam 10,2%, 8,8% e 14,4%, respectivamente".

Top 5

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta terça-feira:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
SUZB3Suzano ON35,79+5,30%
PETR3Petrobras ON14,14+5,21%
PETR4Petrobras PN13,99+4,56%
BRFS3BRF ON15,09+4,00%
VALE3Vale ON43,22+3,47%

Confira também as cinco maiores baixas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
COGN3Cogna ON4,00-20,95%
YDUQ3Yduqs ON22,17-17,18%
CVCB3CVC ON11,10-14,29%
IGTA3Iguatemi ON31,25-11,02%
CYRE3Cyrela ON14,13-10,00%
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

balanço do dia

Covid-19: casos sobem para 15,5 milhões e mortes, para 432,6 mil

O total de vidas perdidas durante a pandemia subiu para 432.628. Entre ontem e hoje, foram registradas 2.211 novas mortes.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Mudaram as estações, mas nada mudou na bolsa

Quem olha para o saldo do Ibovespa na semana pode achar que os últimos dias foram um marasmo. O índice, afinal, ficou praticamente estável — uma quase desprezível queda de 0,13%. “Mas eu sei que alguma coisa aconteceu / tá tudo assim, tão diferente”, já dizia a música. E é verdade: nada mudou na bolsa, […]

Fechamento da semana

Inflação americana e minério de ferro vivem ‘dias de luta e dias de glória’, monopolizando a semana; dólar avança e bolsa recua no período

O minério de ferro puxou Vale e siderúrgicas para cima – mas depois derrubou. A inflação americana também assustou, mas conseguiu acalmar o ânimo dos investidores. Confira tudo o que movimentou a semana

Engordando o caixa

Petrobras gera US$ 2,5 bilhões com desinvestimentos em 2021; venda mais recente é para fundo árabe

E a estatal não deve parar por aí, pois o diretor financeiro da empresa já reafirmou a intenção de continuar com o programa de venda de ativos

Em evento do BofA

Presidente do BC revela preocupação com análise de autonomia no STF e planos para PIX internacional

Campos Neto e o ministro da Economia, Paulo Guedes, têm conversado com ministros da Corte sobre os questionamento acerca do tema

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies