🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Altas e baixas

CVC, Cogna, Suzano e Ambev: os destaques do Ibovespa nesta terça-feira

Os papéis da CVC caíram forte após a empresa deixar de divulgar o balanço anual dentro do prazo da CVM; as ações da Cogna também desabaram, em meio aos resultados decepcionantes em 2019

Victor Aguiar
Victor Aguiar
31 de março de 2020
15:53 - atualizado às 18:48
CVC
Imagem: Divulgação

O Ibovespa teve uma sessão pouco movimentada nesta terça-feira (31), mas algumas ações que compõem o índice reagiram de maneira intensa ao noticiário corporativo específico às empresas. Na ponta negativa do índice, os papéis da CVC, Cogna e Ambev foram os destaques; no lado oposto, os ativos da Suzano chamaram a atenção.

As ações ON da CVC (CVCB3) despencaram 14,29%, a R$ 11,10, aparecendo entre as maiores baixas do Ibovespa. E essa forte queda não ocorreu à toa: mais cedo, a empresa informou que não irá divulgar os resultados de 2019 dentro do prazo regular, que se encerra hoje.

Esse é apenas mais um elemento da 'tempestade perfeita' que atinge a companhia desde o ano passado. A quebra da Avianca Brasil, a crise da Boeing, a disparada no dólar, o surto de coronavírus e a descoberta de um erro contábil — tudo contribui para criar enormes dúvidas quanto ao futuro da CVC, jogando a cotação de seus papéis para baixo.

Somente em 2020, as ações da empresa já acumulam queda de mais de 74% — dentro do Ibovespa, apenas IRB ON (IRBR3) tem um desempenho pior, em meio à crise de governança e confiabilidade que atinge a resseguradora.

Restou à CVC reportar alguns dados financeiros não-auditados: um lucro líquido consolidado de R$ 187,6 milhões em 2019, o que representa uma queda de 2% na base anual; e uma receita líquida de R$ 1,661 bilhão — um aumento de 11,3% em um ano.

Cogna decepciona

O setor de educação também despontou entre as maiores baixas do índice nesta terça-feira, com Cogna ON (COGN3) despencando 20,95%, a R$ 4,00. Ontem, a antiga Kroton reportou seu balanço anual — e ele ficou aquém das expectativas.

A empresa registrou prejuízo líquido de R$ 168 milhões no quarto trimestre do ano passado, revertendo o lucro de R$ 102,3 milhões registrado no mesmo período de 2018. No consolidado de 2019, a Cogna lucrou R$ 242,6 milhões, uma queda de 82,6% na base anual.

Em relatório, os analistas Samuel Alves e Yan Cesquim, do BTG Pactual, destacaram a fraqueza dos resultados operacionais da Cogna no período — a companhia, inclusive, não conseguiu cumprir suas próprias projeções financeiras para 2019.

Por outro lado, os analistas do BTG ponderam que a Cogna possui uma boa posição de caixa e de liquidez para atravessar o atual cenário de crise gerado pelo coronavírus, o que ainda torna as ações da empresa atrativas — especialmente nos níveis atuais de preço.

A forte baixa dos papéis da Cogna acabou puxando para baixo as ações ON da Yduqs (YDUQ3), que caíram 17,18% e também apareceram na ponta negativa do Ibovespa.

Suzano se recupera

No lado positivo do Ibovespa, destaque para o setor de papel e celulose: Suzano ON (SUZB3) subiu 5,30%, a R$ 35,79, enquanto as units da Klabin (KLBN11) tiveram ganho de 1,65%, a R$ 15,99.

Também em relatório, o BTG Pactal elevou os preços-alvo dos dois ativos: Suzano ON foi de R$ 44 para R$ 49, enquanto as units da Klabin passaram de R$ 20 para R$ 22 — ambas já tinham recomendação de compra pela instituição.

Além disso, também ajuda a dar força ao setor a recuperação exibida pela economia da China, importante importadora de commodities. O PMI industrial chinês avançou de 35,7 em fevereiro para 52 em março, enquanto o índice do setor de serviços foi de 29,6 para 52,3.

Vale lembrar que, na China, a fase aguda do surto de coronavírus ocorreu entre janeiro e fevereiro. Assim, os dados de março já mostram um cenário pós-crise — e o fortalecimento rápido da economia anima os mercados.

Outras ações ligadas ao segmento de commodities também fecharam em alta firme hoje. É o caso dos papéis da Petrobras, tanto os ONs (PETR3) quanto os PNs (PETR4), com ganhos de 5,21% e 4,56%, respectivamente — o tom positivo do petróleo nesta terça-feira ajudou a estatal.

O setor de mineração e siderurgia também subiu: Vale ON (VALE3) teve ganho de 3,47%; Gerdau PN (GGBR4) valorizou 2,76%; e Usiminas PNA (USIM5) fechou em alta de 2,93%.

Cautela com a Ambev

Voltando ao campo negativo, outro destaque foi Ambev ON (ABEV3), em queda de 5,02%, a R$ 11,92. Mais cedo, o Credit Suisse cortou a recomendação para as ações, de compra para neutra, e reduziu o preço-alvo em 12 meses, de R$ 22 para R$ 14,50.

Essa mudança de postura se deve aos impactos que o surto global de coronavírus trará à empresa. De acordo com a analista Marcella Recchia, o entendimento do banco é de que os impactos da venda de cerveja na China atingirão o pico no primeiro trimestre deste ano, numa baixa de até 80%.

A melhora deve ser vista nos períodos seguintes: queda de até 40% no segundo trimestre e uma possível alta na segunda metade do ano.

"Esperamos que o mercado brasileiro de cerveja tenha uma tendência amplamente alinhada com a da China, com um trimestre de atraso", diz Recchia. "Com 55% das vendas de cerveja da AmBev no Brasil provenientes do comércio, estimamos que volume, venda e Ebitda para 2020 caiam 10,2%, 8,8% e 14,4%, respectivamente".

Top 5

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta terça-feira:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
SUZB3Suzano ON35,79+5,30%
PETR3Petrobras ON14,14+5,21%
PETR4Petrobras PN13,99+4,56%
BRFS3BRF ON15,09+4,00%
VALE3Vale ON43,22+3,47%

Confira também as cinco maiores baixas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
COGN3Cogna ON4,00-20,95%
YDUQ3Yduqs ON22,17-17,18%
CVCB3CVC ON11,10-14,29%
IGTA3Iguatemi ON31,25-11,02%
CYRE3Cyrela ON14,13-10,00%

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar