Menu
2021-01-04T16:50:16-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
fechamento dos mercados

Ibovespa encerra ano de pandemia em alta de 3% e marca novo recorde; dólar dispara 30%

Índice, no entanto, não conseguiu renovar a máxima de fechamento; dólar acumulou alta de 30% ao longo de 2020

30 de dezembro de 2020
18:55 - atualizado às 16:50
Gangorra Ibovespa mercads touro urso bear bull
Imagem: Shutterstock

O Ibovespa levou nada menos que 10 meses para voltar a ficar no azul em um ano histórico. Com direito ao pior março em 22 anos, o índice teve circuit breakers para dar e vender em meio ao pânico dos mercados com a pandemia do século.

A partir daí remou, remou e remou — para, eventualmente, entrar em um bull market, reconquistando os 100 mil ainda em julho.

Os meses seguintes foram de muita volatilidade e só foi mesmo no fim do ano que o índice pôde flertar com níveis recordes, uma vez mais. Nesta reta final, inclusive, conseguiu renovar sua máxima histórica intradiária por duas vezes, ontem e hoje. Ficou "devendo", no entanto, um novo recorde de fechamento.

A última sessão do ano, para falar a verdade, não fez lá muito jus ao entusiasmo pela retomada do topo histórico: foi cheia de marasmo, com leves alternâncias entre altas e baixas e um término em leve queda.

Este movimento de "chove e não molha" se deu a partir de 10h20, quando o principal índice acionário da B3 renovou a sua máxima histórica, subindo aos 120.150 pontos, em ganhos de 0,6%.

Último pregão do ano teve Ibovespa indo a recorde logo de cara, mas resto do dia foi morno. Fonte: B3/TradingView

Ao fim da sessão, pressionado por papéis de grandes bancos, siderúrgicas e varejistas, o Ibovespa fechou em baixa de 0,33%, aos 119.017,24 pontos. Com isso, não conseguiu renovar o recorde de encerramento, obtido em 23 de janeiro — ocasião em que terminou aos 119.527,63 pontos.

No ano, o índice acumulou uma leve alta de 2,9%, com destaque para as ações ligadas a commodities (embaladas pelo preço do dólar) e do segmento de e-commerce (embaladas pelas medidas de isolamento), predominantemente.

Entre os perdedores de 2020, a resseguradora IRB Brasil registrou a maior queda do índice, acompanhada por empresas do setor de educação e de lazer, fortemente impactadas pelo distanciamento social.

Recorde nos EUA, apesar de indefinição

Enquanto isso, as bolsas americanas tiveram um dia de alta, com o Dow Jones renovando a máxima de fechamento no penúltimo dia de negócios no ano. Os índices acionários S&P 500 e Nasdaq se aproximaram de novos recordes de fim de sessão.

Uma novidade no front das vacinas temperou um caldo de incertezas sobre o auxílio individual contra o coronavírus nos Estados Unidos, componente que pesou ontem nos mercados acionários: o Reino Unido aprovou o uso emergencial da vacina da AstraZeneca, o segundo imunizante autorizado por lá.

Nos EUA, os olhos dos investidores ficaram voltados para o Senado norte-americano, que discute um aumento do auxílio às famílias de baixa renda impactadas pela covid-19 nos Estados Unidos de US$ 600 para US$ 2 mil.

O líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, bloqueou uma votação rápida sobre a questão, se distanciando do desejo do próprio presidente Donald Trump de ampliar pagamentos diretos aos americanos — medida que, inclusive, tem apoio dos democratas.

McConnell agora vincula o aumento do auxílio individual a duas outras preocupações de Trump, que, no entanto, carecem de apoio bipartidário: mudanças na liberdade do discurso online e reclamações de Trump sobre supostas fraudes eleitorais.

Dólar dispara 30% no ano

O dólar comercial registrou uma sessão de volatilidade — a moeda caiu 0,5% na mínima e subiu 1% na máxima — e terminou sendo negociado a R$ 5,1887, em leve alta de 0,11%.

O dólar também subiu frente ao rublo russo, mas ficou estável contra o peso mexicano, moedas pares do real. É bom lembrar que não houve leilão de swap (operação de venda de dólar no mercado futuro) programado para hoje pelo Banco Central.

Recentemente, o BC vinha oferecendo contratos de swap para aliviar a demanda por dólar de bancos que procuravam reduzir o overhedge (redução da posição vendida em dólar). Os leilões envolviam 16 mil contratos de swap ou US$ 800 milhões diariamente.

No exterior, o Dollar Index (DXY) demonstrou a continuidade da fraqueza da divisa, com a perspectiva de mais estímulos fiscais na praça: o índice, que mede o vigor do dólar contra o de rivais fortes (euro, libra e iene), cai 0,4%, nos menores níveis desde abril de 2018.

Mas a fraqueza global do dólar não dirimiu suas forças contra o real, o que fez a moeda fechar o ano em uma fortíssima valorização, de 29,3%.

A aversão ao risco gerada pela pandemia de coronavírus, que afastou investidores de moedas emergentes, associada ao crescente risco fiscal visto no país e, também, à fraqueza da economia brasileira, compuseram uma tempestade perfeita que levou o dólar a renovar suas máximas históricas contra a divisa local.

Em momentos de mais tensão, que envolveram até o risco político após a saída do ministro Sergio Moro e seus impactos no governo Jair Bolsonaro, o dólar chegou a operar acima dos R$ 5,90 pela primeira vez na história.

Eventualmente, a diminuição dos riscos político e fiscal, as notícias sobre a vacina contra o coronavírus, o fluxo de entrada de recursos estrangeiros e a eleição de Joe Biden trouxeram alívio à moeda, que chegou a cair em novembro e se aproximou da casa dos R$ 4 em dezembro, mas terminou um ano pela primeira vez na história valendo mais de R$ 5.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Receita Federal dos EUA

Binance é investigada por manter contas suspeitas de lavagem de dinheiro nos EUA

Desde 2019, a Binance não oferece mais serviços de trading de criptomoedas para quem mora nos Estados Unidos

Sobe e desce da commodity

Dia de correção: minério de ferro cai forte e derruba ações da Vale e siderúrgicas

As ações da Vale, Gerdau, Usiminas e CSN estão entre as maiores baixas do Ibovespa hoje, influenciadas pela cotação do minério de ferro

Rombo nas contas assusta

Decisão do STF sobre ICMS pode acelerar reforma tributária

O risco de um desfalque maior na arrecadação do governo deve intensificar os esforços da equipe econômica para acelerar a tramitação das mudanças no Congresso

Reação ao balanço

Lucrou, mas não empolgou. Ações do IRB caem mesmo com melhora no resultado

Papéis da resseguradora (IRBR3) estavam entre as maiores quedas do Ibovespa nesta sexta-feira; Credit Suisse vê piora operacional da companhia

Prepare o bolso

Petrobras diz que manterá ritmo de reajustes nos preços de combustíveis

Um executivo confirmou que não haverá mudanças na política de preços da estatal, que segue sem frequência definida

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies