Menu
2019-05-07T12:01:23-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
caso de polícia

Pela segunda vez, MPF denuncia Wesley Batista por insider trading

Ele e o irmão Joesley já respondem pelo crime em outra ação penal, referente aos ganhos ilegais obtidos com a venda e a recompra de ações da JBS e com negociações de outros contratos de dólar na mesma época

7 de maio de 2019
11:01 - atualizado às 12:01
JBS coimpra Seara
Brasil, São Paulo, SP, 10/06/2013. Retrato de Wesley Batista Ceo e presidente da JBS durante coletiva de imprensa para anunciar a aquisição da Seara Foods, no Hotel Ranaissance em São Paulo. - Imagem: WERTHER SANTANA/ESTADÃO CONTEÚDO/AE

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou mais uma vez o empresário Wesley Batista pelo crime de insider trading — uso de informações privilegiadas para a obtenção de ganhos no mercado financeiro.

O empresário é suspeito de comandar operações cambiais em maio de 2017, à frente da Seara Alimentos e da Eldorado Celulose. À época, ele e o irmão Joesley haviam firmado acordo de colaboração premiada.

Após a divulgação das delações, a moeda norte-americana teve alta expressiva, o que rendeu ao empresário quase R$ 70 milhões a partir dos contratos de dólar negociados dias antes, segundo o MPF.

Os irmãos Batista já respondem pela prática do crime em outra ação penal, referente aos ganhos ilegais obtidos com a venda e a recompra de ações da JBS e com negociações de outros contratos de dólar na mesma época.

Wesley Batista era presidente da JBS na ocasião das movimentações financeiras. Ele chegou a ser preso e liberado na sequência e renunciou ao cargo. A família Batista é controladora da holding J&F, que na ocasião detinha o controle de empresas como Seara e Eldorado, que também têm operações investigadas no mercado financeiro na ocasião.

Transações atípicas

Posteriormente, relatórios periciais da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e da Procuradoria-Geral da República (PGR) demonstraram a atipicidade das transações realizadas. A Eldorado, por exemplo, adquiriu contratos de dólar a termo nos dias 9 e 16 de maio no valor total de US$ 280 milhões, equivalente ao triplo de todo o lucro obtido pela empresa no ano anterior.

Já a Seara efetuou a compra de dólar futuro no montante de US$ 25 milhões entre os dias 10 e 16 daquele mês, quantia 50 vezes superior à média das operações que a empresa vinha realizando no mercado cambial desde o segundo semestre de 2016. As datas coincidem com o período entre a celebração do acordo de colaboração premiada, no início de maio, e a divulgação de seu teor, no dia 17.

Como efeito da publicação das informações, a cotação do dólar futuro teve alta de 9% no dia 18, a maior elevação diária registrada em 14 anos.

“Sabedor dos impactos que tais informações causariam na economia do país – quais sejam: uma inevitável alta do dólar –, Wesley resolveu se beneficiar financeiramente da instabilidade econômica que seria ocasionada com a divulgação dos termos da colaboração premiada e das provas apresentadas”, disse uma da autoras da denúncia, a procuradora da República Thaméa Danelon.

Segundo o MPF, mensagens de texto entre Wesley e funcionários, analisadas a partir da apreensão do telefone celular dele, comprovam que o empresário foi o mandante das operações.

 

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

apesar da retomada

Dia dos pais não anima varejo e só 19% dos empresários estão otimistas com vendas

Na análise por setor, a perspectiva de aumento é de 15% no comércio, 10% em serviços, e 29% para a indústria

projeto em discussão

Relator no Senado mantém limite de 30% em juros do cheque e cartão crédito

Lasier Martins disse que não vai aceitar mais emendas ao parecer, mas relatou forte pressão para desidratar a medida

11 lotes

Aneel aprova edital de leilão de transmissão; investimentos serão de R$ 7,3 bilhões

Estimativa é que sejam gerados 15 mil empregos. Os contratos terão prazo de 30 anos

Curva de juros

Mercado recalibra apostas para os juros após sinalização do BC sobre a Selic

Os contratos de juros futuros de curto e médio prazo são negociados em forte queda na B3 em reação ao comunicado do Copom. Os juros mais longos também caem, mas em uma intensidade menor

Dados atualizados

Pedidos de seguro-desemprego somam 570.543 em julho e têm 2ª queda consecutiva

Do total de pedidos de julho, 39,3% foram feitos por mulheres e 60,7%, por homens

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements