O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2019-07-24T18:21:32-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Balanço positivo

Ações da Weg se aproximam das máximas após a empresa lucrar 15% a mais no trimestre

A companhia catarinense Weg divulgou na manhã desta quarta-feira (24) seus números referentes ao segundo trimestre do ano — e as ações da empresa reagiram bem aos dados

24 de julho de 2019
16:04 - atualizado às 18:21
Fábrica da Weg (WEGE3) em Santa Catarina
Fábrica da Weg em Santa Catarina. - Imagem: Jonne Roriz/Estadão Conteúdo

Um dos conselhos mais básicos para quem está entrando no mercado financeiro diz respeito à diversidade dos investimentos — o tal do "não deposite todos os ovos numa única cesta". Afinal, estar exposto a ativos de diferentes perfis reduz a chance de ter prejuízos por causa de algum imprevisto. A Weg leva a sério esse ensinamento, e seus resultados do segundo trimestre mostram que a estratégia rendeu frutos.

A empresa catarinense atua em vários ramos: desde equipamentos eletroeletrônicos industriais até motores para uso doméstico; de geração, transmissão e distribuição de energia (GTD) a tintas e vernizes. Além disso, a Weg possui ampla diversificação geográfica, com presença em todos os continentes.

Esse leque de atuação acaba funcionando como uma espécie de seguro: eventuais dificuldades enfrentadas por alguma divisão ou mercado acabam sendo diluídas no meio de tantas frentes de resultado. E, entre abril e junho deste ano, o saldo de todos os vetores foi positivo para a empresa.

A Weg reportou, na manhã desta quarta-fera (24), um lucro líquido de R$ 389 milhões no segundo trimestre de 2019, cifra 15,6% maior que a apurada no mesmo período do ano passado. A receita líquida também cresceu: chegou a R$ 3,286 bilhões, um avanço de 7,5% na mesma base de comparação.

Os números foram bem recebidos pelo mercado: as ações ON da Weg (WEGE3) fecharam o dia em alta de 1,86%, a R$ 23,00 — perto das máximas históricas de encerramento, de R$ 23,69.

Em linhas gerais, analistas e especialistas receberam bem os resultados da Weg. No entanto, o otimismo não se restringe ao crescimento por si só do lucro e da receita: o segredo está no desempenho isolado de cada setor e área de atuação da companhia — e nas perspectivas para o futuro.

Dos R$ 3,286 bilhões de receita, R$ 1,289 bilhão foi obtido no mercado interno — um recuo de 2,2% na base anual. Contudo, o mercado externo respondeu por R$ 1,996 bilhão, um avanço de 18,8% em relação ao segundo trimestre de 2018, o que compensou a desaceleração vista aqui dentro.

Cartas na manga

Em termos domésticos, a Weg destaca que a geração de receita foi negativamente impactada pela menor participação dos projetos de geração eólica. Contudo, uma segunda frente de atuação tem ganhado importância nas atividades locais da empresa: os negócios de geração solar.

"As perspectivas para esse negócio se mantêm positivas, principalmente na parte de geração solar distribuída, que vem apresentando crescimento contínuo na entrada de pedidos nos últimos meses", destaca a empresa, em mensagem aos acionistas. Vale lembrar que a Weg tem uma parceria com a construtora MRV para instalar miniusinas solares em condomínios residenciais.

No exterior, a companhia destaca o bom desempenho das áreas de GTD e equipamentos eletrônicos industriais, tanto em reais quanto em moedas locas. "Segmentos importantes da indústria como os setores de óleo e gás, mineração, papel e celulose e infraestrutura continuam mostrando boa demanda por novos produtos, tanto em projetos de expansão de capacidade ou novos investimentos".

Otimismo

Uma vez conhecidos os resultados da Weg segundo trimestre, duas casas de análise mostraram-se satisfeitas com os números. O BTG Pactual afirmou que os dados ficaram em linha com o esperado, mas destacou que o mix de produtos e o bom desempenho das atividades internacionais foram pontos positivos do balanço.

Como resultado, o BTG fixou em R$ 25,00 o preço-alvo para as ações da empresa ao final de 2020 — a meta anterior era de R$ 21 ao fim deste ano —, com recomendação 'neutra'.

Já o Itaú BBA afirmou que os números da Weg foram surpreendentes, uma vez que as estimativas do banco eram "conservadoras". A instituição possui recomendação 'market perform' (em linha com a média do mercado) para os ativos da empresa e preço-alvo de R$ 19 ao fim deste ano — o Itaú BBA, contudo, afirma que há espaço para uma revisão para cima dessa meta.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

PORTFÓLIO DE BILHÕES

Aposta contra a Apple (AAPL34)? Veja as mudanças que Warren Buffett, Michael Burry e investidores de elite fizeram nas carteiras

Esses pesos-pesados do mercado financeiros tomaram decisões surpreendentes no primeiro trimestre; confira as mudanças mais significativas que eles fizeram no período

DO BRASIL PRO MUNDO

Guedes tem encontro com Escobari, da General Atlantic, e vai a jantar do BTG; confira a agenda do ministro em Davos

O banqueiro André Esteves, que em abril voltou ao comando do conselho do BTG Pactual, está participando do evento na Suíça

UMA TECH ATRAENTE

É hora da Locaweb? Saiba por que o Deutsche Bank vê ponto de entrada para as ações LWSA3

Banco alemão atualizou a recomendação para a empresa de neutra para compra e vê potencial de valorização de mais de 50% para os papéis

O QUE VEM POR AÍ

Ata do Fed e IPCA-15: confira a agenda de indicadores da semana aqui e lá fora

Nos Estados Unidos, a segunda prévia do PIB no primeiro trimestre também é destaque; na Europa, o PIB da Alemanha é o principal dado

CAMINHO DO MEIO

Menor rejeição e apoio interno no MDB dão vantagem a Simone Tebet; veja os rumos da senadora da terceira via

Maior desafio, segundo marqueteiros, é torná-la popular: 46% do eleitorado desconhece Simone Tebet, segundo pesquisas recentes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies