Menu
2019-06-06T18:44:37-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Otimismo cauteloso

O banco digital da Via Varejo foi bem recebido pelo mercado. Mas as dúvidas ainda são grandes

A Via Varejo, dona das Casas Bahia, entrou no mundo dos bancos digitais com o lançamento do banQi. A iniciativa agradou o mercado, mas (a falta de) detalhes limita o otimismo

6 de junho de 2019
15:49 - atualizado às 18:44
Fachada da loja Casas Bahia, rede pertencente à Via Varejo
Casas Bahia é uma das redes de lojas operadas pela Via Varejo - Imagem: Shutterstock

A quinta-feira (6) começou relativamente tranquila para os mercados brasileiros, mas uma ação específica do Ibovespa abriu o pregão com a corda toda: Via Varejo ON (VVAR3). Os papéis dispararam mais de 8% nos primeiros minutos da sessão, batendo a cotação de R$ 5,03 na máxima.

Esse comportamento tem relação direta com um anúncio feito ontem pela dona das Casas Bahia e do Ponto Frio: o lançamento do banQi, um banco digital voltado às classes C, D e E. Mas essa iniciativa, embora considerada positiva, ainda possui diversos pontos de incerteza — e, nesse cenário, o mercado preferiu ir com menos sede ao pote.

As ações ON da companhia fecharam em alta de 6,45%, a R$ 4,95, e ainda lideraram a ponta positiva do Ibovespa no pregão de hoje. mas estão distantes da faixa de R$ 5,00. Mas o desempenho de hoje serviu apenas para apagar as perdas das últimas duas sessões.

Os R$ 4,95 do encerramento desta quinta-feira ainda ficaram abaixo da cotação do início da semana — na segunda-feira (3), os papéis da empresa valiam R$ 4,96. Em termos intradiários, os ativos da dona das Casas Bahia chegaram a bater os R$ 5,22 na terça-feira (4).

Nos últimos dias, as ações da Via Varejo têm sido fortemente influenciadas pelas perspectivas de conclusão da venda da fatia detida pelo Grupo Pão de Açúcar (GPA) na companhia — e a ansiedade do mercado quanto ao fechamento de uma operação, após anos sem avanço nesse front, é grande.

Sem que o noticiário corporativo mostre maiores novidades em relação à venda da Via Varejo, as ações da empresa sofreram com uma onda de correção na terça e quarta-feira (5). Hoje, contudo, os papéis conseguiram respirar, com o mercado analisando os potenciais benefícios que o banQi poderá trazer à companhia.

Mas a quantidade de informações disponíveis para análise a respeito da nova empreitada ainda é baixa — e isso impôs um teto para os ganhos das ações — no caso, o patamar dos R$ 5,00: os papéis da Via Varejo não conseguem fechar um pregão acima deste nível desde 20 de fevereiro.

Comportamento das ações ON da Via Varejo (VVAR3) entre 3 e 6 de junho
Comportamento das ações ON da Via Varejo (VVAR3) entre 3 e 6 de junho. No pós-mercado desta quinta-feira, os papéis cederam a R$ 4,94 (Fonte: B3) - Imagem: B3

Dúvidas

Um dos fatores que limitou a animação dos agentes financeiros foi a relativa demora da Via Varejo para entrar no mundo dos serviços financeiros e plataformas de pagamento. Afinal, suas principais concorrentes já haviam lançado iniciativas semelhantes no passado.

A B2W, por exemplo, possui a Ame Digital, enquanto o Mercado Livre trabalha com o sistema Mercado Pago desde 2004. Assim, apesar de bem-vindo, o banQi chegou com certo atraso — e essa percepção deu um gosto agridoce à novidade.

É claro que a iniciativa da Via Varejo tem seus trunfos. O fato de o banco digital ser voltado à fata da população com menor acesso aos serviços financeiros tradicionais pode ser um filão interessante e inexplorado — e a alta capilaridade das Casas Bahia tende a ajudar a empresa a ter sucesso nesse mundo.

Em relatório, os analistas Luiz Guanais e Gabriel Savi, do BTG Pactual, destacam que a ampla base de clientes da Via Varejo pode dar uma vantagem competitiva ao banQi e impulsionar suas atividades nesta fase inicial.

Mas, por outro lado, eles ressaltam que o novo banco digital ainda está em seu estágio inicial, e a visibilidade restrita em relação à monetização de seus serviços implica em "baixo potencial de valorização [das ações] no curto prazo". Para os analistas do BTG, o noticiário referente ao processo de venda da Via Varejo deve ser o principal fator de influência para os papéis.

O Itaú BBA assume posição semelhante. Para a equipe liderada pelo analista Thiago Macruz, o foco do mercado irá permanecer na busca de um comprador para a fatia detida pelo Grupo Pão de Açúcar (GPA) na Via Varejo — o banQi, apesar de interessante, tende a ser visto no momento como uma fonte extra de resultado.

"Acreditamos que, tendo em vista os desafios operacionais recentes enfrentados pela Via Varejo, o mercado provavelmente irá esperar por evidências empíricas do sucesso do banQi antes de atribuir qualquer valor a essa oportunidade", diz o Itaú BBA, também em relatório.

Com o desempenho desta quinta-feira, as ações da Via Varejo acumulam ganhos de mais de 5% na semana — desde o início do ano, os papéis têm alta de mais de 12%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

China

Investindo na China: conheça os riscos e oportunidades

Sendo um titã no mercado mundial há décadas, a China promete continuar crescendo consistentemente nos próximos anos. Vale a pena investir ou é arriscado? Esse é o tema do vídeo de hoje de Matheus Spiess, analista da Empiricus

MERCADOS HOJE

De olho no Copom e na Eletrobras, Ibovespa abre o dia em queda; dólar sobe

Na sessão passada, o otimismo com a perspectiva de mais vacinas disponíveis e a aceleração do calendário de vacinação levaram o Ibovespa a fechar em alta

Em clima de disputa

Dez empresas brigam por usinas da EDP Brasil

Segundo analistas, faz sentido a EDP Brasil vender suas hidrelétricas, uma vez que sua prioridade no País será a geração distribuída e a transmissão de energia

O melhor do seu dinheiro

Freud, Itaú e o ETF dos millennials, o que esperar da Super Quarta, o preço da passagem espacial e outros destaques

Freud dedicou parte de seus estudos a tentar desvendar a tal “alma feminina”. Até que um dia jogou a toalha e reconheceu estar longe de responder o que, afinal, querem as mulheres. Se o pai da psicanálise vivesse hoje, imagino que o objeto de curiosidade talvez fosse outro: os chamados millennials. A expressão surgiu para […]

O tempo fechou

Crise hídrica piora clima da votação sobre privatização da Eletrobras

Na semana passada, líderes do Senado aumentaram a reação à MP e ameaçaram derrubar a proposta, pedindo até que o texto não fosse pautado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies