🔴 +30 RECOMENDAÇÕES DE ONDE INVESTIR EM MARÇO – ACESSE GRATUITAMENTE

Cotações por TradingView
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Ações

Credit Suisse e XP reiteram compra para ações da Vale

Decisão de eliminar barragens como a de Brumadinho é avaliada como passo importante para reduzir preocupações com possíveis eventos parecidos no futuro

Eduardo Campos
Eduardo Campos
30 de janeiro de 2019
10:32 - atualizado às 14:16
Navio da Vale
Imagem: Agência Vale

O presidente da Vale, Fabio Schvartsman, anunciou, ontem, um plano de segurança em resposta ao rompimento da barragem de Brumadinho, em Minas Gerais. A avaliação imediata do mercado foi positiva, apesar das incertezas que ainda cercam a tragédia que já figura entre as maiores do mundo em função do elevado número de vítimas.

Em relatório, os especialistas da XP e do Credit Suisse têm avaliação semelhante sobre o plano, considerando que a empresa busca eliminar o risco de futuros eventos parecidos aos de Brumadinho e Mariana.

Segundo a XP, a queda de aproximadamente 24% ao longo dos últimos dois dias nos papéis da mineradora, com perda de quase R$ 70 bilhões em valor de mercado, “parece já refletir parte relevante dos riscos”.

Portanto, a XP mantém sua recomendação inalterada em "compra", com preço alvo de R$ 66 por ação. Mas como uma série de incertezas ainda permanecem, a corretora sugere cautela. Ontem, o papel da Vale fechou a R$ 42,74, na B3.

Já o Credit Suisse mantém a classificação “outperform” para a ADR da companhia, negociada no mercado internacional, com preço alvo de US$ 18,50. No dia 29, o papel estava a US$ 11,48.

Na avaliação dos especialistas do Credit Suisse, a possibilidade de mais notícias negativas envolvendo a companhia pode reduzir o apetite do investidor em ir às compras. Mas a recente movimentação no preço dos ativos “já foi bastante dura”, refletindo um cenário muito mais negativo do que aquele sugerido pelo “cenário base” de hoje.

O plano de segurança terá investimento de R$ 5 bilhões e levará a redução na produção anual da Vale de minério de ferro em 40 milhões de toneladas (mt) e de pelotas em 11 milhões de toneladas durante o período de descomissionamento (10% da produção de minério). O processo de desativação das barragens levará entre um e 3 anos.

O que estaria no preço?

Os analistas do Credit realizam um teste de sensibilidade usando como variáveis desembolsos e investimentos relativos ao plano de segurança. Assumindo os R$ 5 bilhões previstos pela companhia e os atuais R$ 12,5 bilhões em multas e valores já bloqueados para pagamento de indenizações, o preço alvo da ADR seria de US$ 16,4, representando um potencial de alta de 43% sobre os preços atuais (dia 29).

Fazendo um exercício no qual o valor de multas e indenizações é dobrado, para cerca de R$ 25 bilhões (US$ 6,48 bilhões), o preço alvo cairia a US$ 14,3, ainda assim oferecendo um potencial de alta de 25%. Nas contas do Credit, com ADR a US$ 11,48 o mercado coloca no preço um desembolso de US$ 11,3 bilhões em multas e indenizações.

Em seu relatório, a XP reafirma que as duas principais incertezas no campo do impacto financeiro estavam no impacto na produção de curto e médio prazo e potenciais processos judiciais decorrentes do evento. O anúncio do plano de segurança, segundo a corretora, ajuda a mitigar a preocupação em relação à produção.

A XP diz que revisou o seu modelo para incorporar as medidas anunciadas, conservadoramente assumindo queda de 40mt/ano no período de 2019-22 (assim como 11mt/ano a menos de pelota), e o investimento de R$ 5 bilhões.

De forma conservadora, foi mantida a previsão para o preço de minério de ferro estável em US$ 65 por tonelada para os anos em referência. Entretanto, a XP acredita que a redução de 40mt/ano na oferta global de minério pode sustentar os preços em níveis superiores a este. Como referência, o preço se encontra atualmente em US$ 79/t.

A XP ressalta que ainda permanece a incerteza em relação aos potenciais processos judiciais. Por ora, R$ 400 milhões em multas foram confirmados (já incorporados no modelo), enquanto que a justiça solicitou o bloqueio de R$ 12 bilhões em bens da Vale (R$ 6,8 bilhões já foram confirmados pela justiça). Como referência, a corretora explica que R$ 5 bilhões em multas equivaleriam a uma queda do preço alvo em R$ 1,1 por ação.

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies