Menu
2019-01-27T12:04:53-02:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
HISTÓRICO

Ações da Vale subiram 257% desde rompimento de barragem da Samarco em Mariana

Ontem a Vale, que tem 50% de participação na Samarco, teve seu nome envolvido novamente em outro rompimento de barragem

26 de janeiro de 2019
16:03 - atualizado às 12:04

Os papéis da Vale na Bolsa brasileira avançaram mais de 257% desde o rompimento da barragem da Samarco em Mariana, Minas Gerais.

Em 5 de novembro de 2015, dia do rompimento, os papéis da empresa fecharam em R$ 15,71. No último fechamento, na quinta-feira, 24, as cotações atingiram R$ 56,15.

Ontem a Vale, que tem 50% de participação na Samarco, teve seu nome envolvido novamente em outro rompimento de barragem, desta vez uma própria, em Brumadinho, também em Minas Gerais.

Na época do desastre de Mariana, o noticiário envolvendo os impactos da tragédia fez os papéis da Vale recuar por diversos pregões seguidos.

O menor nível foi no início de fevereiro, quando fechou abaixo de R$ 8, queda de mais de 51% na comparação com os R$ 16,45 do dia anterior ao rompimento.

O rompimento da barragem da Samarco em Mariana (MG) completou três anos em 5 de novembro do ano passado. Com a tragédia, cerca de 39 milhões de metros cúbicos de rejeitos foram liberados.

No total, 19 pessoas morreram, comunidades foram destruídas e os dejetos atingiram a bacia do Rio Doce, que deságua no Espírito Santo. Até hoje, somente no Espírito Santo, 1,8 mil pescadores estavam sem auxílio da Fundação Renova, criada para executar a reparação dos danos.

A Renova, recentemente, disse que os processos são analisados e os pescadores são “convocadas para atendimento, na medida em que as políticas de indenização para cada grupo de atingidos forem sendo definidas".

Leia também

Novos quedas

O mercado deve reagir de forma bastante negativa na abertura do pregão de segunda-feira. A sinalização baixista já foi vista nas negociações das American Depositary Receipt (ADR) da mineradora ontem, que desvalorizaram 8,08% na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE, na sigla em inglês), para US$ 13,66.

Ao longo do dia, conforme o desastre ganhava proporção, o papel chegou a marcar queda de 11%. Com 157 milhões de negócios, a Vale foi a empresa mais negociada na sexta-feira em Nova York, enquanto, no mercado doméstico, a B3 ficou fechada devido ao feriado do aniversário da cidade de São Paulo.

O rompimento da barragem da Vale em Brumadinho deixou, até agora, nove mortos, além de cerca de 300 pessoas desaparecidas. A empresa diz que ainda investiga as causas do rompimento.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

tarifas e justiça

Trump ameaça retaliar Brasil por causa do etanol

Atualmente, há isenção para importação de até 750 milhões de litros de etanol dos EUA por ano, mas a partir daí a tarifa é de 20%

em reunião do corte

Em ata, Copom indica cautela na análise de novos cortes de juros

Documento mostra que o BC monitora risco da elevada ociosidade da economia produzir inflação abaixo da esperada, ao mesmo tempo que se preocupa com trajetória fiscal

investimento

Bradesco cria ‘ranking ambiental’ de empresas

Ao longo deste semestre, a gestora está se estruturando para fazer a classificação das empresas, que receberão notas de zero a 100

revisão

Pandemia derruba ‘preços’ de aeroportos

Com a revisão dos estudos da próxima rodada de concessão de aeroportos em razão da pandemia, o valor mínimo que o governo vai arrecadar à vista com a transferência dos terminais à iniciativa privada caiu 60%

novo serviço

Uber lança assinatura por R$ 25 ao mês

Novidade é um pacote de serviços que inclui descontos em viagens no app de transporte e na entrega de comida, pelo Uber Eats e pelo Cornershop

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements