🔴 AGORA O SEU DINHEIRO ESTÁ NO WHATSAPP! CLIQUE AQUI E RECEBA CONTEÚDOS DIRETO POR LÁ. 

Cotações por TradingView
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
IPO na Nasdaq

Lyft, rival da Uber nos EUA, quer captar até US$ 2,4 bilhões em oferta de ações

A empresa de transporte por aplicativos pode ser avaliada por mais de US$ 20 bilhões (R$ 76 bilhões) e vai testar apetite dos investidores por ações por negócios baseados em aplicativos para celular

Lyft veículo autônomo
Veículo autônomo da Lyft em Las Vegas - Imagem: Divulgação

A Lyft, rival da Uber que opera nos Estados Unidos e no Canadá, pretende captar até US$ 2,4 bilhões (R$ 9,1 bilhões, na cotação do dólar na manhã de hoje) em sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

A empresa de transporte por aplicativos deu início nesta semana às apresentações aos investidores (roadshow), última fase antes da listagem das ações na bolsa americana Nasdaq.

A Lyft pode ser avaliada por mais de US$ 20 bilhões (R$ 76 bilhões) em sua estreia no mercado caso o preço por ação saia no teto da faixa indicativa, que varia de US$ 62 a US$ 68. Na última rodada privada de investimentos, a empresa teve uma avaliação da ordem de US$ 15 bilhões.

A empresa conta com uma base de 18,6 milhões de usuários ativos e mais de 1,1 milhão de motoristas.  Em 2018, registrou um prejuízo de US$ 911 milhões, acima do resultado negativo de US$ 688,3 milhões em 2017.

A boa notícia é que as receitas da companhia crescem mais que o prejuízo. No ano passado, o faturamento dobrou para US$ 2,2 bilhões (R$ 8,45 bilhões).

A oferta da Lyft é considerada emblemática porque será um teste da demanda pelos investidores pelas ações das empresas que nasceram na era do smartphone. Será também um aperitivo para a abertura de capital da própria Uber, que pode chegar à bolsa americana valendo US$ 120 bilhões (R$ 457 bilhões).

O apetite dos investidores pode estimular empresas brasileiras cujo modelo de negócio é baseado em aplicativos a abrir o capital lá fora. A oferta mais esperada é a da empresa de cartões e banco digital Nubank.

A Lyft foi criada em 2012 por Logan Green e John Zimmer. Os fundadores manterão o controle da companhia após o IPO graças a uma estrutura diferenciada de ações. Enquanto os acionistas da na bolsa terão papéis que dão direito a um voto cada, os dois contam com ações que dão direito a 20 votos. Com isso, terão em conjunto quase 49% do poder de voto na empresa.

Compartilhe

ARRUMANDO A CASA

Endividada, Kalunga adia expansão de lojas e retoma planos para IPO bilionário no próximo ano

11 de setembro de 2022 - 11:03

A empresa chegou a fazer os trâmites regulatórios para abrir o capital em 2020, mas a volatilidade do mercado atrapalhou o caminho até a B3

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

EM BUSCA DAS BOAS OPORTUNIDADES

Existe vida após o massacre dos IPOs na bolsa? Confira as ações das novatas da B3 que podem ressurgir das cinzas

10 de agosto de 2022 - 6:00

Enquanto boa parte das ações das novatas amarga perdas pesadas, gestores e analistas avaliam que é possível separar o joio do trigo e encontrar ativos de qualidade por um preço baixo; confira as principais apostas

TURBO FAST FASHION

Shein planeja IPO nos Estados Unidos até 2024, mas queridinha dos influencers brasileiros ainda precisa solucionar riscos ESG — veja quais

17 de julho de 2022 - 10:34

Avaliada em US$ 100 bilhões, a companhia chinesa tem fabricantes acusados de submeterem funcionários a condições insalubres e jornadas de 75 horas

Ressaca

Na festa dos IPOs entre 2020 e 2021, só 16% das empresas acumulam alta na bolsa

23 de junho de 2022 - 13:26

Dentre as piores performances em relação ao Ibovespa desde o IPO, destacam-se Enjoei (ENJU3), EspaçoLaser (ESPA3) e Mobly (MBLY3)

VEM ABERTURA DE CAPITAL POR AÍ?

MRV (MRVE3) admite chances de IPO para subsidiária norte-americana que levantou lucro da construtora no quarto trimestre

21 de março de 2022 - 20:12

A AHS, que foi responsável por mais da metade do lucro líquido da MRV entre outubro e dezembro do ano passado, pode ganhar novos sócios em breve

PÍLULAS DE MERCADO

Empresas estão fugindo de entrar na bolsa: sem IPOs até agora, o ano pode ser grande fiasco para os mercados — e guerra na Ucrânia está na lista de culpados por isso

20 de março de 2022 - 9:19

Tensões no leste europeu elevam projeções de inflação e juros, tornando o ambiente impróprio para aberturas de capital na bolsa (IPOs).

Mais uma desistência

CSN desiste de IPO de CSN Cimentos e engorda lista de empresas que abriram mão de ofertar ações neste ano

16 de fevereiro de 2022 - 11:39

Subsidiária da siderúrgica é a 14ª empresa a desistir de IPO na B3 em 2022

MELHOR, MAS AINDA LONGE DO IDEAL

Depois de IPO frustrado, Madero apresenta melhorias no balanço, mas dívida bruta de mais de R$ 1 bilhão ainda preocupa

7 de fevereiro de 2022 - 19:51

Empresa conseguiu recompor parte de suas margens operacionais e reduzir sua alavancagem, mas tamanho e prazo da dívida ainda deixam a desejar

DEIXA PRA LÁ

Depois do Madero é a vez da Bluefit; entenda o que levou 13 empresas a desistirem de seus IPOs em janeiro

31 de janeiro de 2022 - 16:49

De acordo com especialistas, três grandes fatores explicam o fenômeno: a inflação em alta, o aperto na taxa básica de juros brasileira, e a proximidade das eleições

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies