Menu
2019-03-18T12:24:47-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
IPO na Nasdaq

Lyft, rival da Uber nos EUA, quer captar até US$ 2,4 bilhões em oferta de ações

A empresa de transporte por aplicativos pode ser avaliada por mais de US$ 20 bilhões (R$ 76 bilhões) e vai testar apetite dos investidores por ações por negócios baseados em aplicativos para celular

18 de março de 2019
12:24
Lyft veículo autônomo
Veículo autônomo da Lyft em Las Vegas - Imagem: Divulgação

A Lyft, rival da Uber que opera nos Estados Unidos e no Canadá, pretende captar até US$ 2,4 bilhões (R$ 9,1 bilhões, na cotação do dólar na manhã de hoje) em sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

A empresa de transporte por aplicativos deu início nesta semana às apresentações aos investidores (roadshow), última fase antes da listagem das ações na bolsa americana Nasdaq.

A Lyft pode ser avaliada por mais de US$ 20 bilhões (R$ 76 bilhões) em sua estreia no mercado caso o preço por ação saia no teto da faixa indicativa, que varia de US$ 62 a US$ 68. Na última rodada privada de investimentos, a empresa teve uma avaliação da ordem de US$ 15 bilhões.

A empresa conta com uma base de 18,6 milhões de usuários ativos e mais de 1,1 milhão de motoristas.  Em 2018, registrou um prejuízo de US$ 911 milhões, acima do resultado negativo de US$ 688,3 milhões em 2017.

A boa notícia é que as receitas da companhia crescem mais que o prejuízo. No ano passado, o faturamento dobrou para US$ 2,2 bilhões (R$ 8,45 bilhões).

A oferta da Lyft é considerada emblemática porque será um teste da demanda pelos investidores pelas ações das empresas que nasceram na era do smartphone. Será também um aperitivo para a abertura de capital da própria Uber, que pode chegar à bolsa americana valendo US$ 120 bilhões (R$ 457 bilhões).

O apetite dos investidores pode estimular empresas brasileiras cujo modelo de negócio é baseado em aplicativos a abrir o capital lá fora. A oferta mais esperada é a da empresa de cartões e banco digital Nubank.

A Lyft foi criada em 2012 por Logan Green e John Zimmer. Os fundadores manterão o controle da companhia após o IPO graças a uma estrutura diferenciada de ações. Enquanto os acionistas da na bolsa terão papéis que dão direito a um voto cada, os dois contam com ações que dão direito a 20 votos. Com isso, terão em conjunto quase 49% do poder de voto na empresa.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

setor em transformação

Dezembro vai ser bom para o varejo, mas 2021 é imprevisível, diz Luiza Trajano

Presidente do conselho do Magazine Luiza voltou a pregar união, falou de responsabilidade social do empresariado e pediu para que não se transforme a busca pela vacina em “jogo político”

O maior evento do ano

Reunião anual da Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, será novamente virtual em 2021

A Berkshire Hathaway afirmou que a reunião, que acontece em maio, será semelhante à reunião que ocorreu em 2020.

perspectivas para o setor

E-commerce não vai desacelerar porque ainda tem baixa penetração, diz CEO da Locaweb

Fernando Cirne lembrou que apenas 12% das transações do varejo no país são digitais; empresa abriu capital na bolsa em fevereiro e bombou com pandemia

Maior que a do Eike

CVM aplica R$ 926,1 mi em multa até setembro, 18% mais ante mesmo período de 2019

A cifra total até setembro foi impulsionada pelo resultado de um único processo.

Previdência lá fora

Itaú lança previdência com investimento 100% no exterior para todos os clientes

Nova modalidade da Carteira Itaú investe apenas em ativos fora do Brasil e é acessível a investidores de todos os portes como PGBL ou VGBL

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies