🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Guilherme Valle
MELHOR, MAS AINDA LONGE DO IDEAL

Depois de IPO frustrado, Madero apresenta melhorias no balanço, mas dívida bruta de mais de R$ 1 bilhão ainda preocupa

Empresa conseguiu recompor parte de suas margens operacionais e reduzir sua alavancagem, mas tamanho e prazo da dívida ainda deixam a desejar

Unidade da rede de restaurantes Madero
Unidade da rede de restaurantes Madero - Imagem: Divulgação

A rede de hamburguerias Madero terminou 2021 com uma dívida bruta de R$ 1 bilhão, mostram as demonstrações financeiras apresentadas pela empresa nesta segunda-feira (07).

Apesar da cifra preocupante, o balanço do quarto trimestre do ano passado traz também boas notícias. A empresa conseguiu, pelo menos parcialmente, recompor sua margem de lucro.

A margem Ebitda, métrica utilizada como proxy para geração de caixa operacional, fechou o ano em 11,9%, melhora expressiva quando comparamos ao número de 2020, 3,9%

Se olharmos exclusivamente para o quarto trimestre, a esperança de que os velhos tempos não tenham ficado para trás cresce ainda mais: no período, o Madero foi capaz de entregar uma margem de 21,2%, já bem mais próxima dos 25% observados antes da pandemia.

Outra coisa que tem voltado a se comportar de maneira mais parecida com o que acontecia antes do surto é a participação do delivery nas receitas da companhia. No auge da pandemia, a modalidade chegou a representar 55% da receita do grupo; agora volta ao patamar dos 17%. A empresa espera que essa participação se estabilize neste nível.

Perfil da dívida deixa a desejar

Apesar das melhorias apresentadas no balanço, o endividamento da empresa continua chamando a atenção, principalmente se tivermos em mente que a companhia planeja realizar uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

No balanço publicado hoje pudemos enxergar mais claramente como a companhia tem lidado com os recursos que capta.

O aumento de capital da ordem de R$ 300 milhões contribuiu para que a empresa gerasse, no ano, R$ 200 milhões em caixa, o que causou algum alívio e abriu espaço para que se mantivesse o nível de investimento realizado em 2020. Em ambos os anos a rubrica girou em torno dos R$ 333 milhões em desembolsos.

A empresa ainda foi ao mercado e captou R$ 436,3 milhões via dívida, frente R$ 444 milhões em 2020. O pagamento de empréstimos diminuiu de ritmo, ficando em R$ 113,32 milhões em 2021, frente a R$ 241,795 milhões em 2020.

Tudo isso fez com que a empresa ganhasse algum fôlego, como é possível observar ao analisarmos a alavancagem, medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda. O indicador, que tinha terminado 2020 acima de 20x, conseguiu fechar 2021 entre 5x e 6x.

Essa redução indica que a empresa tem sido capaz de gerar mais receita e margens melhores, o que faz com que suas obrigações financeiras possam ser cumpridas com menos dificuldades.

Mas nem tudo são flores. A dívida da empresa está muito mais concentrada no curto prazo do que nos períodos anteriores. Para que se tenha uma ideia, cada R$ 1 que poderia ser exigido da empresa pelos seus credores nos próximos 12 meses se transformou em R$ 2,86. Isso em um intervalo de um ano.

A dívida de longo prazo até diminuiu, mas não na mesma proporção. Ou seja, temos uma dívida de curto prazo mais elevada, com as obrigações de longo prazo praticamente inalteradas. Veja como evoluiu o prazo da dívida no período:

O Madero continua a assistir ao crescimento das suas obrigações de curto prazo. Desde 2019, o índice de liquidez corrente, calculado a partir da relação entre ativo e passivo circulantes, vem se deteriorando, como pode ser observado na tabela abaixo:

Ano/Conta202120202019
Passivo Circulante 1.018.968683.916360.929
Ativo Circulante 451.238191.022210.163
Liquidez Corrente2,263,581,72

IPO frustrado

O Madero tentou aliviar o peso do seu endividamento através de uma oferta pública de ações. Cogitou-se até que a rede de hamburguerias optaria por negociar seus papéis nos EUA, já que empresas do mesmo segmento estariam se saindo melhor por lá.

A rede Madero esperava vender uma participação minoritária por um múltiplo de 17 a 19 vezes o Ebitda, mas as características do IPO proposto acabaram atrapalhando.

Metade dos recursos da oferta primária de ações - quando novas ações são emitidas, e o dinheiro captado entra no caixa da empresa - seria destinada ao pagamento de dívidas.

Além disso, haveria ainda uma oferta secundária, quando os próprios acionistas vendem suas participações, e os recursos obtidos vão para o bolso deles.

E um dos acionistas interessados em se desfazer de uma parte do grupo era, justamente, seu fundador, Junior Durski, detentor de 64,8% dos papéis do Madero. 

A combinação de emissão de ações para quitar dívidas com acionista controlador reduzindo sua participação no negócio não costuma ser muito bem recebida pelos investidores, principalmente em momentos adversos de mercado. Assim, ainda no ano passado, a abertura de capital foi adiada. 

A rede de restaurantes justificou, na época, esperar por uma melhoria nas condições de mercado, o que se tornou possível após receber um aporte (anteriormente citado nesta matéria) de R$ 300 milhões do fundo americano Carlyle — que detém 27,6% das ações do grupo, em novembro. Mesmo assim, o Madero optou por cancelar os planos de IPO neste início de ano.

Compartilhe

A JÚNIOR DA VEZ

Prio (PRIO3) fará aumento de capital de R$ 2 bilhões; saiba para onde irão os recursos e o que muda para o acionista

28 de fevereiro de 2024 - 19:44

Na esteira da proposta de fusão de 3R e PetroRecôncavo, o conselho de administração da Prio autorizou a operação de olho na movimentação de pares do setor

ATENÇÃO, ACIONISTAS

Ultrapar (UGPA3) vai pagar mais de R$ 439 milhões em dividendos; veja quem terá direito ao provento

28 de fevereiro de 2024 - 19:21

A empresa vai depositar a soma, que equivale a R$ 0,40 por ação ordinária, no próximo mês, em 15 de março

SOB NOVA DIREÇÃO

Dança das cadeiras entre Suzano (SUZB3) e Rumo (RAIL3) dá novo CEO à gigante do papel e celulose

28 de fevereiro de 2024 - 19:07

Walter Schalka, atual presidente da Suzano, vai deixar o cargo e ser substituído pelo executivo que lidera a empresa de ferrovias e logística

MANDA E DESMANDA

A Vale (VALE3) é a dona do Brasil? Se depender de Lula, não. Declaração do petista esquenta o processo de sucessão da mineradora

28 de fevereiro de 2024 - 15:00

As ações da companhia operam com mais de 1% de queda na B3; saiba o que mais mexe com os papéis além da fala do presidente brasileiro

FIM DA LINHA

Apple cancela projeto de 10 anos de carro elétrico; agora fabricante do iPhone quer investir em IA

28 de fevereiro de 2024 - 14:02

Após dez anos investindo em iniciativa para produção de carros elétricos, a Apple apagou as luzes e desligou as máquinas. A fabricante do iPhone encerrou o projeto, que era visto como inovador no setor automotivo. Apesar de a companhia nunca ter confirmado publicamente sobre os esforços na produção de veículos elétricos, em abril de 2017 […]

DESTAQUES DA BOLSA

IRB Re de castigo: por que as ações IRBR3 estão sendo punidas após a reversão do prejuízo em lucro em 2023?

28 de fevereiro de 2024 - 12:36

Os papéis da resseguradora lideram as perdas do Ibovespa nesta quarta-feira (28) e já chegaram a entrar em leilão duas vezes

RISCO OU RECOMPENSA

Troca de comando na Vale: comprar ou vender a ação VALE3 em meio ao processo de sucessão? Esse banco responde pra você

27 de fevereiro de 2024 - 18:02

O mandato do atual presidente, Eduardo Bartolomeo, expira em 26 de maio e um impasse entre os sócios impede que seu sucessor seja escolhido

GAME OVER

Por que as big techs seguem demitindo apesar do boom da inteligência artificial; Sony corta 900 funcionários da PlayStation

27 de fevereiro de 2024 - 16:19

Após anunciar queda nas vendas, Sony vai demitir 8% do quadro de funcionários da divisão do PlayStation e var fechar estúdio em Londres

DESTAQUES DA BOLSA

Pão de Açúcar (PCAR3) dispara quase 10% na B3 após aprovação do plano de reestruturação do Casino pela Justiça francesa 

27 de fevereiro de 2024 - 14:50

A dona do GPA anunciou que o tribunal de comércio de Paris aprovou seu plano de recuperação, que inclui um aporte de capital de 1,2 bilhão de euros

Recuperação em curso

BRF (BRFS3) entrega resultados acima das estimativas e salta na B3; mas é hora de comprar a ação da dona de Sadia e Perdigão?

27 de fevereiro de 2024 - 14:07

Papéis do frigorífico sobem quase 10% nesta terça e figuram entre as maiores altas do Ibovespa; mas analistas ainda mantêm cautela

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies