Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-27T14:52:50-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
de olho no dólar

Rogério Xavier, da SPX, vê câmbio de equilíbrio a R$ 4,30

Gestor espera que 2020 seja um ano de vento contrário no cenário externo. Além da eleição nos Estados Unidos, Xavier afirmou que a guerra comercial com a China vai além da questão de tarifas e tem mais relação com a hegemonia política

27 de novembro de 2019
12:11 - atualizado às 14:52
Rogério Xavier, sócio-fundador da SPX Capital
Rogério Xavier, sócio-fundador da SPX Capital - Imagem: Divulgação/Santander

Você deveria ter um terço das suas aplicações em moeda forte (vulgo dólar), um terço em bolsa (não necessariamente a brasileira), e um terço em renda fixa. A sugestão de alocação foi feita por Rogério Xavier, sócio-fundador da SPX Capital, ao participar na manhã de hoje de um evento promovido pelo Santander.

Responsável pela gestão de R$40 bilhões, Xavier afirmou que o histórico de juros altos do Brasil fez com que as pessoas se desacostumassem a ter alocação em moeda forte. "As declarações infelizes de Paulo Guedes mostram que o câmbio é uma alternativa", disse, em referência à afirmação do ministro da Economia de que é bom se acostumar com o dólar alto.

A SPX está comprada na moeda norte-americana e tem como cenário-base um câmbio de equilíbrio de R$ 4,30. "Continuo achando que o mundo é de dólar forte", disse o gestor, que vive em Londres e revelou ter 100% do próprio dinheiro dolarizado.

Xavier repetiu a visão que apresentou na semana passada em evento da XP Investimentos. Ele projeta um crescimento de 2% a 2,5% da economia brasileira no ano que vem, mas estimulado por fatores temporários, como a liberação de recursos do FGTS.

O sócio da SPX também não espera o avanço de novas medidas na área econômica no Congresso. "A reforma da Previdência foi a última que o governo Bolsonaro fez", afirmou.

Dentro da visão de que o dólar deve se manter valorizado, Xavier reiterou que não espera a entrada do capital estrangeiro para o chamado investimento em portfólio, como bolsa e renda fixa.

O gestor espera que 2020 seja um ano de vento contrário no cenário externo. Além da eleição nos Estados Unidos, Xavier afirmou que a guerra comercial com a China vai além da questão de tarifas e tem mais relação com a hegemonia política.

"Vender porquinho e grão para a China não quer dizer absolutamente nada nesse conflito", afirmou.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

De volta ao jogo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 6,25%

Renda fixa “voltou ao jogo”, mas ainda não dá para ficar rico. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

entrevista

BC briga para recuperar a credibilidade e poderia ter acelerado alta da Selic, diz economista-chefe da gestora Garde

Para Daniel Weeks, BC passou mais tempo do que o necessário com a sinalização de que manteria taxa de juros muito baixas; ele avalia que aumento poderia ter sido de 1,25 ponto e que discussão sobre fim do ciclo de ajustes ainda não acabou

Seu Dinheiro na sua noite

Seguindo a rota planejada

Decisão da Selic pelo Copom, juros nos Estados Unidos, dólar em alta e muitas outras notícias que mexeram com o mercado hoje

Vai mudar

Ultrapar (UGPA3): Marcos Lutz, ex-presidente da Cosan, assumirá como CEO em janeiro de 2022

Lutz já era membro do conselho de administração da Ultrapar (UGPA3) e, após o período como CEO, deve virar presidente do colegiado

Bota para subir

Após nova alta da Selic, FMI apoia aperto monetário adotado pelo Banco Central para combater inflação

Os diretores do órgão também aprovam o compromisso do BC intervenções limitadas para conter condições desordenadas de mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies