Menu
2019-11-27T14:52:50-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
de olho no dólar

Rogério Xavier, da SPX, vê câmbio de equilíbrio a R$ 4,30

Gestor espera que 2020 seja um ano de vento contrário no cenário externo. Além da eleição nos Estados Unidos, Xavier afirmou que a guerra comercial com a China vai além da questão de tarifas e tem mais relação com a hegemonia política

27 de novembro de 2019
12:11 - atualizado às 14:52
Rogério Xavier, sócio-fundador da SPX Capital
Rogério Xavier, sócio-fundador da SPX Capital - Imagem: Divulgação/Santander

Você deveria ter um terço das suas aplicações em moeda forte (vulgo dólar), um terço em bolsa (não necessariamente a brasileira), e um terço em renda fixa. A sugestão de alocação foi feita por Rogério Xavier, sócio-fundador da SPX Capital, ao participar na manhã de hoje de um evento promovido pelo Santander.

Responsável pela gestão de R$40 bilhões, Xavier afirmou que o histórico de juros altos do Brasil fez com que as pessoas se desacostumassem a ter alocação em moeda forte. "As declarações infelizes de Paulo Guedes mostram que o câmbio é uma alternativa", disse, em referência à afirmação do ministro da Economia de que é bom se acostumar com o dólar alto.

A SPX está comprada na moeda norte-americana e tem como cenário-base um câmbio de equilíbrio de R$ 4,30. "Continuo achando que o mundo é de dólar forte", disse o gestor, que vive em Londres e revelou ter 100% do próprio dinheiro dolarizado.

Xavier repetiu a visão que apresentou na semana passada em evento da XP Investimentos. Ele projeta um crescimento de 2% a 2,5% da economia brasileira no ano que vem, mas estimulado por fatores temporários, como a liberação de recursos do FGTS.

O sócio da SPX também não espera o avanço de novas medidas na área econômica no Congresso. "A reforma da Previdência foi a última que o governo Bolsonaro fez", afirmou.

Dentro da visão de que o dólar deve se manter valorizado, Xavier reiterou que não espera a entrada do capital estrangeiro para o chamado investimento em portfólio, como bolsa e renda fixa.

O gestor espera que 2020 seja um ano de vento contrário no cenário externo. Além da eleição nos Estados Unidos, Xavier afirmou que a guerra comercial com a China vai além da questão de tarifas e tem mais relação com a hegemonia política.

"Vender porquinho e grão para a China não quer dizer absolutamente nada nesse conflito", afirmou.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

em Minas Gerais

Notre Dame Intermédica compra Grupo Serpram por R$ 170 milhões

Aquisição marca avanço da empresa em Minas Gerais; mais cedo, companhia anunciou compra de outra empresa, no Sul do País

forte expansão

Unidas reporta lucro líquido de R$ 124 milhões, alta de 44,4% e melhor da história

Empresa registrou uma forte retomada no segmento de Terceirização de Frotas, que apresentou recordes de contratação

desinvestimentos

Compass apresenta proposta para adquirir participação da Petrobras na Gaspetro

Empresa, que chegou a desistir de abrir capital, não revelou valor pela fatia; processo é mais um desinvestimento da Petrobras, que desembarca de vez da companhia

Dinheiro na conta

Santander pagará R$ 1 bilhão em juros sobre capital próprio

O valor líquido por ação será de R$ 0,10859906709 por ON, com retenção de IR na fonte.

PLANOS

Agora parte do BTG, Necton vai em busca de pequenos investidores

Corretora pretende lançar iniciativas e produtos para a base dos investidores, para quem tem entre R$ 10 mil e R$ 15 mil aportados no mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies