Menu
2019-04-30T09:36:00-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Mudanças

Você pode gastar mais milhas do Smiles para comprar passagens da Gol

Os novos valores ainda devem ser calculados e submetidos à aprovação do Comitê Independente e do Conselho de Administração da Smiles, e só assim informados ao mercado

29 de abril de 2019
9:25 - atualizado às 9:36
Avião da Gol pintado com o logo do Smiles
Avião da Gol pintado com o logo do Smiles - Imagem: Divulgação

Uma negociação entre Smiles e Gol vai influenciar a quantidade de milhas que você desembolsa para comprar uma passagem aérea da Gol. O conselho de administração da Gol deu o sinal verde para a empresa reajustar os preços que cobra do Smiles cada vez que um cliente troca suas milhas por passagens aéreas, segundo fato relevante divulgado pelo Smiles nesta segunda-feira (29).

Como o Smiles é uma empresa independente da Gol, a troca de pontos por passagem envolve uma operação comercial entre as empresas, regida em contrato firmado em 2012. Ou seja, o Smiles paga para a Gol cada vez que você troca seus pontos por passagem aérea. O que está em jogo é justamente esse montante. O preço ao consumidor da relação de troca de passagens aéreas por milhas hoje é definido pelo Smiles. Mas, geralmente, quando o preço de custo sobe, as empresas repassam a conta (total ou parte dela) no preço final.

Ainda é cedo para calcular quanto exatamente será o impacto no seu bolso. O tamanho do reajuste de preços ainda não foi divulgado e ele só passa a valer após a aprovação de um comitê independente do Smiles.

Gol não quer mais Smiles independente

O Smiles está em processo de incorporação pela Gol. A companhia caminha para deixar de ser uma empresa independente, com capital aberto e outros acionistas, para se tornar uma empresa fechada, 100% controlada pela Gol. O processo está em curso e depende de uma série de aprovações.

Essa decisão foi tomada também pela Latam em relação à Multiplus e mostra uma mudança de estratégia das empresas aéreas. Antes elas viam seus programas de fidelidade como uma "vaca leiteira" dentro de casa, capaz de gerar caixa e trazer lucros expressivos. Como empresas independentes, chegaram a valer mais que as próprias companhias aéreas controladoras.

De uns tempos para cá a visão é de que essa estrutura gera uma pressão de custo para a companhia aérea, que precisa comprar milhas para dar aos seus clientes quando eles voam e deixa de ter controle total do preço pago pelos clientes nas transações envolvendo pontos. Isso passou a ser encarado como uma desvantagem competitiva em relação a empresas aéreas que mantém seus programas de fidelidade dentro incorporados - caso da Azul, por exemplo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Boletim médico

Covid-19: Brasil tem 154 mil mortes e 5,27 milhões de casos acumulados

Atualmente há 397.524 pacientes em acompanhamento. De acordo com o Ministério da Saúde, 4.721.593 pessoas já se recuperaram da doença.

aperte o play

Netflix: 5 números que você precisa conhecer do resultado do terceiro trimestre

Spoiler: os investidores não gostaram do que viram… #SeuDinheiro

Mudanças no time

Weg anuncia renúncia de diretor de finanças e relações com investidores

A companhia divulga os seus resultados do terceiro trimestre na próxima quinta-feira (22)

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A bolsa voltou aos 100 mil pontos. Agora pra ficar?

A trilha sonora do mercado nesta terça-feira podia ser O Portão, o clássico de Roberto Carlos do refrão “Eu voltei, agora pra ficar. Porque aqui, aqui é o meu lugar…” O Ibovespa retomou o patamar dos 100 mil pontos depois de pouco mais de um mês. Difícil é dizer se a volta será definitiva. Em outubro, […]

Prévias operacionais

Cyrela tem crescimento de 46% em lançamentos e 58% em vendas no 3º trimestre

Segundo as prévias operacionais, construtora lançou R$ 2,589 bilhões e vendeu R$ 2,456 bilhões no período

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies