Menu
2019-06-10T10:56:10-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Política

Caso envolvendo Moro não afeta agenda econômica do governo, diz Arko Advice

Cristiano Noronha avalia que vazamento de conversas não atinge governo Bolsonaro diretamente e Câmara deve levar adiante votações da semana

10 de junho de 2019
10:56
Sergio Moro
Ministro Sergio Moro - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O vazamento de conversas entre o ministro da Justiça, Sérgio Moro, e procuradores da Operação Lava Jato não deve afetar de forma consistente a agenda econômica do governo. A avaliação é do cientista político e vice-presidente da Arko Advice, Cristiano Noronha.

Segundo Noronha, esse episódio não afeta o governo, pois é uma revelação que aconteceu no âmbito da Lava Jato, quando Moro era juiz do caso. Ainda assim, pondera Noronha, temos de aguardar para ver se surgem novas gravações e revelações. Assim, Moro deve ficar na defensiva, mas isso não deve resultar na demissão do ministro. “Isso cria ruído político, mas ainda está com impacto delimitado”, avalia.

Com relação à reforma da Previdência, Noronha aponta que as negociações estão em torno do parecer do relator, Samuel Moreira (PSDB-SP). A votação de seu parecer deve acontecer na última semana do mês, acredita Noronha, e o caso envolvendo Moro não teria impacto sobre isso.

O caso pode ter algum reflexo sobre as discussões envolvendo o projeto de lei de combate à corrupção encaminhado pelo próprio Moro. Para Noronha, o episódio pode resultar em novas tentativas de impor algum tipo de controle na atuação do Ministério Público.

O que ganha força, segundo Noronha, é a retórica da oposição e do PT, que devem fazer movimentos para convocar o ministro a dar explicações no Congresso. Também fica reforçada a retórica de que o ex-presidente Lula foi alvo de perseguição política.

Regra de Ouro

Uma das votações mais relevantes prevista para a semana envolve a chamada regra de ouro. O governo pede autorização para emitir até R$ 248 bilhões em dívida, caso contrário faltará dinheiro para pagamento de aposentadorias, Bolsa Família e Plano Safra.

Para Noronha, o episódio não impacta essa votação, pois o pedido de crédito é justamente para o pagamento de benefícios sociais e Plano Safra, que interessa à bancada ruralista.

Além disso, se o crédito não for concedido, a conta pode recair sobre o Congresso. Noronha lembra que o próprio Bolsonaro já foi às redes sociais para dizer que a atuação da oposição prejudica os mais pobres. “Acho que isso pode acabar se voltando contra o Congresso”, diz.

Opinião pública

Ainda de acordo com Noronha, para a opinião pública a revelação das conversas não parece clara em termos de que tipo de erro teria sido cometido ou não por Moro e pelos procuradores.

Segundo ele, diálogos fora de contexto ganham conotações distintas. Por isso mesmo, temos de aguardar para ver quais podem ser as eventuais consequências.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

O melhor do seu dinheiro

MAIS LIDAS: Cogna, o trade da moda, virou pó

Um trade da moda chamou a atenção recentemente: as opções de compra (call) de Cogna, a antiga Kroton. O papel atraiu diversas pessoas físicas e movimentou as discussões nas redes sociais. Para quem não está familiarizado com investimento em opções, basicamente a ideia neste caso era pagar um valor para ter o direito de compra […]

Popularidade em alta

Para 47%, Bolsonaro não tem nenhuma culpa por mortes relacionadas à Covid-19

Quase metade dos brasileiros, 47%, considera que o presidente Jair Bolsonaro não tem culpa pelos óbitos relacionados à Covid-19 no Brasil, segundo pesquisa Datafolha divulgada neste sábado, 15, pelo jornal Folha de S. Paulo. Os que acham que Bolsonaro tem responsabilidade somam 52%. A pesquisa foi feita por telefone com 2.065 brasileiros adultos que têm […]

Popularidade recorde

Eurasia aponta que chances de impeachment de Bolsonaro caem para 10%

Melhora na popularidade do presidente Jair Bolsonaro reduz as chances, que já eram remotas, de um impeachment, segundo avaliação da consultoria de risco político.

Contaminação

Setor vê jogada comercial da China em notícia sobre frango com Covid-19

Embora a China não deva anunciar embargo à carne do Brasil, a divulgação já prejudicou o produto nacional. Segundo fontes, podem haver motivos políticos e comerciais envolvidos.

MEDO DE PERDER DINHEIRO FAZ BEM

As vantagens de ser um investidor covarde

Você tem que ter medo. O excesso de confiança é muito perigoso. O Bobby Axelrod fala isso em um episódio do Billions: ‘eu sinto o gosto do medo na garganta, eu não quero ficar pobre

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements