Menu
2019-07-31T18:34:44-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Não era como ele esperava

Trump não poupa FED mesmo com corte de juros e diz que “como de costume, Powell nos decepcionou”

A frustração do presidente norte-americano ocorre porque Powell deixou claro que o ciclo de cortes não será longo, pois não enxerga risco de recessão ou severa crise econômica

31 de julho de 2019
18:20 - atualizado às 18:34
Donald Trump, presidente americano
Donald Trump - Imagem: shutterstock

Depois que o Federal Reserve (FED), o banco central americano, optou por cortar hoje (31) a taxa de juros em 0,25 ponto percentual para o intervalo entre 2% e 2,25% ao ano, ante o range anteriro de 2,25% e 2,5%, a notícia não foi recebida pelo presidente americano Donald Trump.

Mesmo com a redução estando dentro do que o mercado esperava, Trump fez duras críticas à postura de Powell e do banco como um todo.

"O que o mercado queria ouvir de Jay Powell e do FED é que esse seria o início de um longo e agressivo ciclo de corte de juros para acompanhar o ritmo de China, União Europeia e outros países ao redor do mundo", disse Trump.

E ainda finalizou dizendo que "assim como de costume, Powell nos decepcionou, mas pelo menos ele está terminando o aperto monetário, - que por sinal não deveria nem ter começado -  sem inflação [sic]. Nós somos vencedores, de qualquer forma, mas certamente não estamos recebendo muita ajuda do Federal Reserve".

A decisão

As críticas de Trump ocorrem porque, no comunicado, o colegiado presidido por Jerome Powell fala que decidiu cortar os juros em função das implicações do cenário global sobre a economia americana em um ambiente sem pressões inflacionárias.

A redução é a primeira desde a grande crise financeira de 2007/2008. Mas a frustração do presidente norte-americano ocorre porque Powell deixou claro que o ciclo de cortes não será longo, pois não enxerga risco de recessão ou severa crise econômica.

Ao ser questionado por jornalistas, Powell disse que “não é o começo de uma longa série de cortes. Também não disse que é apenas um corte ou qualquer coisa assim. Eu disse que quando pensamos em ciclos de corte, eles duram muito tempo. O comitê não está vendo isso. Você faria isso se visse uma fraqueza econômica real e pensasse que o juro teria de ser cortado muito. Não é isso que estamos vendo. O que estamos vendo é que é apropriado ajustar a política para uma postura mais acomodativa ao longo do tempo. E é assim que estamos olhando para a questão. O que eu disse foi que não é um longo ciclo de corte, referindo-se ao que fazemos quando há uma recessão ou uma crise muito severa. E isso é o que realmente estou descartando”.

Mas não foi só Trump que reagiu mal. A primeira reação nas bolsas foi negativa. Antes da decisão, os índices operavam próximos da estabilidade, caíram um pouco após a divulgação e aprofundaram queda depois que Powell deixou claro que não se trata de um longo ciclo de cortes de juros.

No fim do pregão, o Dow Jones caiu 1,23%, enquanto o Nasdaq  recuou 1,19% e o S&P 500 perdeu 1,09%.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Viagem bilionária

Bilhete dourado: comprador misterioso gasta R$ 1,4 bilhão para ir ao espaço com Jeff Bezos

O turista espacial superou cerca de sete mil ofertas em um leilão beneficente realizado para definir o tripulante da espaçonave New Shepard

Fechamento dos mercados

Vacinação no Brasil volta a fazer preço, e Ibovespa sobe 0,59%, deixando para trás cautela com ‘Super Quarta’; dólar recua mais de 1%

Mercado deve operar em compasso de espera até a próxima quarta-feira, quando os BCs do Brasil e dos Estados Unidos divulgarão as suas decisões de política monetária

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies