Menu
2019-07-31T18:34:44-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Não era como ele esperava

Trump não poupa FED mesmo com corte de juros e diz que “como de costume, Powell nos decepcionou”

A frustração do presidente norte-americano ocorre porque Powell deixou claro que o ciclo de cortes não será longo, pois não enxerga risco de recessão ou severa crise econômica

31 de julho de 2019
18:20 - atualizado às 18:34
Donald Trump, presidente americano
Donald Trump - Imagem: shutterstock

Depois que o Federal Reserve (FED), o banco central americano, optou por cortar hoje (31) a taxa de juros em 0,25 ponto percentual para o intervalo entre 2% e 2,25% ao ano, ante o range anteriro de 2,25% e 2,5%, a notícia não foi recebida pelo presidente americano Donald Trump.

Mesmo com a redução estando dentro do que o mercado esperava, Trump fez duras críticas à postura de Powell e do banco como um todo.

"O que o mercado queria ouvir de Jay Powell e do FED é que esse seria o início de um longo e agressivo ciclo de corte de juros para acompanhar o ritmo de China, União Europeia e outros países ao redor do mundo", disse Trump.

E ainda finalizou dizendo que "assim como de costume, Powell nos decepcionou, mas pelo menos ele está terminando o aperto monetário, - que por sinal não deveria nem ter começado -  sem inflação [sic]. Nós somos vencedores, de qualquer forma, mas certamente não estamos recebendo muita ajuda do Federal Reserve".

A decisão

As críticas de Trump ocorrem porque, no comunicado, o colegiado presidido por Jerome Powell fala que decidiu cortar os juros em função das implicações do cenário global sobre a economia americana em um ambiente sem pressões inflacionárias.

A redução é a primeira desde a grande crise financeira de 2007/2008. Mas a frustração do presidente norte-americano ocorre porque Powell deixou claro que o ciclo de cortes não será longo, pois não enxerga risco de recessão ou severa crise econômica.

Ao ser questionado por jornalistas, Powell disse que “não é o começo de uma longa série de cortes. Também não disse que é apenas um corte ou qualquer coisa assim. Eu disse que quando pensamos em ciclos de corte, eles duram muito tempo. O comitê não está vendo isso. Você faria isso se visse uma fraqueza econômica real e pensasse que o juro teria de ser cortado muito. Não é isso que estamos vendo. O que estamos vendo é que é apropriado ajustar a política para uma postura mais acomodativa ao longo do tempo. E é assim que estamos olhando para a questão. O que eu disse foi que não é um longo ciclo de corte, referindo-se ao que fazemos quando há uma recessão ou uma crise muito severa. E isso é o que realmente estou descartando”.

Mas não foi só Trump que reagiu mal. A primeira reação nas bolsas foi negativa. Antes da decisão, os índices operavam próximos da estabilidade, caíram um pouco após a divulgação e aprofundaram queda depois que Powell deixou claro que não se trata de um longo ciclo de cortes de juros.

No fim do pregão, o Dow Jones caiu 1,23%, enquanto o Nasdaq  recuou 1,19% e o S&P 500 perdeu 1,09%.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

varejo online

B2W tem alta de 56% nas vendas e diminui prejuízo, que chega a R$ 43,8 milhões

Linha final do balanço é 57% melhor do que há um ano, enquanto mercado falava em prejuízo de R$ 60 milhões no terceiro trimestre; receita teve alta de 58,5% no período

cardápio de balanços

Suzano, Fleury e Totvs: os balanços que mexem com o mercado nesta sexta

São empresas cujas ações fazem parte da carteira teórica do Ibovespa – ou seja, os resultados das companhias ajudam a calibrar o índice

Sucessão no bancão

Milton Maluhy Filho será o novo presidente do Itaú Unibanco

Maluhy tem 44 anos e ingressou no Itaú em 2002. Após passar por diversas funções, o executivo ocupa o cargo de vice-presidente da área de riscos e finanças do maior banco privado brasileiro.

Big Techs

Resultados de Facebook, Google, Amazon, Twitter e Apple mexem com o mercado; veja números

Apesar dos resultados estarem bastante acima do esperado pelos analistas, as ações de algumas das gigantes caíram no pós-mercado em NY

Rombo

Governo Central tem déficit de R$ 76,1 bilhões em setembro

O resultado, que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, sucede o déficit de R$ 96,096 bilhões de agosto.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies