Menu
2019-09-19T07:39:07-03:00
Estadão Conteúdo
Expectativa por mais cortes

Para analistas, Selic pode terminar o ano em 4,5%

Bradesco informou que reduzirá as taxas de juros de suas principais linhas de crédito a partir de segunda-feira, 23 de setembro, acompanhando a decisão do Banco Central

19 de setembro de 2019
7:39
Gráfico desenhado por um homem mostra queda
Imagem: Shutterstock

Economistas afirmaram que o comunicado apresentado nesta quarta-feira, 18, pelo Copom sinaliza que há espaço para mais afrouxamento monetário, ou seja deve ocorrer novos cortes na Selic.

O economista do Santander Rodolfo Margato disse que o tom do comunicado reforça a expectativa do banco de que a taxa Selic encerre o ano em 4,5%, com mais dois cortes seguidos de 0,50 ponto. O Santander também reitera a expectativa de Selic estável em 4,5% ao longo de 2020.

"O grande destaque do comunicado foi a questão das expectativas, principalmente no cenário híbrido", afirma.

A economista-chefe da Ourinvest Investimentos, Fernanda Consorte disse que, apesar de não fazer projeções para taxa de juros, avalia ser perfeitamente factível a Selic encerrar ano entre 5% e 4,5%.

Para Fernanda, pesa também a favor da continuidade dos cortes da Selic o fato de o cenário de baixa atividade pelo qual passa a economia não possibilitar repasses da alta do dólar para os preços. O comunicado, diz, manteve praticamente os mesmos balanços de riscos vistos na ata da reunião anterior: "O BC segue dando atenção para a atividade externa, mas sinaliza que a queda de juros nas economias centrais pode trazer algum alívio para os emergentes."

"Acreditamos que essa decisão sinaliza que o Banco Central deve continuar com o processo de corte de juros nas próximas reuniões, se não ocorrerem choques externos relevantes", diz Gabriela Fernandes, economista chefe da Gauss Capital, sobre o corte do juro.

Crédito

O Bradesco informou que reduzirá as taxas de juros de suas principais linhas de crédito a partir de segunda-feira, 23 de setembro, acompanhando a decisão do Banco Central. O banco não informou, entretanto, quais serão as linhas que terão as taxas reduzidas.

O Itaú Unibanco também anunciou uma redução nas taxas de juros de suas linhas de crédito. O banco disse que vai repassar integralmente o corte de 0,50 ponto porcentual anunciado na quarta-feira Copom. Em nota, o banco informa que para pessoa física, a redução será no empréstimo pessoal e, no caso de pessoa jurídica, no capital de giro. Conforme o Itaú, os valores, que passam a valer a partir de desta quinta-feira, 19, variam de acordo com o perfil do cliente e de seu relacionamento com o banco.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

de olho no teto de gastos

Governo busca saída legal se tiver de prorrogar pagamento do auxílio

Se o Congresso resolver aprovar a prorrogação, sem ser via crédito extraordinário, os gastos com o pagamento do auxílio vão concorrer com o teto de gastos no espaço orçamentário

Inovação

Petrobras lança plataforma de soluções finaneiras para fornecedores

A Petrobras informa que lançou o Programa Mais Valor, nova ferramenta de soluções financeiras para fornecedores. Segundo a estatal, o piloto começou na semana passada e, a partir do dia 30 deste mês, a ferramenta estará aberta às empresas interessadas em antecipar faturas com taxas mais competitivas. A expectativa da estatal é de que o […]

HOMEM NEGRO ESPANCADO

Carrefour reitera que está tomando medidas após morte de João Alberto de Freitas

Empresa divulga comunicado um dia após perder quase R$ 2 bilhões em valor de mercado por conta do episódio

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

abertura dos negócios

Petrobras dispara e leva Ibovespa aos 109 mil pontos; dólar segue em queda firme

Ações da estatal disparam na esteira da forte alta do petróleo. Investidores reagem globalmente com a busca por ativos de renda variável em meio a uma menor percepção de risco político nos Estados Unidos e ao otimismo com vacina

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies