Menu
2019-09-19T07:39:07-03:00
Estadão Conteúdo
Expectativa por mais cortes

Para analistas, Selic pode terminar o ano em 4,5%

Bradesco informou que reduzirá as taxas de juros de suas principais linhas de crédito a partir de segunda-feira, 23 de setembro, acompanhando a decisão do Banco Central

19 de setembro de 2019
7:39
Gráfico desenhado por um homem mostra queda
Imagem: Shutterstock

Economistas afirmaram que o comunicado apresentado nesta quarta-feira, 18, pelo Copom sinaliza que há espaço para mais afrouxamento monetário, ou seja deve ocorrer novos cortes na Selic.

O economista do Santander Rodolfo Margato disse que o tom do comunicado reforça a expectativa do banco de que a taxa Selic encerre o ano em 4,5%, com mais dois cortes seguidos de 0,50 ponto. O Santander também reitera a expectativa de Selic estável em 4,5% ao longo de 2020.

"O grande destaque do comunicado foi a questão das expectativas, principalmente no cenário híbrido", afirma.

A economista-chefe da Ourinvest Investimentos, Fernanda Consorte disse que, apesar de não fazer projeções para taxa de juros, avalia ser perfeitamente factível a Selic encerrar ano entre 5% e 4,5%.

Para Fernanda, pesa também a favor da continuidade dos cortes da Selic o fato de o cenário de baixa atividade pelo qual passa a economia não possibilitar repasses da alta do dólar para os preços. O comunicado, diz, manteve praticamente os mesmos balanços de riscos vistos na ata da reunião anterior: "O BC segue dando atenção para a atividade externa, mas sinaliza que a queda de juros nas economias centrais pode trazer algum alívio para os emergentes."

"Acreditamos que essa decisão sinaliza que o Banco Central deve continuar com o processo de corte de juros nas próximas reuniões, se não ocorrerem choques externos relevantes", diz Gabriela Fernandes, economista chefe da Gauss Capital, sobre o corte do juro.

Crédito

O Bradesco informou que reduzirá as taxas de juros de suas principais linhas de crédito a partir de segunda-feira, 23 de setembro, acompanhando a decisão do Banco Central. O banco não informou, entretanto, quais serão as linhas que terão as taxas reduzidas.

O Itaú Unibanco também anunciou uma redução nas taxas de juros de suas linhas de crédito. O banco disse que vai repassar integralmente o corte de 0,50 ponto porcentual anunciado na quarta-feira Copom. Em nota, o banco informa que para pessoa física, a redução será no empréstimo pessoal e, no caso de pessoa jurídica, no capital de giro. Conforme o Itaú, os valores, que passam a valer a partir de desta quinta-feira, 19, variam de acordo com o perfil do cliente e de seu relacionamento com o banco.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

uma bolada

Bradesco paga R$ 5 bilhões em juros sobre capital próprio

Valor representa R$ 0,416 por ação ordinária e R$ 0,458 por ação preferencial, após o desconto do Imposto de Renda

seu dinheiro na sua noite

Dólar abaixo de R$ 5, Selic de volta aos 7% e o investimento da Petz em página de gatinhos

Apesar dos avanços na vacinação e do relaxamento nas medidas de distanciamento social, o fato de ainda estarmos convivendo com o coronavírus e uma elevada mortalidade pela covid-19 faz com que 2021 tenha um sabor de 2020 – parte 2. Assim tem sido, pelo menos para mim. Imagino que também seja assim para todas as […]

atenção, acionista

Weg e Lojas Renner anunciam juros sobre capital próprio; confira valores

Empresa de fabricação e comercialização de motores elétricos paga R$ 86,1 milhões; provento da varejista chega a R$ 88 milhões

Alívio no câmbio

Dólar fica abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez em mais de um ano — e o empurrão veio dos BCs

O dólar à vista terminou o dia em R$ 4,96, ficando abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez desde 10 de junho de 2020. O Ibovespa caiu

Constitucionalidade em xeque

Autonomia do Banco Central: STF retoma julgamento no dia 25, mas recesso pode estender votação até agosto

A lei em análise restringe os poderes do governo federal sobre a autoridade máxima da política monetária do País

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies