Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-04T09:52:52-03:00
Estadão Conteúdo
Sem recado para o governo

PEC do Orçamento não afeta teto de gastos e não é medida política, diz Maia

Proposta foi aprovada na terça-feira, em dois turnos, em uma votação relâmpago e com ampla maioria

27 de março de 2019
13:25 - atualizado às 9:52
Rodrigo Maia
Presidente da Câmara do Deputados, Rodrigo Maia - Imagem: Sérgio Dutti/Estadão Conteúdo

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), divulgou nesta quarta-feira, 27, uma nota sobre a aprovação da PEC do orçamento pelo parlamento. No texto, o deputado nega que a matéria seja uma medida política, em referência às análises que viram o movimento como um "recado para o governo", e também afirma que a mudança não tem potencial para afetar o Teto de Gastos.

A Proposta de Emenda Constitucional nº 2, de 2015, foi aprovada na terça, em dois turnos, em uma votação relâmpago e com ampla maioria. A matéria que estava "adormecida" nem estava na pauta oficial do plenário no início do dia, mas sua aprovação foi costurada entre os líderes partidários durante reunião no início da tarde de ontem.

Na nota divulgada nesta quarta, Maia afirma que o texto aprovado pela Comissão Especial no final de 2015 recebeu emendas de redação para garantir sua compatibilidade com o Teto de Gastos (Emenda Constitucional n. 96/2016), que não poderá ser ultrapassado. "É fundamental, ainda, esclarecer que a PEC não impede o governo de atuar no sentido de conter déficits, nem de realizar o contingenciamento de despesas quando necessário", diz.

Segundo Maia, o que muda agora é que o contingenciamento, seja das emendas individuais, seja das de bancada, deverá incidir de forma proporcional sobre as demais despesas passíveis de contingenciamento. "A PEC torna o orçamento público mais realista e, por consequência, atribui maior peso às propostas do Executivo aprovadas pelo Legislativo", afirma o presidente da Câmara.

Para ele, com a medida, o orçamento deixa de ser uma "peça de ficção". "A PEC busca romper com uma cultura de inércia administrativa, em que o gestor não era obrigado nem a executar as programações orçamentárias, nem a justificar a sua inação diante do que foi aprovado pelo Poder Legislativo", diz.

O presidente da Câmara ressalta ainda que a PEC só vigorará a partir do exercício financeiro de 2022. "Não se trata de uma medida casuística ou política, mas de importante inovação na cultura orçamentária do país, comprometida com os valores da responsabilidade fiscal, da eficiência administrativa e da valorização do Poder Legislativo", afirma.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Presente de grego

Bolsonaro está dando presente para os mais pobres com o Auxílio Brasil? Para o relator do benefício na Câmara, ele está apenas emprestando até ganhar a eleição

O deputado Marcelo Aro diz que a solução encontrada pelo presidente é claramente eleitoreira e pode prejudicar os beneficiários após o fim das eleições

INVESTIR EM CANNABIS

Dividendos em Cannabis: como ganhar uma renda recorrente investindo em um dos segmentos mais promissores dos próximos anos

O analista Enzo Pacheco explica as oportunidades desse mercado que tem ganhado cada vez mais espaço nos Estados Unidos

US$ 1 = R$ 5,70

Dólar flerta com o maior patamar em seis meses, mas desacelera alta após relatório da PEC dos precatórios e moeda se afasta dos R$ 5,70

Em 2021, o dólar chegou a atingir o patamar de R$ 5,883, em março, um dos piores momentos da crise causada pela pandemia de covid-19

TAPANDO O SOL COM A PENEIRA

Bolsonaro recorre a suposta sensibilidade com mais pobres para negar que esteja furando teto

Comentários do presidente vêm à tona um dia depois de o ministro da Economia, Paulo Guedes, ter admitido a necessidade de uma ‘licença para gastar’

bitcoin (BTC) hoje

Criptoressaca: Bitcoin (BTC) cai para a casa dos US$ 62 mil em ajuste após atingir máximas históricas

Depois de bater as máximas históricas, é comum que ocorra um movimento de realização de lucros, assim como acontece com a bolsa de valores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies