Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-04T09:51:01-03:00
Estadão Conteúdo
Corrida pela aprovação

Parlamento não tem 320 liberais, diz Maia, sobre votação da reforma

Presidente da Câmara dos Deputados defendeu as mudanças na previdência, mas criticou as alterações no Benefício de Prestação Continuada (BPC) e na aposentadoria rural

18 de março de 2019
12:51 - atualizado às 9:51
Rodrigo Maia
Rodrigo Maia - Imagem: André Dusek/Estadão Conteúdo

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta segunda-feira, 18, que o Parlamento não tem "320 liberais", numa referência à quantidade de congressistas dispostos a votar a favor da proposta de emenda constitucional (PEC) de reforma da Previdência enviada pelo governo Jair Bolsonaro. Segundo Maia, o convencimento dos parlamentares será uma "construção".

"Não temos 320 liberais no Parlamento brasileiro", afirmou Maia, ao discursar na abertura do seminário "Reforma da Previdência", promovido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio.

O deputado não indicou quantos parlamentares seriam a favor da reforma. "É uma construção, mostrando que a agenda de reformas vai criar condições para que o Estado brasileiro volte a ter condições de investir na melhoria da qualidade de vida das pessoas", completou o presidente da Câmara, que classificou o debate sobre a reforma de "amargo".

BPC e aposentadoria rural

O presidente da Câmara dos Deputados defendeu a reforma da Previdência, mas criticou dois pontos da PEC enviada pelo governo: em relação às mudanças no Benefício de Prestação Continuada (BPC) e na aposentadoria rural.

Segundo o deputado, "o governo criou confusão desnecessária no debate" por causa da forma como desenhou as mudanças tanto no BPC quanto na aposentadoria rural, pontos destacados por ele como objetos de "problemas e polêmicas".

Maia lembrou das resistências da sociedade em relação às mudanças nas regras previdenciárias. "Às vezes, estamos debatendo a (reforma da) Previdência e parece que estamos contra as pessoas. Os brasileiros, inclusive servidores públicos, muitas vezes atacam uma reforma que é a favor deles", afirmou o presidente da Câmara, completando que "nunca conseguimos mostrar qual a importância da reforma da Previdência".

Ainda assim, Maia ressaltou a importância de se trabalhar pela aprovação da reforma, pois "construímos, nos últimos 30 anos, um Estado inviável de continuar existindo". "Ou a política reconstrói as despesas ou o divórcio da política com a sociedade será cada vez maior", disse o deputado, numa referência à incapacidade de o Estado atender demandas sociais dos cidadãos.

No fim do discurso, Maia fez um alerta sobre as consequências de a reforma não ser aprovada. Segundo o presidente da Câmara, se o sistema previdenciário quebrar, o governo federal será obrigado a "aumentar o endividamento", mas quando não tiver mais capacidade de colocar títulos da dívida no mercado, terá que "emitir moeda", o que levaria a economia brasileira de volta à "hiperinflação", que corroeria os salários, prejudicando especialmente os mais pobres.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

O tal do "tapering"

Fed mantém juros e, sem data definida, aponta início do processo de redução de estímulos em breve

O momento ideal para que o Fed comece a pisar no freio com as compras de ativos é o grande debate entre dirigentes e investidores nos últimos três encontros do grupo

caiu demais?

Americanas (AMER3) pode dobrar de valor, diz BB, que vê empresa menos endividada

Banco estabeleceu preço-alvo de R$ 75,30 para os papéis, citando crescimento de vendas e ganho de margem líquida com redução da alavancagem financeira

Virou o jogo

Arezzo (ARZZ3) pode subir 30% com compra da Reserva e novas aquisições

Os analistas do banco de investimentos estão mais confiantes no potencial de lucro da empresa e elevaram também o preço-alvo dos papéis

unicórnio latino

Plataforma de venda de carros usados Kavak se torna a segunda startup mais valiosa da América Latina

Empresa foi avaliada em US$ 8,7 bilhões, após nova rodada de aportes liderada pelo fundo de venture capital General Catalyst

Oportunidades

Ditadura, crise de 2008 e tragédia do governo Dilma: nada venceu a Bolsa no longo prazo; conheça 7 ações promissoras diante da queda do Ibovespa

É tolice cair no desespero de vender ações na baixa do Ibov, afinal, histórico da Bolsa mostra que nenhuma crise venceu a bolsa no longo prazo; dito isso, o Seu Dinheiro apresenta para você oportunidades que você deve ficar de olho

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies