Menu
2019-08-12T17:26:43-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Mexendo nos impostos

Secretário da Receita Federal revela detalhes sobre proposta de reforma tributária

Marcos Cintra sinalizou que o governo abrirá mão de sua proposta se perceber o avanço no Congresso da proposta elaborada por Bernard Appy

12 de agosto de 2019
17:26
O economista Marcos Cintra, secretário especial da Receita Federal do governo Bolsonaro e ex-presidente da Finep
Marcos Cintra, secretário especial da Receita Federal - Imagem: Pedro França/Agência Senado

O secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, afirmou nesta segunda-feira, 12, que o governo pretende estabelecer um teto de renda para que os brasileiros possam ter acesso à dedutibilidade de despesas médicas na declaração do Imposto de Renda para Pessoas Físicas (IRPF), na proposta de reforma tributária que está sendo elaborada pela equipe econômica.

"O que nós pretendemos, no que diz respeito a deduções médicas no IR, é estabelecer um teto", disse Cintra. "Hoje existe um benefício excessivo a famílias de alta renda, que usa medicina particular e não usa o SUS. O grosso da população usa o SUS e não tem nenhuma dedução", afirmou. "Vamos estabelecer um teto que seja justo, e não dê excesso de privilégios e benefícios àqueles que não precisam", acrescentou.

Cintra, que encerrou participação em evento da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), também comentou a proposta de criação de um tributo sobre pagamentos, para substituir o tributo sobre folha e financiar a Previdência.

Segundo ele, a substituição aumentaria em 30% a base de arrecadação, porque a Receita estima que há R$ 400 bilhões de recursos que são sonegados, diante de uma arrecadação prevista de R$ 1,4 trilhão. "Um tributo sobre pagamento com uma alíquota pequena trará benefícios muito maiores e malefícios muito menores do que um tributo convencional com uma alíquota gigantesca", disse.

Proposta de Appy

O secretário da Receita Federal afirmou ainda que o governo abrirá mão de sua proposta de reforma tributária, que estabeleceria um IVA para tributos federais, se perceber o avanço no Congresso da proposta elaborada pelo tributarista Bernard Appy e assinada pelo deputado Baleia Rossi (MDB-SP), que propõe um IVA nacional.

"A proposta do governo é uma alternativa para o caso de que o debate se alongue e inviabilize a reforma (de Appy e Rossi)", disse o secretário.

Na visão de Cintra, a proposta de Appy e Rossi é politicamente mais difícil, porque exigiria um consenso entre Estados e municípios, por envolver tributos federais e municipais.

"A conversa que há entre o presidente Jair Bolsonaro e os presidentes da Câmara e do Senado (Rodrigo Maia, do DEM-RJ, e Davi Alcolumbre, do DEM-AP) é de construir uma proposta em conjunto. Se houver consenso para o IVA nacional, de que há viabilidade ainda neste governo, abriremos mão da proposta de IVA federal", disse.

Cintra, contudo, acredita que é melhor concentrar esforços em uma proposta de IVA federal do que em uma de IVA nacional. "Se insistirmos no IVA nacional, podemos terminar sem nada. Com o IVA federal podemos ter algo", comentou.

Incidência cumulativa de tributo

Cintra também afirmou que o setor financeiro estará "blindado" de "toda e qualquer incidência cumulativa" de um novo tributo sobre pagamentos que está sendo proposto na reforma tributária que o governo federal pretende apresentar nas próximas semanas.

Segundo ele, a blindagem ocorrerá por meio de contas especiais. "Toda e qualquer transação que diga respeito ao mercado financeiro, aplicações financeiras... Os bancos também terão contas financeiras especiais, que estarão marcadas e sob essas contas não incidirá esse imposto sobre pagamentos", disse. "Vai blindar o sistema financeiro de toda e qualquer incidência cumulativa", disse.

Na proposta de reforma que tramita na Câmara, já houve uma sinalização por parte do tributarista Bernard Appy, autor do texto, de que alguns serviços financeiros também ficariam de fora da tributação.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

esquenta dos mercados

Mercado busca recuperação tímida após dia sangrento e bateria de divulgações

Investidores devem repercutir balanços e decisão do Copom, enquanto monitoram situação fiscal, do coronavírus no exterior e a tensão provocada pela proximidade das eleições americanas.

BALANÇO

Consumo de cerveja no Brasil puxa receita e Ambev supera projeções no 3º trimestre

Lucro líquido cai 9% por conta de despesas financeiras, mas fica acima das expectativas do mercado; volume de vendas consolidado cresce 12%

DADOS OFICIAIS

Brasil tem 158,4 mil mortes por covid-19 desde início da pandemia

País registra 28.629 novos casos e 510 novas mortes pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo Ministério da Saúde

Bons presságios

O que esperar para cada segmento do mercado imobiliário, segundo o BTG – e uma ação para ficar de olho

Em relatórios setoriais, analistas do banco dizem o que esperam para os resultados do terceiro trimestre das companhias ligadas aos diferentes segmentos do mercado; visão, em geral, é otimista

Que bolsa é essa? - SD Premium

Telefone pra você: uma empresa líder na bolsa — e com o conforto dos dividendos

Nos níveis atuais, acho bastante interessante comprar as ações. Mesmo que não haja nenhum grande gatilho de curto prazo, os dividendos te compensam pela espera

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies