Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-22T20:54:30-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Tá quase acabando

Senado aprova reforma da Previdência por 60 votos a 19

Votado o texto principal, senadores avaliaram dois dos quatro destaques apresentados. Votação será retomada na quarta-feira

22 de outubro de 2019
19:23 - atualizado às 20:54
Plenário do Senado com o presidente Davi Alcolumbre
Senado vota segundo turno da reforma da Previdência - Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

O plenário do Senado concluiu a votação em segundo turno do texto principal da reforma da Previdência. O texto teve 60 votos favoráveis e 19 contrários. O mínimo necessário era de 49 votos. O resultado ficou acima dos 56 votos do primeiro turno de votação.

A reforma, no entanto, vai se arrastar por mais um dia. Ficaram faltando dois destaques, tentativas de modificação do texto. Um destaque do PT sobre aposentadoria especial por periculosidade ou de acordo com a categoria profissional gerou grande debate no plenário.

Atendendo sugestão do senador Eduardo Braga (MDB-AM), que levantou dúvidas sobre o tema, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, optou por cancelar a votação.

A fala de Braga foi um tipo de alerta sobre o risco de o texto ser modificado. Além de um impacto de mais de R$ 23 bilhões, uma derrota do governo no tema abriria a possibilidade de retorno do texto à Câmara dos Deputados. São necessários 49 votos para que o texto não seja alterado. Os dois primeiros destaques caíram com 57 votos.

Votação

Antes de proclamar o resultado da votação do texto principal, Alcolumbre agradeceu a presença do ministro da Economia, Paulo Guedes, que chegou ao plenário ao fim da votação.

Alcolumbre também destacou a busca por entendimentos e consensos, que a população espera do Senado, independentemente de orientação partidária. “O Brasil, hoje, com essa votação mostra a grandeza do Parlamento, maturidade política e responsabilidade”, disse.

"Quero dizer ao governo que o Congresso cumpre com sua responsabilidade. O parlamento entrega a maior reforma da previdência da história do país", afirmou Alcolumbre.

Superada essa etapa se encerra o trâmite legislativo da reforma, que chegou ao Congresso em fevereiro, e centrou o debate político e econômico nacional durante boa parte do ano. O texto final (até o momento) prevê uma economia de cerca de R$ 800 bilhões ao longo de dez anos. Resultado que pode ser comemorado, mesmo com as desidratações que a reforma sofreu ao longo da tramitação.

Logo após o resultado da votação, Guedes expressou felicidade pelo resultado e disse que sempre teve confiança no Congresso. O ministro também defendeu que o ideal é que Estados e municípios também entrem na reforma (assunto que está sendo discutido na chamada PEC paralela). Na semana que vem devem ser apresentadas outras propostas de reforma, com o pacto federativo que também inclui uma reforma administrativa.

O secretário de Fazenda, Waldery Rodrigues, em breve conversa com "Seu Dinheiro", disse que esse é "um momento histórico", pois a Previdência é a principal despesa primária da União e como colocou o governo, desde o início, essa era a principal reforma a ser seguida para fins de ajuste das contas públicas.

"Dia histórico. Passo forte para a consolidação fiscal. Mas não se encerra aí. Temos de buscar outros pontos para trazer o equilíbrio fiscal", disse Rodrigues.

Sobre as próximas reformas - tributária, pacto federativo e administrativa - o secretário disse que o ritmo de andamento será ditado em discussão do Executivo com o Congresso.

Como escrevemos mais cedo, uma forma ver o tema é como um compromisso do país com a sustentabilidade das contas públicas. Essa reforma aliada à emenda do teto de gastos, que limitou o crescimento do gasto público, “compram tempo” para o país fazer um ajuste fiscal gradual, sem avançar sobre “direitos adquiridos”, nem elevar ainda mais a carga tributária.

Ao longo da orientação de bancadas, uma ponderação feita por boa parte dos senadores foi de que a reforma não era a solução, mas era algo necessário.

Pela manhã, o texto já tinha sido rapidamente aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do senado, trazendo apenas modificações na redação do texto.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Adeus ano velho

Ano novo, impostos novos! Reforma do IR fica para 2022, confirma presidente do Senado

O governo Bolsonaro pressionava pela aprovação da proposta para financiar o Auxílio Brasil, mas não conseguiu apoio na Casa

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bitcoin e bolsa se recuperam após susto com nova variante, Azul e Latam sobem o tom e outros destaques do dia

Pouco se sabe ainda sobre a nova variante do coronavírus detectada na África do Sul, mas o que veio à público até agora é muito melhor do que o mercado financeiro precificou na última sexta-feira (26). Sem o pânico visto na semana passada, o Ibovespa encontrou forças para abrir a semana em alta.  Um estudo […]

Fechamento do dia

Mercado supera susto com ômicron, e bolsas globais engatam recuperação; Ibovespa sobe com menos força, de olho na PEC dos precatórios

Pesando os desafios fiscais brasileiros, o Ibovespa fechou longe das máximas, mas se recuperou parcialmente do tombo de sexta-feira

UM ÚLTIMO TUÍTE

Do Twitter para o bitcoin? Jack Dorsey deixa comando da rede social e reacende rumores sobre projeto em criptomoedas

O fundador da rede social passará o cargo para Parag Agrawal, um veterano da empresa, depois de comandá-la de 2006 a 2008 e de 2015 até hoje

Pílulas do Mercado

Bitcoin levou ‘rasteira’: com até 200.000% no ano, criptos DeFi estão mudando o sistema financeiro – e podem te ajudar a enriquecer em 2022

Quem deixou de investir nas tecnologias que revolucionaram o planeta até hoje, ficou ‘chupando o dedo’ enquanto os espertos enriqueciam; agora, existe uma lista de criptoativos DeFi que está transformando as transações financeiras e que pode transformar R$ 500 em R$ 100 mil, R$ 5 mil em 1 milhão – conheça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies