Menu
2019-05-23T15:36:49-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Reformas

Presidente e relator da Previdência jogam ‘policial bom, policial ruim’ nas suas declarações

Depois de aceno conciliador dado por Samuel Moreira na segunda-feira, Marcelo Ramos sobe à tribuna, critica o governo e pergunta: “Vamos transformar isso aqui em uma Venezuela?”

23 de maio de 2019
15:36
Deputados Marcelo Ramos (esq.) e Samuel Moreira (dir.)
Deputados Marcelo Ramos (esq.) e Samuel Moreira (dir.) - Imagem: Luis Macedo e Cleia Viana/Câmara dos Deputados

A cena de cinema é bem conhecida. Temos um suspeito sentado na sala de interrogatório e dois policiais fazendo perguntas. Um deles tem uma postura bastante agressiva, bate na mesa, ameaça a testemunha. O outro, mais ponderado, tenta mostrar as vantagens de uma eventual colaboração, com um tom de voz mais amigável.

O jogo ou estratégia é chamado de “good cop, bad cop”, ou “policial bom” e “policial ruim”. A tradicional cena parece descrever bem o que acontece nas declarações sobre a reforma da Previdência feitas pelo relator da medida da Comissão Especial, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), e o presidente da comissão, deputado Marcelo Ramos (PR-AM). Nos filmes, no entanto, essa atuação é combinada, no caso aqui, não se sabe.

Na segunda-feira, depois de um fim de semana de grande incerteza que fechou a “semana do tsunami”, Moreira saiu de audiência com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e fez o papel do “policial bom”.

Moreira descartou a ideia de que o Congresso faria sua própria proposta para Previdência, disse que iria defender a potência fiscal de R$ 1 trilhão, e que não havia desentendimentos com o governo.

“Se houver alterações, será apresentando um substitutivo, como sempre ocorreu na Casa, sem nenhum problema. Não há qualquer desentendimento, pelo contrário, estamos cada vez mais unidos. Unindo cada vez mais os partidos. Temos que ter o governo junto. É evidente. O governo tem um partido importante que é o PSL. Temos que estar juntos”, disse Moreira.

Chegamos na quinta-feira, e o presidente Marcelo Ramos sobe à tribuna da Câmara dos Deputados e assume o papel do "policial ruim". Defende sua atuação falando que não há qualquer atraso na tramitação da matéria, o que é fato, mas que se depara com duas declarações que “jogam contra a sociedade e que fragilizam a tramitação da matéria”.

Primeira, segundo Ramos, foi uma fala meio enigmática de Jair Bolsonaro em reunião com a Bancada do Nordeste, na qual o presidente falou que proporia medida como impacto fiscal maior que o R$ 1 trilhão da Previdência e que seria aprovada, com toda a certeza, por unanimidade, nas duas Casas.

“Se é verdade, que ele apresente à Câmara e que suspenda os trabalhos da Comissão Especial”, disse Ramos.

Na sequência, Ramos disse ter se deparado com declarações de deputado do PSL, dizendo que quem fala em aprovar a reforma na comissão em junho e no plenário em julho está mentindo.

Ramos chamou a atitude de irresponsabilidade e lembrou que em rede social já tinha visto outro deputado do PSL postar meme perguntando se o povo concorda em atrasar a reforma, o colocando como culpado.

“São ataques covardes e injustos. De covardes pelas redes sociais, até relevo. Cada um diz o que quer. Agora, quando dois deputados do partido do presidente colocam em xeque o que está sendo tratado por essa Casa para aprovar a reforma, começo a duvidar de que, realmente, o governo quer aprovar essa reforma. Quem quer aprovar essa reforma age para unir o Parlamento e valorizar a condução de vossa excelência, presidente Rodrigo Maia”, afirmou.

Mas o ponto alto de sua intervenção veio depois e combina bem com as cenas que assistimos ontem, no plenário da Câmara, durante a votação da MP 870, quando deputados estavam todos grudados em seus celulares postando mensagens em redes sociais.

“É um momento de grandeza, meus amigos, de serenidade. O país é muito mais do que curtida no Twitter. O país é muito mais do que um like no Instagram. É hora de serenidade. É hora de unir o país. Um país dividido não anda para frente. Vamos transformar isso aqui em quê? Em uma Venezuela? Um dia, um ato pró governo. No outro dia, ato contra o governo. E o país paralisado. Do que adianta as vitórias de Pirro que todos nós estamos tendo aqui? Governo e oposição, independente, todas as vitórias até aqui forram de Pirro! Enquanto comemoramos nossas vitórias pontuais, o Brasil está perdendo. Perdendo porque não estamos sendo capazes de manter a serenidade. E a responsabilidade maior disso é do governo, é do partido do presidente.”

Nos filmes, geralmente, os dois policiais têm razão. No caso aqui, o nosso suspeito, o PSL, não parece mesmo estar com uma postura muito coesa ou responsável. Há membros trabalhando ativamente pela reforma, como Felipe Francischini e Alexandre Frota, citados por Ramos. Mas a falta de unidade na atuação e na postura, abre espaço para críticas e desgastes, por vezes, desnecessários. Vide o rompimento de Maia com major Vitor Hugo, líder do governo na Câmara.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

O cliente voltou

EUA retomam importação de carne in natura do Brasil

Até o momento, os americanos vinham comprando apenas carne enlatada do Brasil

Mudou de vez

Grupo Pão de Açúcar conclui migração para o Novo Mercado da B3 e ações PN deixarão de ser negociadas

Empresa anunciou ainda o início da negociação de ADRs na Bolsa de Valores de Nova York

Enfim, a decisão

Azul fecha acordo para a compra da TwoFlex por R$ 123 milhões

Proposta já havia sido comunicada ao mercado em 14 de janeiro deste ano, mas só agora foi definida

Seu Dinheiro na sua noite

Mamãe eu quero, mamãe eu quero dólar…

Quem me acompanha há algum tempo aqui na newsletter já deve me conhecer o suficiente para não se chocar com a revelação que vou fazer a seguir: eu não sou um grande fã de Carnaval. Mas se você curte sair nos blocos que vão invadir as ruas da cidade e fazer outras estripulias nos próximos […]

De olho no comércio

Procon vê irregularidades em fixação de preço nas lojas da Swift, da JBS

Produtos apresentavam apenas o valor do quilo, obrigando consumidor a fazer cálculos para saber quanto custa cada peça

Recorde atrás de recorde

Dólar sobe pelo quinto dia, cruza pela primeira vez os R$ 4,40 e avança mais de 2% na semana

Pressionado pela aversão ao risco no exterior e pela cautela com o cenário político doméstico, o dólar à vista atingiu novas máximas na semana e rompeu a barreira dos R$ 4,40 no momento de maior tensão. O Ibovespa também teve uma semana de maior estresse, recuando 0,61% desde segunda-feira

Enfim, consenso

Petrobras sela acordo com funcionários e põe fim à greve que durou 20 dias

Acordo foi possível após reunião de conciliação que começou na manhã desta sexta-feira

ONDE INVESTIR

Vale a pena investir em Ações Microcaps?

Max Bohm explica por que ele acredita que comprar as pequenas notáveis da bolsa é o melhor investimento do mundo.

Epidemia mundial

Coronavírus aumenta impacto sobre produção do setor eletroeletrônico, diz Abinee

57% das empresas associadas já enfrentam problemas no recebimento de materiais, componentes e insumos

Texto pronto!

Bolsonaro assina proposta de reforma administrativa que enviará após o carnaval

Presidente retirou do texto analisado a proibição ao servidor público de se filiar a partido político

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements