Menu
2019-05-17T14:38:53-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Pessimismo no radar

Política causou confusão que parou a economia e Brasil “está estressado”, diz FGV

Mais cedo, a FGV informou que o Monitor do PIB aponta para uma queda de 0,1% no desempenho da economia no primeiro trimestre

17 de maio de 2019
14:38
brasil-crise
FGV afirma que quadro de "compasso de espera" da economia não é novo e está desenhado há dois anos - Imagem: Shutterstock

Os aspectos políticos, que emperram o andamento da reforma da Previdência no Congresso Nacional, são o principal peso sobre as incertezas que levaram à paralisia da economia no primeiro trimestre deste ano, na avaliação do pesquisador Claudio Considera, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), coordenador do Monitor do PIB.

Mais cedo, a FGV informou que o Monitor do PIB aponta para uma queda de 0,1% no Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre ante o quarto trimestre de 2018.

"O comportamento político do governo causou confusão. O País está estressado. Todo dia tem confusão", afirmou Considera.

Para o pesquisador, o quadro de "compasso de espera" da economia não é novo, está desenhado há dois anos. A particularidade do cenário do primeiro trimestre é que ele tem um gosto de frustração, pois se segue a quadro de expectativas positivas após as eleições de outubro do ano passado - os ativos negociados em Bolsa se valorizaram, a confiança avançou, lembrou Considera.

"A equipe econômica é ótima, qualificada, todas as expectativas eram positivas e isso se inverteu em três meses", disse Considera.

Os dados desagregados do Monitor do PIB apontam para uma alta de apenas 0,4% na formação bruta de capital fixo (FBCF, conta dos investimentos no PIB) no primeiro trimestre ante igual período de 2018, sinalizando uma grande perda de ritmo.

No trimestre móvel findo em agosto de 2018, a FBCF crescia a 8,5% ante igual período do ano anterior.

E dentro da FBCF, o desempenho de máquinas e equipamentos passou de uma alta de 26,4% no trimestre findo em agosto de 2018 para 0,5% no primeiro trimestre desse ano.

Na comparação do primeiro trimestre com o quarto trimestre de 2018, os investimentos em máquinas e equipamentos tombaram 5,0%, informou Considera.

A interrupção dos investimentos industriais em bens de capital é sinal, segundo o pesquisador, da elevação da incerteza do setor privado em relação aos rumos da economia.

Calma

Para Considera, "precisa ter calma no País" para que os investimentos privados sejam retomados, não só na indústria, mas também na infraestrutura, atraindo capital internacional.

Na visão do pesquisador do Ibre/FGV, a recuperação cíclica da economia se dará via investimentos, que puxarão a produção industrial, os serviços e, aí sim, gerarão emprego e renda capazes de ampliar a demanda via consumo.

E esse investimento, diz Considera, deve ser privado, pois os governos, em todas as esferas, estão quebrados e não há espaço fiscal para investimentos públicos.

Nesse sentido, "não faz nenhum sentido" uma nova rodada de cortes na taxa básica de juros (Selic, hoje em 6,5% ao ano) com o objetivo de estimular a demanda, disse Considera.

"Espero que os resultados ruins do primeiro trimestre mostrem que esse comportamento (do governo) tem que ser alterado, sob o risco de haver um tombo na economia neste ano", afirmou Considera.

Na visão do pesquisador, a reforma da Previdência "não é suficiente, mas é condição necessária" para que a recuperação cíclica via investimentos seja retomada.

Dessa forma, conclui Considera, as reformas não podem parar na Previdência, mas a alteração nas regras de aposentadoria é um primeiro passo que deve ser dado logo.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

BANCÕES EM ALTA

Lucro do Banco do Brasil sobe 44,7% no 1º trimestre e atinge R$ 4,9 bilhões

O Banco do Brasil (BB) registrou lucro líquido ajustado de R$ 4,9 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 44,7% maior que os R$ 3,4 bilhões reportados em igual período de 2020 e 32,9% superior ao resultado obtido nos últimos três meses do ano passado. “O lucro recorde para um trimestre é resultado de uma estratégia […]

Vol é vida?

Lucro líquido da B3 cresce 22,5% e atinge R$ 1,25 bi no 1º trimestre

O lucro líquido recorrente atingiu R$ 1,4 bilhão, alta de 15,5% frente ao mesmo período do ano passado e de 15,2% na comparação com o trimestre anterior

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O Carnaval fora de época da Ambev e mais…

O varejo tem várias datas importantes: dia das mães, dia dos pais, dia das crianças, dia dos namorados, Black Friday, Natal… Há uma data comemorativa em quase todos os meses, e todas são aguardadas com ansiedade pelo setor — afinal, qualquer impulso nas vendas é bem vindo. Pois para a Ambev, a coisa funciona um […]

FECHAMENTO DO DIA

Balanços e commodities metálicas ditam o ritmo e Ibovespa fecha em alta; dólar volta à casa dos R$ 5,20

Com a agenda de indicadores fracas e um Copom sem grandes surpresas, os investidores se debruçaram nos números do trimestre e no novo recorde do minério de ferro.

Queda no apetite

Fed sinaliza risco de tombo nos preços de ativos em relatório de estabilidade

O banco central dos EUA demonstrou preocupação com um possível declínio no apetito ao risco dos investidores norte-americanos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies